Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

A poesia de Dheyne de Souza não deixa que o olhar envelheça

Salomão Sousa*

Deve ser descartada a sintaxe que ordena o material para que pensamento consiga interpretar numa percepção ligeira, mas exigidas intervenções que venham inserir outras linhagens de compreensão, onde a visibilidade não ocorra em fórmulas e recortes uniformes.  É confortável eleger uma ordem e depois se sujeitar a ela e a ela se habituar, vindo a desaguar na desistência de buscas de novos ângulos de visibilidade. Só as novas visibilidades permitem novos trânsitos e novos textos.

A ponte cega o verbo

Dheyne de Souza denuncia: "a ponte cega o verbo", pois a ponte não estimula outras passagens, sujeitando o passageiro às mesmas paisagens e aos mesmos territórios. Dentro de uma zona de domínio, de conforto, deixa de ser discernível a individuação. Quando todos mantêm o mesmo ritmo, num mesmo propósito, num mesmo discurso, encontramo-nos num enxame, num formigueiro ou numa multidão. O enxame - define Byung-Chul Han - conforma-se com o mesmo resultado.

A ordem é traiçoeira, se o seu desejo impõe a repetição para retomar o espasmo já experimentado. Quando se aprende a curva, reproduz-se a curva. Quando se encontra a forma de sustentação, cria-se o molde da trave. É necessário destravar - e isso só pode ser obtido com a partição do puzzle para abrir possibilidades de outras montagens do discurso e de outros encaixes na interpretação. Até na imprensa o conforto passou a ser buscado em sua prática - otimiza-se a multiplicação do discurso a partir da cópia da postagem inicial. É mais confortável, econômico e sem risco trabalhar com o que já está pronto, posto e acolhido. Vamos perdendo para o lixo raras possibilidades que os materiais contêm. Todo sacrário tem sua chave e determina que não será aberta admissão a nenhuma outra divindade.

Não quero meu pensamento numa divinização monoteísta e uniformista. Prefiro admitir o pensamento propenso à estranheza a ser máquina de portabilidade de significados exigidos em requerimentos protocolados nos guichês do conformismo. Aproximo-me de uma experiência para que o espasmo deixe de repetir a baba e os esgares. Atraem-me os poetas que partem de alguma impossibilidade, que reconhecem que a composição não surge com a dicção do prazer de dizer a confissão pessoal, mas da infiltração de alguma incompreensão para tornar explícito que o incompreensível deve ser abordado. Dheyne de Souza afia suas lâminas para traçar ranhuras na sintaxe para experimentar se ainda há possibilidade de sangrar e de escapar da subjugação dos mesmos canais de expressão.

Tive oportunidade de estar junto com Dheyne de Souza em Goiânia por duas vezes. Participamos de debates e leituras. Ela sempre de lenço (ou cachecol? ou numa alternância de lenço e cachecol?) ao pescoço, construindo uma imagem muito circunspecta, com diálogos muito cautelosos nas conversas. Eu temia que a poesia dela se enfraquecesse nessas apresentações públicas, nas quais já era acolhida com merecido aplauso, pois os expectadores de recitais se contentam (e até exigem) comunicação verbal e expressão corporal e não exigência de composição que evada das facilidades do real. No entanto, essa capacidade de construir a imagem pessoal contribuiu para que ela não cedesse ao desbunde fácil da rua, pois usou a concentração corporal para respeitar o poema com exigentes etiquetas muito próprias, respeitando a construção dos poemas com policiamento e polida circunspecção.  

Dheyne de Souza é uma tocantinense que morou em Goiânia, onde participou de muitos eventos (muitos recitais) literários, com rico material de aprendizagem de poesia em redes sociais e sites pessoais. Depois parte para São Paulo para seu doutorado em Literatura Brasileira. Portanto, a sua trajetória vem permitindo a ela alcançar consciência de visibilidades de novos territórios com derrubada da cegueira imposta pelas facilidades apresentadas pelas pontes prontas e já inflexíveis em seus materiais.

Lâminas...

Em Lâminas, seu segundo livro - ricamente editado pela Martelo Casa Editorial, com design invejável de Helô Sanvoy, e tiragem extra de 50 exemplares em edição de luxo - sobressai uma poesia madura, onde se intercalam poemas rápidos, bem pedras portuguesas em elaborados mosaicos, bem como poemas com estruturas mais longas, na maioria prosoemas (seu terceiro livro, conforme anunciado pela mesma editora, composto só de prosoemas terá o título enquanto caio). A indefinição pela escolha de uma forma específica não chegue a ser prejudicial ao livro; talvez atenda o interesse do expectador desse tempo atual em não se fixar num mesmo formato, de total negação daquilo que se mostra na tela no mesmo enquadramento. 

O livro já mereceu duas resenhas (disponíveis em sítios da internet), destacando a do poeta Wilton Cardoso, que, junto com Jamesson Buarque, integra o círculo responsável pela definição de novos parâmetros para a poesia goiana. E nesse círculo transita Dheyne de Souza. O importante é que o livro sobressai sobre as publicações de poesia atuais e consolida mais uma passagem rumo à definição de uma dicção personalíssima para a poesia de Dheyne de Souza. É um livro que chega inquestionável, sem lacunas, mergulhando a construção dentro das ocorrências pessoais e políticas. Também sobressai a busca de domínio da forma, ajustando a fluidez da escritura virtual a uma sintaxe, às vezes elíptica, às vezes de ruptura com as imposições virtuais. Alcança resultado, como já se disse, inquestionável.

Logo no preâmbulo, Dheyne de Souza sinaliza que não há uniformidade no real ou na prática construtiva de seus poemas (quebrados de rua/bebidos de pressa/ladrilhos sem linha). Esses três versos, em suas dezessete sílabas, bem se enquadram nas exigências elípticas da poesia japonesa. Um haicai enigmático? O importante é que o poema sinaliza a composição que será adotada no livro, bem como o terreno que irá ser desbravado.

Há um poema que irá mostrar a necessidade da exploração da sintaxe (da linguagem) para escapar do conforto daquilo que se vê da ponte e do conforto do território a ser encontrado com a travessia. A ponte impede o mergulho, o afogamento, o aproveitamento do inconsciente, do que está no fundo de si mesmo. Na experimentação da sintaxe, sem nenhuma expressão óbvia, não se desliga em momento algum dos efeitos internos que indica que um poema é um poema desde que o mundo é mundo (nomeiam, nadadeiras, seio, espreita, anseio). E, nesse embate com a validação da sintaxe, em outro texto relembra que há, às vezes, "um verbo cansado de ar", pois o percurso para desbravamento de terrenos novos nem sempre ocorre com respiração segura.

 

tem um lado do lago que esconde a língua

das margens que nomeiam as entranhas,

foz em que dormem os pequenos medos,

com suas nadadeiras arredias

vez ou outra atiçando um verbo

vez ou outra maldizendo um seio

à espreita-bolha de um espeto

na suspensão que é respirar escama,

em silêncio - brejo em mar,

no subterrâneo consoante

das vogais do anseio.

 

Quando se manipula uma lâmina, há uma ação de estrangulamento, de sangramento, de eliminação, de possibilidade de arranjos novos com o despojamento ou realocação de elementos. Dheyne de Souza usa suas Lâminas para despojar. Resta à sintaxe indicar, mostrar que o lugar comum está exaurido, pois está sendo executado pelo enxame. Ela deseja correr fora do enxame, não atravessar a mesma trilha, mas derrubar pontes. Poderia ter dito "lago que esconde as beiras", o que seria o discurso óbvio. Poderia ter construído com o enxame o verso "suspensão que é respirar amor". Poeisa se faz com o domínio da linguagem, com martelamento dos materiais, com fuga da significação explícita. Se uma lâmina desmonta uma árvore, resta um monte de uma árvore ou a dispersão de uma árvore. Se uma centena de pessoas atravessa uma rua ou se aglomera, temos uma multidão. Mas qual ordem pode ser dada a esta multidão? A poesia tem de reunir todas as pessoas por cores de suas roupas, ou intercala-las? A sintaxe existe para atender os questionamentos do poeta. Uma centena de pessoas ordenadas deixa de ser uma multidão. As palavras que atendem ao propósito do chamamento de uma sintaxe pessoal se transformam num texto de leitura factível, em que pese a compreensão não ser factível para todos.

O caos quebra a possibilidade de heroismo

Entra ainda outro questionamento quando há ocorrência da perda da ordem. O caos quebra a possibilidade do heroísmo e de deflação da maldade. A incompreensão gera a maldade, mas só é possível compreender tentando entrar na sintaxe dos discursos do tempo da maldade. Uma multidão só é de aceitável propósito quando é possível ler em seu chamamento alguma razoabilidade que levou ao agrupamento. Quando não há razoabilidade na escritura, há a perda da individuação (ou de autoria).

Com as suas Lâminas, Dheyne de Souza pode remontar o poema em diversas possibilidades no momento da construção, com razoabilidade de propósito, pois de ruptura para novas passagens/mensagens. Com ruptura e recortes provocados por lâminas afiadas,  talvez o ar se desloque para novos ângulos exigidos pela respiração.  

Todo bom livro tem de ter versos/frases que chegam para alimentar a consciência dos nervos e que serão repetido e reproduzidos séculos após a ocorrência de sua escritura. Necessário o verso "Quero lembrar como se faz para ser bom de novo". Este verso merece ser descoberto por Gonçalo M. Tavares para construção de um de seus divertidos textos. Ser bom de novo em que? Produção de poesia, de moral, criar ordem política, social, econômica? O homem só é bom quando não diverge, retoma uma ordem firmada com carimbo, seja do poder, da irmandade, do dogma?

Conformamo-nos, na leitura, a exigir que se diga no contexto de nossa compreensão, na forma estabelecida para enquadramento de todos os discursos. Quero lembrar como se faz para ser bom de novo. Quando é que uma forma envelhece e passa a ser uma mentira? Talvez quando ela subjuga nosso olhar e nosso movimento. Posso ser "bom de novo" com nova sintaxe, em nova espacialidade ou só quando aceito a uniformidade da travessia da ponte, gado direcionado (ao matadouro ou à invernia?).

 

nesses tempos

algo vai enfraquecendo

a direção do olhar

 

E Dheyne de Souza tem esta sabedoria de não fugir, de resistir, pois o verso perderia muito se não remetesse à necessidade de o Homem recuperar a consciência de ser/ser civilizado, de não enfraque/cer o olhar. No ato de olhar correto, a decisão não sai envilecida. Alguns poemas fortalecem a presença ativa da poesia: "MP 870" tem seu sentido histórico, pois até os pássaros "amanhecem alarmados" com adoção de um ato legislativo do Governo; "milhares de minutos de silêncio" é um engasgo pela morte de Marielle; "80 tiros" repercutem os disparos que continuam a espocar nas comunidades. O poema "memória" - "essa lâmina que não vem só com corte mas o cheiro dos móveis o vapor do olhar a temperatura do dolo". Dheyne de Souza traz alento para que nosso olhar não envelheça.

Depois de uma das muitas leituras de Lâminas, de Dheyne de Souza, andei pelas cercanias de minha quadra para olhar quais vizinhos estavam despertos e para olhar se a poesia interfere na consciência coletiva. Os besouros estavam com a mesa posta a se alimentarem de folhas de hibisco. 

Onde comprar o livro:

Livraria Martins Fontes

Livraria Martelo

Autor da resenha:

  • SALOMÃO SOUSA é poeta, jornalista e aposentado do Poder Executivo Federal. Reside em Brasília. Estreou em 1979 com A moenda dos dias, ao qual se seguiu uma dezena de títulos. Sua bibliografia inclui livros de poesia, de crítica e organização e participação de antologias.