Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Afeganistão e os direitos das mulheres

A reação global à situação no Afeganistão deve ser orquestrada, unida, firme e centrada nos direitos das mulheres, garantindo que avancemos e não retrocedamos

Este é o foco da última declaração da ONU Mulheres, que declara que esta entidade das Nações Unidas está “totalmente comprometida em apoiar as mulheres e meninas no Afeganistão”, acrescentando que “os direitos das mulheres e meninas no Afeganistão devem ter apenas uma direção: em frente”. A declaração destaca o “papel central” das mulheres e meninas no desenvolvimento do Afeganistão ao longo da história e destaca a necessidade de proteger os seus “direitos conquistados a custo de trabalho duro”.

Grande preocupação

Expressando sua "grave preocupação" com a situação atual, a ONU Mulheres apela ao Afeganistão para garantir os direitos humanos fundamentais para todos os cidadãos e para que as autoridades cumpram suas obrigações de "proteger os civis e fornecer aos trabalhadores humanitários acesso desimpedido para entregar em tempo oportuno e vital" serviços de ajuda ”.

“Os direitos das mulheres e meninas devem estar no centro da resposta global à crise atual”, finaliza a declaração.

Responsabilidade

As autoridades no poder, seja por meio de eleições ou assumindo o poder no vácuo, como é o caso no Afeganistão, ou sejam essas autoridades uma força invasora, têm a responsabilidade comum de fornecer serviços e servir aos cidadãos que vivem sob seu domínio.

Não é hora de atribuir culpas

Hoje, a situação é como é e não é hora de apontar o dedo e atribuir culpas. Os Talibã estão em controle do Afeganistão, mas com esse controle vem a responsabilidade e a obrigação de desempenhar um papel de fornecer boa governação. Este é o século XXI, 2021 para muitas pessoas, 1443 para os muçulmanos, não é o século VI ou o início da Idade Média, quando os cristãos se comportavam como os Talibã dos anos 1990, quando os Talibã dos anos 1990 se comportavam como os bárbaros da Europa Ocidental mil anos antes.

Valores universais

No mundo de hoje, existem valores humanos comuns consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos, que nada tem a ver com raça, cor ou credo. É um marco que estabelece valores básicos e fundamentais para que todos possam desfrutar e seguir.

Se os Talibã desejam ser tratados e respeitados como parte da comunidade internacional moderna e não como um bando de selvagens extremistas, um movimento pária que é uma afronta a quaisquer normas aceites de decência e civilização, então os Talibã devem comportar-se de acordo com esses valores universais.

Justiça e direito internacional

Os Talibã podem estar no poder no Afeganistão, mas isso não significa que não estejam sendo vigiados por toda a comunidade internacional, significa também que existem mecanismos internacionais (infelizmente, não tão fortes quanto poderiam ser, porque algumas nações continuamente desrespeitam e quebram o direito internacional (Carta da ONU, Conselho de Segurança da ONU, lançando invasões fora dos auspícios do Conselho, quebrando as Resoluções da UNSC, por exemplo 1970 e 1973 [2011] na Líbia) e, embora os Talibã possam pensar hoje que podem agir com impunidade, eles são responsáveis pelos seus actos ​​e, mais cedo ou mais tarde, serão levados à justiça.

Hoje em dia, existem direitos universais. Mulheres e meninas têm o direito de se vestir como querem, agir como querem, andar livremente nas ruas, estudar quando entendem e em qualquer nível de ensino e ninguém tem o direito de tirar esses direitos.

Uma questão de escolha, não de imposição

O Islão, como qualquer outra religião, está aberto à interpretação em seus ensinamentos. No tempo de Maomé, as mulheres no Islão tinham muito mais direitos do que a maioria das mulheres que viviam na cristandade e muitas pessoas, incluindo muitos judeus, fugiram para o Oriente porque gozavam de melhores direitos humanos sob os otomanos, por exemplo, do que sob os governantes cristãos. Sob o Alcorão, homens e mulheres têm igual agência moral na Terra e têm o mesmo status, ou recompensas, na vida após a morte. Os sunnah (ensinamentos ou exemplos) de Maomé mostram que tanto homens quanto mulheres têm direitos iguais de buscar conhecimentos.

Quem são os talibã para mudar a mensagem do Corão e ir contra os ensinamentos de Maomé?

Conclusão: os Talibã vivem no seu país entre o seu próprio povo. Embora se entenda que não querem que estrangeiros invadam e governam o Afeganistão, algo que ninguém jamais conseguiu fazer, também é verdade que no mundo de hoje existem valores universais e as pessoas são livres para escolher como vivem. Se os Talibã desejam seguir a lei da Sharia e viver sob suas imposições, o Islã é uma religião nobre, uma religião de paz, respeito e caridade. Se uma mulher decide se revelar apenas ao seu marido em casa e usar uma burqah fora de casa, a escolha é dela. Se ela quiser. Se ela decidir se submeter à vontade do marido e não estudar, também tem esse direito, desde que seja de livre vontade. Eu conheci mulheres ocidentais que moravam na Europa Ocidental que foram espancadas por seus maridos, universitários com licenciaturas, por causa de estudarem em segredo. Mas se uma mulher escolhe sair de casa sem burqah e estudar na universidade, isso não é hoje uma questão de religião, é um direito humano fundamental e básico.

Esperemos que os Talibã entendam este facto, que é inegável e não negociável, porque estaremos observando e nós, a sociedade civil na comunidade internacional, somos imparáveis quando agimos em conjunto. E nisso apelo a tod@s para formar redes de informação e troco de dados para decidirmos como reagir a qualquer eventual quebra de direito internacional pelos Talibã.

Ajudaria bastante se certas nações respeitassem a ONU e a lei internacional a tempo inteiro e não só quando lhes serve de vantagem, a ver se de uma vez para sempre, consigamos fortalecer o direito internacional, na senda de testemunharmos um mundo que tem um conjunto de valores, em vigor, com a capacidade de impor a lei quando é preciso.

O autor pode ser contatado em timothy.hinchey@gmail.com

Timothy Bancroft-Hinchey é diretor e chefe de redação da versão portuguesa desde o seu lançamento 2002 e é Parceiro da Mídia Oficial da UNO Mulheres desde 2009.

Tópicos