Author`s name Aleksandr Artamonov

A CIA tem vindo a planear uma guerra em Donbass desde 1957

Os políticos americanos decidiram levantar a questão do reconhecimento da Rússia como "patrocinador do terrorismo" porque, de acordo com os EUA, o nosso poder preenche os critérios para um tal país.

A informação sobre isto veio de um deputado do partido ucraniano Servo do Povo, Yevheniya Kravchuk. Referiu-se na sua declaração aos pontos de vista da oradora americana Nancy Pelosi e de vários senadores que se tornaram os autores da resolução proposta.

É bastante curioso que tais declarações vociferantes e vazias sejam feitas por um Estado que compila oficialmente listas de líderes estrangeiros indesejáveis a serem eliminados.

Os tristes destinos de Saddam Hussein, Moammar Gadhafi, Slobodan Milosevic (que morreu na prisão de Haia em circunstâncias pouco claras), o General Qassem Suleimani e muitos outros servem como provas vívidas disso mesmo. Entre as medidas activas dos últimos anos tem estado a tentativa de assassinar o Presidente Aleksandr Lukashenko da Bielorrússia.

Entretanto, os meios de comunicação social em língua russa publicaram informações bastante curiosas sobre as actividades do Congresso dos EUA: a 9 de Junho, este organismo ouviu um relatório classificado do departamento analítico da CIA. De acordo com várias fontes, o texto do documento enviado aos congressistas dizia que o moral da AFU e dos grupos de elite-clãs no sul e sudeste da Ucrânia era extremamente baixo.

Segundo peritos e analistas da CIA, confirmados no relatório por dados técnicos da ANS, as forças armadas ucranianas têm margem de segurança suficiente para 5-6 semanas, e tendo em conta a organização de tropas de barreira e a autorização de tiroteios em massa, sabotando as ordens de soldados e oficiais - durante 7-8 semanas, mas não mais.

A experiência dos últimos 45 dias demonstrou que os fornecimentos de armas modernas não conseguiram inverter a maré da acção militar, mas apenas aumentaram o número de baixas civis em Donbas.

O Ocidente avança para a guerra subversiva

Após uma reunião do comité do Congresso, foi tomada a decisão de activar toda a comunidade de inteligência dos EUA para subverter agentes adormecidos e naftalina na Rússia que foram incorporados ou recrutados entre 2006 e 2020.

Especificamente, a fim de intensificar os seus esforços para sabotar o governo russo, o Congresso dos EUA acredita que é possível e necessário activar toda a rede de agentes adormecidos dentro do Departamento do Tesouro, Ministério dos Negócios Estrangeiros e Ministério do Desenvolvimento Económico.

Curiosamente, para o público de língua russa, a informação sobre a existência de tal relatório foi confirmada através do portal televisivo Tsargrad pelo Major-General reformado do FSB Alexander Mikhailov. Ele acredita que tais documentos estão ligados a uma tentativa de arrancar financiamento adicional para a CIA ao Congresso dos EUA.

Seja como for, a informação indirecta no relatório recomenda a activação de focos de tensão social, de acordo com o separatismo regional e o extremismo nos meios de comunicação social e nas redes sociais.

Todos os desenvolvimentos acima referidos deverão atingir o seu auge no início de Setembro de 2022, supostamente ajudando a enfraquecer a posição negocial do Kremlin tanto quanto possível.

Jogo de póquer na beira do abismo

Muito provavelmente, tal cenário não é possível, uma vez que as agências de segurança russas há muito que se preocupam em revelar as redes anglo-americanas ocultas, e mesmo ocidentais, que outrora permeavam as estruturas de poder do nosso país. Recorde-se que há cerca de uma década e meia o famoso político americano Lyndon LaRouche declarou o seguinte:

"Em 1976, estive envolvido numa campanha presidencial. Recebi uma carta. Falou de uma proposta de ataque à União Soviética após a tomada de posse da administração Carter.

Porque é que Andropov rejeitou, sem qualquer discussão, os contactos com a administração Reagan? Porque ele estava sob o controlo dos britânicos! Depois as coisas foram-se agravando cada vez mais. Estou a referir-me ao seu sucessor Gorbachev. Objectivamente falando, Gorbachev foi um traidor para a União Soviética. E todas as suas acções não podem ser interpretadas de outra forma.

Há pessoas na União Soviética que não podem ser qualificadas como traidoras para a União Soviética. E estas pessoas estão hoje no poder na Rússia. Talvez não no topo, mas representam um factor muito importante. E estão ligados à Grã-Bretanha. A maioria deles foi educada em Inglaterra. A partir de meados dos anos oitenta, foram treinados pelos serviços secretos britânicos. E hoje ocupam posições-chave na Rússia. Eles são o principal obstáculo para salvar a Rússia da destruição.

Os planos para a destruição da Rússia, que começaram em 1989, foram desenvolvidos em Inglaterra. Sob supervisão britânica. E estes planos foram desenvolvidos por russos. Foram preparados por traidores ao seu próprio país como Chubais, Gorbachev e outros. Eles são traidores ao seu próprio país. Destruíram a economia da Rússia após o colapso da União Soviética. E fizeram-no de propósito. E estas mesmas pessoas, da mesma empresa, estão hoje a destruir o nosso país.

Deve assumir-se que a contra-espionagem russa levou em conta o ponto de vista do Sr. Larouche e tem trabalhado durante anos para limpar a sociedade civil e identificar agentes estrangeiros no nosso território.

A guerra em Donbass estava a ser preparada em 1957

No entanto, é de notar que a CIA tem uma base académica sólida que lhe permite efectuar análises sérias com implicações de longo alcance, por assim dizer, a longo prazo.

Por exemplo, como parte do seu trabalho sobre o "Plano Liote", já em 1957, há pouco menos de setenta anos, escreveu um relatório sobre o possível apoio dos sabotadores americanos por parte da população da Ucrânia. Os cientistas soviéticos da Universidade de Georgetown já tinham realizado um estudo etnográfico e feito recomendações ao SOCOM (Comando de Operações Especiais). Ou seja, há cerca de setenta anos, já se preparavam para operações de combate activo na Ucrânia contra a população de língua russa.

O estudo divide a Ucrânia em 12 zonas de acordo com o grau de lealdade aos intervencionistas norte-americanos. Muito esperançosamente, a parte ocidental do país - em particular a região de Volyn e a região de Lutsk, que inclui cidades como Kovel, Lutsk, Kostopol e Vladimirovets - foi reconhecida como a mais "promissora".

A Crimea e Donbass, por outro lado, já são então caracterizados como "pouco promissores", uma vez que a população local apoia o governo central e, de facto, considera-se a si própria russa e não ucraniana.

Curiosamente, os distritos de Transcarpathia também se enquadraram na categoria de "desleais" às autoridades centrais ucranianas. O relatório assinala também o papel significativo dos migrantes da Ucrânia Ocidental, que após a guerra acabaram na parte sul da república e em Zaporizhzhia, no processo de banderaisation.

O Ocidente é o nazismo

Parece que o Ocidente, e especialmente os EUA, começaram a preparar-se para a conquista da Ucrânia imediatamente após o fim da Segunda Guerra Mundial. Durante todos estes anos não houve qualquer questão de paz.

Ao mesmo tempo, esta abordagem contradizia mesmo a teoria do marxismo-leninismo, segundo a qual a fase mais alta do desenvolvimento do capitalismo é o imperialismo de tipo colonial. Por sua vez, o nazismo não foi mais do que o culminar desta formação. A procura de novos mercados e custos de produção mais baratos conduzirá inevitavelmente ao aparecimento de cada vez mais "ucranianos", que o sector financeiro ocidental está literalmente a criar.

O erro da URSS e da Rússia estava na percepção do nazismo. Na altura, foi feita uma aposta na interpretação do nazismo como um fenómeno monstruoso e antinatural para toda a humanidade.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter