Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Irão: não vimos este filme antes?

Na entrevista com Hillary Clinton e Robert M. Gates, no domingo, as palavras chave estavam todos lá: o terrorismo internacional, a Al Qaeda, o programa nuclear iraniano, a necessidade de resoluções da ONU e o fato de que tais resoluções não vão impedir os E.U.A. a tomar outras medidas, uma coalizão internacional que está sendo construído, Teerão não querer seguir o caminho diplomático ... e Irã foi mencionada nada menos do que dezoito vezes.


Senhoras e Senhores, nós já vimos este filme. Já vimos isso antes e estamos vendo isso de novo. Olhem para um mapa do Irão (foto grande) e os mecanismos estão no lugar. E agora a retórica está tomando o mesmo caminho que a preparação para a guerra no Iraque. Tomemos por exemplo a recente entrevista (fonte citada abaixo) entre o pivô do NBC David Gregory, Secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton e Secretário de Defesa dos E.U.A. William Gates, no domingo 11 de abril de 2010.


Durante a entrevista, o Irã foi referida, directa ou indirectamente, pelo menos 18 vezes, dez pelo Secretário da Defesa Gates (5 directa e indirectamente, e cinco - "eles"), 6 vezes pelo entrevistador e duas vezes por Hillary Clinton.


Quando havia referências a "exercer pressão" sobre o Irão e uma combinação de políticas, incluindo sanções económicas, as imagens criadas por esta entrevista são chocantes e assustadores: temos todos os ingredientes presentes na linguagem verbal e corporal dos Estados Unidos da América visível imediatamente antes da guerra do Iraque.


Vejamos:


A manipulação do medo. Ingredientes: "o terrorismo nuclear," Al Qaeda ", e o próximo tópico? Irão.
Hillary Clinton tira a vara de pesca, o entrevistador coloca a isca e Robert M. Gates atira a linha para o mar, um cuidadosamente trabalhado triplo arranque visando o terrorismo nuclear internacional: "A ameaça do terrorismo nuclear aumentou" (Clinton), "Nós sabemos que grupos terroristas, principalmente Al Qaeda, persistem nos seus esforços para obter material nuclear ... (para uma bomba suja) "(Clinton)," Nós estamos fazendo tudo o que pudermos para impedir o Irã de desenvolver armas nucleares "(Gates).

Frases gratuitas como essas, sem um pingo de fundação ou de fontes credíveis não são mais do que alarmismo, a fim de estabelecer os fundamentos para uma campanha da manipulação do medo que dá às administrações uma carta branca para agir como quiserem, em primeiro lugar, eliminar as empresas estrangeiras de qualquer das propostas possíveis (exceto aqueles escolhidos com o dedo entre o lobby das armas da OTAN), em seguida, acontece a caça e a matança e, finalmente, a distribuição de contratos bilionários para amigos na Casa Branca.

O risco de terrorismo nuclear internacional sempre existiu desde que foram criadas as armas nucleares e quê melhor exemplo de terrorismo nuclear do que Hiroshima e Nagasaki? O risco era muito maior durante o tempo de dissolução voluntária da União Soviética, porque os materiais eram movimentados e controles foram menos fáceis de exercer enquanto não houvesse uma reafirmação da centralização de poder.


Quanto à Al Qaeda, a sua capacidade de agir equivale a um idiota presunçoso com nada mais do que com açúcar e herbicida, quase fora de prazo, um demente imbecil tentando quemiar seus sapatos no avião e o filho de um banqueiro nigeriano com um desejo de ter um pénis ardente. Que cambada de falhados! Então a partir daí não faz muito sentido pensar numa Al Qaeda com conhecimentos de ciência de foguetes, passando por Irã, e é assustador que os Secretários do Estado e da Defesa dos EUA estão falando nestes termos.

Nós e Eles. Nós somos os bons, eles são os maus. Vejam? Eles não querem jogar bola connosco.
"Nós estamos indo provavelmente para pegar outra Resolução do Conselho de Segurança" (Gates), "O facto de o Irão ... (não) responder confirma o nosso caso" (Clinton), "Nós estendemos as nossas mãos ... Foi o Irã que se recusou" (Clinton).

Disparate melodramático. Vimos o quanto os E.U.A. e seus lacaios respeitam o Conselho de Segurança, porque eles só o usam para justificar seus próprios fins e se o Conselho de Segurança diz que não, eles avançam de qualquer maneira. Sob a lei internacional, uma resolução separada do CSNU é necessária para qualquer recurso à força, e os interessados sabem disso.


O facto de o Irão não ter respondido não é verdade, claro. A República Islâmica do Irão cumpriu em responder aos E.U.A. cara-a-cara numa série de questões, mas reitera que tem direito a um programa nuclear pacífico. E tem. E agora que os E.U.A. está tão preocupado com o programa nuclear iraniano, como é que ninguém fala acerca das 200 ogivas nucleares de Israel, assentadas no Deserto de Negev, que (tragam o orquestra) "Israel não confirma nem nega”. (Vejam a imagem menor).

Ai desculpem! Estamos a falar mal de Israel! Lá pelo e-mail vêm mais ameaças de morte, com certeza. Talvez até um vírus.


Então porque é que os E.U.A. não tocam a mesma melodia para Israel? Ou será que os E.U.A. são efectivamente controlados por Israel e o epicentro do processo de decisão política dos E.U.A. fica, de facto, em Tel Aviv?


A resolução do CSNU não iria impedir o E.U.A. e seus aliados de irem mais longe
"Como Secretário Gates disse, a Resolução do Conselho de Segurança não irá de forma alguma impedir-nos ou a UE ou de outros países em causa de tomar medidas adicionais" (Clinton).
Eu resto o meu caso. Nenhum comentário a fazer.


Tal como acontece com as ADM do Iraque, a ameaça do Irão é o suficiente para merecer uma ação militar
"Armas são mais perigosas que o potencial em tê-las. O p otencial está incomodando demais"(Clinton); "Isso (a capacidade nuclear do Irã) é um tema sobre qual os serviços de inteligência ainda diferem "(Clinton); "Eles não têm capacidade nuclear ... Como é que se diferencia como agora ...Se sua política é ir ao limite, mas não montar uma arma nuclear, como você pode dizer que eles não tenham montado? Assim torna-se uma questão séria de verificação. E eu realmente não sei como você iria verificar isso" (Gates).


Portanto, mais uma vez não há direito internacional. É o suficiente para que os E.U.A. (ou realmente Israel) percebam que há uma ameaça numa República Islâmica do Irã com qualquer aparência de capacidade nuclear e, portanto, os serviços de inteligência vão aparecer com provas "maravilhosas", como as de Colin Powell, nomeadamente a tese de doutorado de dez anos de idade, copiado e colado da Net sobre as ADM infames e inexistentes de Saddam Hussein que os próprios E.U.A. próprio admitiu desde então que estava errado (quando é que o caso vá a um tribunal?).


A bola já foi lançada, pois se os E.U.A. está postulando que não há nenhuma maneira confiável para verificar o que o Irã tem, então isso cria um casus belli, em sua forma distorcida e tendenciosa de pensar.


Senhoras e Senhores, nós já vimos este filme antes. Lendo nas entrelinhas nesta última entrevista, vemos uma insinuação sinistra. E observem que a “República Islâmica do Ir㔠(nome verdadeira do país) não foi citada uma única vez. Um sinal de desrespeito total, precedendo o quê?

* NBC E.U.A. Entrevista com a Secretária de Estado Hillary Clinton e Secretário de Defesa Robert Gates, no domingo 11 de abril de 2010.

Timothy BANCROFT-Hinchey
PRAVDA.Ru