Author`s name Lubov Lulko

Federação Russa retira-se do projecto ISS

A Rússia está a retirar-se do projecto ISS. Os EUA não estão tecnicamente preparados para manter a estação em órbita durante quase mais dez anos e depois afundá-la no oceano sem consequências.

A Rússia decide retirar-se do projecto ISS

O chefe Roscosmos Dmitry Rogozin disse no sábado, 30 de Abril, que o governo já decidiu sobre a data final da Estação Espacial Internacional (ISS) da Rússia.

"A decisão já foi tomada. Não temos de falar sobre isso publicamente. Só posso dizer uma coisa: de acordo com as nossas obrigações, daremos aos nossos parceiros um aviso prévio de um ano do fim do trabalho no ISS", disse Rogozin numa entrevista ao canal russo 24 TV.

Isto é provável que aconteça em 2024, que é o ano em que a Rússia deu o seu compromisso ao projecto ISS, embora a agência espacial americana (NASA) tenha solicitado a cooperação até 2030.

As sanções não deixam qualquer hipótese de cooperação no espaço

A razão são as sanções dos EUA. A Roscosmos queixou-se de que as autoridades norte-americanas estavam a exercer pressão sobre a NASA por causa de sanções às exportações para a Rússia de produtos "sensíveis" para as indústrias da defesa, aeroespacial e da construção naval.

Rogozin avisou que se a falta das peças certas criasse uma ameaça à manutenção da ISS, a estação poderia cair nos EUA, Europa, Índia ou China.


No entanto, a maioria dos analistas ocidentais descartaram as ameaças do chefe do Roscosmos como uma explosão política. E continuou a sancionar a corporação. Por exemplo, os "parceiros" europeus prejudicaram o programa científico da Rússia no observatório espacial Spektr-RG ao desligarem um dos seus dois telescópios


A agência espacial russa Roskosmos, sob as actuais sanções, não tem um único argumento para continuar a sua cooperação com o Ocidente. A Roskosmos já cancelou vários projectos espaciais internacionais (lançamento de Kourou, o lançamento de todos os satélites OneWeb, etc.) e deixou de vender motores de foguete russos RD-181 a empresas norte-americanas.

Não há substituto para o Progres

O lado americano fornece energia e suporte de vida à ISS, a Rússia é responsável pela propulsão e manutenção da estação em órbita, utilizando veículos de transporte Progress. Periodicamente dão à estação um impulso para manter a sua altitude a cerca de 400 quilómetros.

A retirada da Rússia do projecto pode significar que agora será a NASA a manter tecnicamente a ISS em órbita e depois tem de afundar a estação em segurança.

O editor de relógios da NASA Keith Cowing disse à Live Science que a agência irá em breve testar a possibilidade de manter a ISS em órbita utilizando os motores da nave espacial de carga Cygnus, que é fabricada e lançada pela empresa aeroespacial norte-americana Northrop Grumman.

"Portanto, não é uma ameaça tão grande como costumava ser", disse ele.

Cowing acredita que a NASA e os seus outros parceiros serão capazes de manter a ISS em órbita, mesmo que a Rússia se retire do projecto. O Guardian informou que o cargueiro Cygnus, que chegou à ISS a 21 de Fevereiro, conseguiu "reiniciar" a estação pela primeira vez sem a ajuda russa.

No entanto, em Fevereiro, a NASA e agências parceiras ainda não tinham assinado um acordo para traduzir as experiências em realidade. E num relatório de 2022, funcionários da NASA observaram que três naves espaciais Progress seriam necessárias para retirar a estação da órbita, com a nave espacial Cygnus da Northrop Grumman a ser testada apenas como uma ajuda.

Afundar estações em segurança no oceano não é algo que a NASA saiba fazer
Afundar a ISS por mãos americanas também parece problemático. A experiência anterior em 1979 não foi bem sucedida. A estação Skylab de 77 toneladas caiu incontrolavelmente da órbita porque o vaivém chegou demasiado tarde com o impulso certo. Como resultado, a nave espacial, depois de passar pela atmosfera, caiu em grandes destroços na Austrália e não no oceano.

A ISS tem uma massa de 400 toneladas. Quanto maior for o objecto, menos provável é que a atmosfera seja capaz de o queimar completamente. Como disse o cientista Johnathan, de Harvard, à Spaice. com Jonathan McDowell, especialista de Harvard, a estação seria muito difícil de orientar correctamente por causa dos seus enormes painéis solares. Ele comparou as possíveis consequências de uma descida descontrolada a um avião que se despenhasse numa área povoada.

Sem experiências na ISS, os voos para a Lua e Marte são impossíveis
A NASA precisa da ISS para completar a investigação da microgravidade necessária para os voos para a lua e Marte. Vários peritos em política espacial disseram à Recode que "o pior pesadelo da agência espacial norte-americana não é ter a sua própria estação espacial para completar este trabalho".

"Roscosmos planeia lançar uma nova estação espacial doméstica no valor de cinco mil milhões de dólares até 2030 e está a apostar em projectos espaciais com a China, que, de resto, os americanos proibiram na ISS. A Rússia e a China concordaram em cooperar na exploração lunar, incluindo a construção da Estação Internacional de Ciência Lunar.

 

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter