Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Alerta vermelho sobre mudanças climáticas: É tarde demais?

O último relatório do IPCC dá um aviso claro de que a atividade humana está causando o aquecimento global, que terá consequências terríveis no futuro

Para aqueles que negam tudo e desejam varrer os avisos dos cientistas para baixo do tapete, rotulá-los de alarmistas, enterrar a cabeça na areia como o avestruz e fazer comentários irrisórios sobre o aquecimento global no frio do inverno, tenho uma frase que eu costumo usar: se te faz sentir-te bem, vá em frente! O problema é que essa atitude não vai mudar nada. Toda pessoa tem direito a uma opinião; o valor da opinião, dependendo de quem a expõe, é o que conta.

Como vimos com Covid-19, a humanidade atingiu um ponto em que a Internet fornece uma riqueza de informações, informações contraditórias, algumas delas baseadas na verdade científica e bom senso, outras pertencentes aos rabiscos nas paredes de hospícios ou os banheiros sob estádios de futebol. Como também vimos com a Covid-19, a humanidade não está pronta para formular uma política global significativa baseada em fundações seguras.

Nós temos as armas de que precisamos?

Comecemos com a pergunta: temos o que é preciso para lidar com as mudanças climáticas? Minha resposta é infelizmente para nós, mas felizmente para o ecossistema global e a Natureza (porque possivelmente poderíamos ser extintos), sim, temos o que é preciso para não tornar as coisas piores ainda, mas não para inverter o processo já e ainda somos tão estúpidos coletivamente que não seremos capazes de implementar quaisquer políticas. Portanto, podemos possivelmente juntar-nos ao Dodó. As nações mais ricas se unirão para proteger suas economias, grupos de poder e lobbies desrespeitarão as regras, as evidências científicas serão criticadas e criminosos encontrarão uma maneira de ganhar dinheiro rápido às custas de todos os outros. É exatamente por isso que, há décadas, tenho disparado em todas as direções em meus artigos, pedindo algo chamado “direito internacional” com fortes mecanismos de implementação.

Onde há sujeira, há latão

Claro, temos leis, convênios e tratados no papel e eles parecem ótimos, mas quando se trata de problemas, a quem estamos enganando? Vimos a quebra do direito internacional na guerra contra o Iraque, vimos o mesmo na Líbia, vimos o mesmo na Síria, onde as potências ocidentais mais uma vez deram a mão a grupos terroristas. O resultado final é que onde há sujeira, há latão (dinheiro), para usar um ditado popular de Yorkshire, no norte da Inglaterra.

Vivemos em um mundo em que o gasto militar coletivo dos Estados membros da OTAN é de um vírgula dois trilhões de dólares a cada ano, dinheiro suficiente para erradicar a pobreza, globalmente, para sempre, em apenas um único ano. Mas qual é a nossa posição nisso? Dê uma olhada no mapa e veja quantos pontos de inflamação temos, cada um deles mergulhado na miséria humana. Portanto, o resultado final é que é mais importante vender sistemas de armas para assassinar pessoas do que criar bem-estar global. Então, por que razão algo há de ser diferente com a mudança climática?

As evidências científicas

Agora vamos examinar as evidências científicas. Obviamente, você pode escolher e decidir por onde começar a linha de tempo. Se você recortar e colar com cuidado, poderá argumentar que o mundo está ficando mais frio porque, ei! este verão está mais frio do que no passado e você se lembra que o dia mais frio dos últimos 200 anos foi já em janeiro passado? E ... e .... e nevou no início de junho, então mudança climática? (Risada). Há mesmo quem fala e pensa assim.

Mas vamos usar um pouco de bom senso, olhar para o quadro geral e ouvir os especialistas; afinal eles passaram anos estudando essas coisas e não, a maioria deles não faz fortuna com grandes grupos empresariais ligados a consórcios de Economia Verde.

A pesquisa sobre este tópico, por algum motivo, levará você a gráficos que começam por volta de 1850 e estes mostrarão um aumento constante na temperatura média global desde essa altura. Alguns gráficos mostram uma linha paralela para o aumento da temperatura e as emissões de dióxido de carbono. Mas deixe-me mostrar-vos um gráfico muito mais amplo, mostrando as temperaturas globais médias nos últimos 400.000 anos. Nisto, vemos uma curva mais ou menos perfeita subindo e descendo em ciclos de 50.000 anos, refletindo a teoria do professor sérvio Milutin Milankovich (Os Ciclos de Milankovich) em que os ciclos de temperatura seguem diretamente a obliquidade da Terra, ou a sua inclinação, à medida que ela se move num eixo da esquerda para a direita do centro enquanto viaja pelo espaço.

A inclinação causa correntes e movimentos oceânicos, como El Niño e La Niña, e os ciclos correspondentes dos ventos, impulsionando os ciclos do clima. Reconfortante? Não, porque de repente, após a Revolução Industrial, as coisas começam a dar errado e há um aumento exponencial na temperatura, até hoje. Então Milankovic estava certo: a natureza está equilibrada, até que a mão da Humanidade se torne visível.

E é precisamente aqui que a humanidade pode intervir e parar de sobrecarregar o que são, afinal, ciclos naturais de aumento e diminuição de temperaturas e também aumento e diminuição dos níveis de CO2.

Mas já é tarde demais?

A questão é que a natureza pode lidar com subidas e descidas naturais. Não pode lidar com uma tendência natural de aumento de temperatura  e mais um incremento associado à contribuição da Humanidade, desequilibrando o equilíbrio natural. A humanidade nunca esteve em equilíbrio com a natureza, os animais e as plantas estão, e é por isso que a primeira coisa que qualquer animal que se preze faz quando vê um humano é correr para salvar sua vida.

Dada a nossa incapacidade de produzir e implementar políticas globais, por não termos um mecanismo jurídico que funcione, concluo que já ultrapassamos o ponto de inflexão e que os danos que causamos não vão cessar repentinamente. Se esse dano já está derretendo o permafrost da Sibéria e as calotas polares, então há outra realidade aterrorizante no horizonte à espera de atacar: a enorme quantidade de gás metano (um importante GEE, ou Gás de Emissão de Estufa) armazenado sob o permafrost da Sibéria e submarinos clatratos e ainda quantidades igualmente enormes de gás metano armazenadas sob as calotas polares do Ártico e da Antártica.

Portanto, sejam quais forem as medidas que tomarmos agora, nossa contribuição já criou condições que verão as coisas piorarem antes de melhorarem, e isso pode levar milhares e milhares de anos. Se sobrevivermos ou não, quem sabe? Muito vai depender de como outros seres lidam com os extremos climáticos, como as abelhas. Não me surpreenderia se as condições se tornassem tão severas que em um futuro próximo veremos guerras pelo abastecimento de água, tempestades que arrasam cidades inteiras, a subsequente quebra da lei e da ordem, o colapso da agora tão popular economia de cassino (novamente), o aparecimento de novas doenças que fazem a Covid-19 parecer um passeio no parque e o reaparecimento de doenças existentes em novos vetores (portadores) e novos locais.

A “doença do suor” era muito falada nos primeiros tempos dos Tudor na Inglaterra até que desapareceu de repente (talvez quando as pessoas parassem de comer musaranhos), mas algo semelhante poderia aparecer, e tão letal "bem na hora do almoço, morto na hora do chá": ceifou a vida do irmão mais velho de Henrique VIII, Arthur, afinal e, portanto, moldou a história futura da Inglaterra e do mundo. E se as pessoas nos EUA não conseguem lidar com a Covid, como eles vão lidar com a Chikungunya?

Conclusão: Fazer um esforço coordenado e significativo para reduzir a mudança climática, reduzindo as emissões de gases de efeito estufa, maciçamente, e agora, vai garantir que as coisas não se tornem ainda piores do que certamente ficarão. Estamos em uma jornada difícil, senhoras e senhores e, então, mais uma vez, precisamos das ferramentas para administrar este planeta de maneira adequada, e isso significa uma estrutura legal chamada lei internacional com vigor e implementação globais. Se minha geração é incapaz de fazer isso, esperemos que aqueles que nos seguem peguem o bastão.

O autor pode ser contatado em timothy.hinchey@gmail.com

Pravda.Ru

Contacto: jornalpravda@gmail.com

Tópicos