Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Nova regra da FIFA libera óculos em campo

Dos jogadores que não enxergam bem, 64% deixam de corrigir a visão durante as partidas, mostra estudo. Nova regra pode melhorar desempenho, garantir mais segurança após cirurgia refrativa e proteger os olhos do sol.

Até a COPA 2010 a FIFA proibia o uso de óculos pelos jogadores durante as partidas. Por isso, dos que não enxergavam bem, 64% deixavam de corrigir a visão durante os jogos e 1 em cada 4 atletas nunca tinha passado por exame de vista com medo de ser eliminado pelos treinadores.

 É o que mostra um dos poucos estudos desenvolvidos no Brasil  com 80 jogadores da FPF (Federação Paulista de Futebol) em idade entre 17 e 22 anos. Realizado pelo oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, o levantamento também mostra que 27 dos entrevistados ou 34% apresentavam algum problema de visão. Desses, só 10 ou 36% entravam em campo usando lente de contato. O restante usava óculos fora dos treinos e partidas.

A boa notícia é que o novo livro de regras do futebol 2011/2012, publicado pela FIFA, libera o uso de óculos em campo pelos jogadores desde que o acessório não represente risco para os atletas.  Segundo Queiroz Neto o uso de lentes corretivas pode surpreender os torcedores pela melhora no desempenho dos craques. Isso porque, afirma, a visão responde por 85% de nossa interação com o meio ambiente. O futebol exige bom campo visual e capacidade de enxergar bem em todas as distâncias. Por isso, até a correção de pequenas deficiências visuais pode fazer diferença no desempenho, comenta.

Cirurgia refrativa é mais segura

Para Queiroz Neto, atletas têm motivos de sobra para querer se livrar dos óculos. Isso porque, o suor excessivo pode tornar o uso dos óculos incômodo e as lentes pouco seguras.

O único inconveniente da cirurgia refrativa, observa, é tornar os olhos mais vulneráveis em casos de traumas. Entre jogadores de futebol este risco é minimizado porque os traumas mais comuns são: lesões na órbita, nas pálpebras ou no globo ocular causadas pela bola ou choque com outros atletas. Além disso, o médico destaca que a cirurgia hoje é feita inteiramente a laser. Isso permite desgastar menos a córnea. O resultado é o globo ocular menos frágil, corte perfeito, precisão  maior e a correção do grau mais previsível. Por ser uma técnica pouco invasiva, no dia seguinte as atividades podem ser retomadas. Para garantir mais segurança aos olhos, o médico diz que devem ser usados óculos de proteção após a refrativa.

Como escolher óculos e lentes de contato

O médico conta que o levantamento realizado com os jogadores da FPF mostra que a miopia, dificuldade de enxergar de longe, liderou os problemas de visão, atingindo 42% dos que precisavam de correção visual. A hipermetropia, dificuldade de enxergar de perto, atingiu 31,7% dos que não enxergavam bem e os vícios refrativos associados que desfocam a visão para perto e longe atingiu 27,3%.

O especialista destaca que independente do problema visual, os óculos mais adequados para desportistas são os que têm armações flexíveis e fixas na cabeça, para garantir a segurança. Já as lentes devem ser polarizadas. Isso porque, diminuem o brilho das superfícies e o ofuscamento. O resultado, destaca, é a melhor visão de contraste e reflexos mais rápidos. Para proteger os olhos da radiação UV (ultravioleta) durante o dia e da luz azul emitida pelas lâmpadas frias  que aceleram o aparecimento da catarata e da degeneração macular, o especialista recomenda que as lentes sejam fotossensíveis,

As lentes de contato, comenta, oferecem melhor correção visual. As desvantagens são o desconforto em caso de penetração do suor nos olhos, frequentes perdas e os possíveis ferimentos em portadores de astigmatismo que necessitam usar lentes rígidas.

As recomendações do médico para evitar a contaminação das lentes são:

  • Lavar as mãos antes de manipular as lentes.
  • Lavar e enxaguar lente e estojo com solução higienizadora.
  • Friccionar as lentes para eliminar completamente os depósitos
  • Não usar soro fisiológico ou água na higienização
  • Guardar o estojo em ambiente seco e limpo
  • Trocar o estojo a cada quatro meses
  • Respeitar o prazo de validade das lentes
  • Nunca dormir com lentes, mesmo as liberadas para uso noturno.
  • Interromper o uso a qualquer desconforto ocular e procurar o oftalmologista
  • Retirar as lentes durante viagens aéreas por mais de três horas
  • Não entrar no mar ou piscina usando lentes.

Independente do tipo de correção, enxergar bem faz toda diferença no futebol, conclui.

 

Eutrópia Turazzi

LDC Comunicação

 

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter