Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Simone Biles: um tremendo ato de coragem

O tremendo ato de coragem abnegada demonstrado pela ginasta norte-americana Simone Biles foi a decisão mais difícil, mas acertada em muitos níveis

Como Simone Biles está se sentindo hoje, depois de desistir dos eventos de ginástica por equipe e individual nos Jogos Olímpicos de Tóquio, ninguém sabe. Ela provavelmente está em uma montanha-russa de emoções mistas, no meio de decepção, confusão, alívio, ansiedade, flashbacks, terror, vazio e um enorme senso de questionamento, para onde vou a partir daqui? A resposta para tudo isso é “Está tudo bem”.

Um ato altruísta de grande coragem

Sua decisão monumental de abandonar os eventos para se concentrar em si mesma não poderia vir em um momento mais relevante, quando figuras públicas estão se manifestando sobre questões de saúde mental. Seu ato altruísta, colocando não apenas seu próprio bem-estar, mas também o time e seu país em primeiro lugar, ao perceber que no dia em que ela simplesmente não tinha forças para explodir no ginásio, foi a decisão certa em muitos níveis.

Para começar, e principalmente na ginástica, quando se voa metros acima do solo a uma velocidade de quebrar o pescoço e com muita energia, se não fizer as coisas direito corre o risco de ... partir o pescoço ... e se sentir que seu corpo e mente não estão em sincronia e não podem fornecer a você essa faísca, então você pode acovardar e ir com o fluxo e fazer o que todos estão esperando que você faça, e ter um acidente e deixar a equipe em maus lençóis ou você pode bater o pé num grande ato de coragem e dizer “Gente, eu não estou bem e não posso fazer isso hoje”.

Abandonam jogos de tênis com dores no pulso...

Em segundo lugar, ela poupou sua equipe e seu país do que ela temia ser um desempenho abaixo da média e certamente que não era esperado dela. Os jogadores de ténis abandonam jogos com distensão nas coxas, com dores no pulso. As pessoas podem abandonar a ginástica porque as coisas não estão bem, quer física, quer mentalmente. E por quê não?

Não está claro quais foram as razões de Simone Biles para desistir, e este é seu espaço pessoal, mas uma presença sinistra e sombria se lança nos bastidores e esse é o escândalo de abuso sexual que obscurece a história recente da ginástica nos EU. Se a decisão de Biles teve qualquer coisa a ver com isso (e se ela foi uma vítima, como não poderia?), então, mais uma vez, isso sublinha a profundidade e natureza terrível de este crime, sublinha como um incidente, por mais fugaz que seja, pode deixar uma cicatriz em alguém para o resto da sua vida e se tornar um companheiro indesejado que nunca sai do seu lado, 24 horas por dia, 7 dias por semana.

E ao tomar sua decisão corajosa, Simone Biles está falando por todos aqueles que experimentaram em algum momento das suas vidas um problema de saúde mental, ela está dizendo "está tudo bem falar por si mesma e dizer que não estou fazendo isso hoje" em vez de varrê-lo para baixo do tapete e ignorar o que mais tarde se transformará em um monstro.

Fazer isso em um aeroporto e não entrar em um avião é uma decisão que passa praticamente despercebida. Proclamar para bilhões de pessoas assistindo às Olimpíadas ao redor do mundo quando você é o atual campeão, quando está sob o brilho dos holofotes com todas as expectativas colocadas sobre os ombros de um ídolo, requer coragem, e acima de tudo, auto-respeito, elevando-se acima das gentilezas cosméticas da ocasião, colocando o pé no chão e dizendo “Não! Eu vou fazer o que é certo para mim hoje!”

Parabéns a Simone Biles

Então, tiro o chapéu para Simone Biles, esperando que ela consiga lutar e dominar as forças que ditaram a sua decisão, mas sabendo que ela fez a escolha certa no dia.

Por fim, e mais uma vez, lembremos que a saúde mental, como a saúde física, é simplesmente e apenas uma questão de saúde. É aquele que foi ignorado durante séculos, desrespeitado e ridicularizado, com insensibilidade e total ignorância. Expressões como "Sorria e aguente!" ou "Comporte-se como um homem" ensurdecem os gritos por ajuda de quem sofre um ataque de pânico, ou insegurança, ou terror, ou medo, ou uma fobia ou a confusão que surge quando alguém de repente tem um episódio pela primeira vez e nem sequer entende o que está acontecendo.

Check-ups regulares desde a idade pré-escolar

Então, por quê investimos trilhões em sistemas de armas para assassinar pessoas, a cada ano, e esquecemos que o apoio psicológico constante e não intrusivo desde a idade pré-escolar ajudaria muito não apenas a ajudar aqueles com problemas de saúde mental, mas também prevenir a ocorrência de incidentes, que marcam as pessoas para o resto da vida?

Tomemos, por exemplo, a foto de um menino de quatro anos, de seu pai, de vermelho e olhos brilhantes, segurando um objeto pingando sangue, que aos sete anos está colocando um animal de estimação no micro-ondas para passear, aos onze está roubando a pensão de sua avó e aos 16 está chutando velhinhas até a morte para que ele possa comprar drogas. Se alguém tivesse conversado com ele há muito tempo, algo poderia ter sido feito.

Vejamos por exemplo a vítima de abuso sexual que então repete o ciclo e se torna o perpetrador, criando outros ciclos de abuso e vitimização. Se o ciclo tivesse sido detectado antes, menos vítimas teriam sido criadas mais tarde e a vítima original pode nunca ter se tornado um perpetrador deste crime mais vil.

E que tal? Ou será que é mais importante gastar 1,2 triliões de USD todos os anos (despesa colectiva dos países da OTAN) em sistemas para matar pessoas e destruir famílias, inventando inimigos que não existem para perpetuar as vendas para o clube?

 

Pravda.Ru

Contacto: jornalpravda@gmail.com

Tópicos