Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

TELETÓN: Engenheiro uruguaio cria cadeira de rodas inteligente

O Engenheiro uruguaio Mauro Cabral pertencente á organização TELETON ( www.teleton.org.uy ) posiciona o Uruguai no primeiro mundo quanto tem a ver com protótipos inteligentes. Uma cadeira de rodas que funciona até com o sopro do usuário muda o destino chato e sem objetivos dos «deficientes físicos» uruguaios que iniciam um convívio bem mais confortável e digno. Projeto maluco e sem apoios financeiros como muitos nascidos no Uruguai agora é convidado participar nas feiras e exposições do mundo dos segmentos envolvidos com tecnologia.

A cada ano desde 2003, no finalzinho de novembro ou início de dezembro a organização, tendo como plataforma uma rede de tevê montada pelos principais canais uruguaios – CANAL 4 – Monte Carlo TV – CANAL 10 – Saeta e CANAL 12 – La Tele , no decorrer de 24 horas da 22 de um dia até dia seguinte, arrecada um verba para fazer progredir e burilar este projeto maravilhoso.

Foi o famoso chileno da tevê (Dom Francisco) com moradia nos EUA quem jogou a bola para cima dando o salto inicial pensando neste caso no pessoal que mais precisa da nossa ajuda mas dessa oportunidade no Chile.

Tudo quanto é bom há que xerocá-lo e aprimorá-lo. Porém, foram vários os países que logo desse lançamento chileno seguraram a idéia com força e começaram trabalhar acima deste projeto que fora provocar o pranto ou no mínimo soluços de muitos os que só por acaso ficamos «na outra beira» até a vinda de um acidente, má práxis ou o destino apenas, procuramos uma vida extremamente digna para todos aqueles que precisarem.

Só temos que levar em consideração que a vida fala mais alto e poderia dar um viravolta no dia a dia da gente á partir de amanhã. O azar nem sempre está de nosso lado. Deste jeito assim, escorregando lágrimas nas bochechas, começou funcionar a máquina lotada de amor do Eng° Mauro Cabral quem acabou montando um protótipo incrível como placa uruguaia que á partir de futuras vendas de unidades procura continuar imaginando muitas caras sorridentes dentro da TELETON URUGUAI.

É bom remarcar que a jornalista de uma Rede da tevê foi a cara visível da imprensa brasileira nessa TELETON do país-continente.

As crianças que sofrem estas deficiências são aquelas que transmitem sua força para nós e para os próprios doadores, gerando o pranto até dos mais insensíveis., o talvez dos mais «forçudos».

O compromisso do PRAVDA com a TELETÓN além de divulgar esta matéria é traduzir com nossa voz, os vídeos de divulgação para o português, negócio que a Fundação vai precisar no mínimo na palestra que o Eng° Mauro Cabral vai compartilhar com grande maioria de brasileiros em um dos Auditórios de Conferências no Expo Center Norte de São Paulo, quase do lado da Estação Terminal de ônibus Tietê e da rodovia Chateaubriand que contorna o córrego do Riacho Tietê. O palestrante uruguaio vai mostrar esse protótipo maravilhoso de 19 até 21 de Agosto.

É bom salientar os dados do CENTRO de REABILITAÇÃO Dr. RENATO DA COSTA BOMFIM (TELETON BRASIL)l. Da um mergulho no site e se for possível uma doação pois trata-se de um projeto serio em prol da dignidade desses coitadinhos que precisam você bem pertinho deles. www.aacd.org.br

Reportagem montada no Centro TELETON URUGUAI, no bairro Prado de Montevidéu com a Diretora Executiva, Verónica Rattin, o Eng° Mauro Cabral (protótipos) e Marcelo Inverso (Coordenador de Imprensa).

PRAVDA: Como consegue a Fundação TETETON montar estes protótipos quanto tem a ver com recursos financeiros?

RATTIN: Felizmente só agora o Mauro tem uma largura de banda para trabalhar. Mauro junto com o time técnico avaliam os sintomas dos pacientes, quais são as condições deles, o que eles podem desenvolver e tudo isso gera essa tal largura de banda para continuar trabalhando. Os resultados alcançados nas campanhas prévias da TELETÓN fizeram possível ter recursos para o Mauro continuar desenvolvendo protótipos de olho nas outras crianças que estiverem precisando e mais alguns projetos que como o inicial que acabou sendo sucesso, possa fazer progredir.

PRAVDA: Mesmo que pareça estranho, quanto influenciam no apoio financeiro dos projetos as crianças assistindo aos programas de 24 horas que a TELETÓN organiza a cada fim de ano na tevê uruguaia? Minhas filhinhas ficaram «chocadas» e perguntaram se a família já tinha contribuído?

RATTIN: Vamos ver...Gustavo, você acabou de falar que suas filhinhas ficaram «chocadas», assistindo na tevê aos comentários das crianças da TELETON e as imagens contribuíram para esse reagir delas. Pois é, são as crianças que engatilham e fazem que os pais contribuam com o projeto, sem dúvida. Porém estamos trabalhando com as crianças uruguaias convidando as escolas primárias de Montevidéu, (o resto dos Estados é mais difícil pela distância até a capital) visitarem o Centro TELETON ao vivo e as cores. Acreditamos fundamental manter o contato direto com o Centro, com esta realidade atual. Na hora da nossa criancice não encontrávamos crianças com perfil TELETON mas tínhamos no Uruguai. Existiram sempre mas á partir desta marcação da TELETON, fora a reabilitação física integral dos pacientes, ou aqueles que tivessem tido uma acidente, mudou a visão daqueles que ficaram por «fora». As pesquisas que temos refletem que ojeito de agir dos uruguaios mudouradicalmente. Foi marcação mesmo na cabeça dos uruguaios, temos um antes e um depois na atitude da sociedade quanto tem a ver com pessoas com deficiências. Se além disso, da para desenvolver tecnologia e potenciar as vidas dos moleques como é o caso do Mateo, temos muito caminho para andar.

PRAVDA: Quando começamos moldar esta reportagem, descobríramos que uma das apresentadoras mais famosas dos jornais da tevê brasileira esteve envolvida com o Projeto TELETON BRASIL, como acontece no Uruguai de olho na divulgação. Daria para «montar uma parceria» entre a TELETON URUGUAI E TELETON BRASIL fazendo o projeto bem mais importante?

RATTIN: Veja só, nós já temos um relacionamento INTER-TELETON com o Brasil, de jeito específico com São Paulo. Leva em consideração que TELETON URUGUAI pertence á TELETON INTERNACIONAL, bem mais conhecida como ORITEL. Nós temos intercâmbio nem só com aprendizagem, quanto tem a ver com o fun-rating, com o programa, aprimorando o conteúdo, compartilhando tudo. Neste caso acredito fundamental o permuta de experiências médicas. Temos um Congresso anual com alternância das sedes para burilar estas experiências. Ano passado foi no México e em Agosto de 2009 vai acontecer no Brasil, no Pavilhão das Conferências de Expo Center Norte de 19 á 21 de Agosto. Ano retrasado foi nosso Engenheiro Mauro, quem foi palestrante apresentando o protótipo SISMO (a cadeira de rodas inteligente) no Congresso Internacional TELETON. O volume tecnológico do SISMO acabou contribuindo para que os organizadores pudessem incluí-lo no cronograma de eventos desse Congresso de Tecnologias. Existe um Comitê Médico cujos membros são; os Diretores Técnicos do Brasil e Chile, as Diretoras Técnicas do México e Uruguai e um dos Diretores uruguaios, senhor Damiani. Daqui a pouco estão convidando um francês para que apresente uma palestra de colar cervical. Quanto as caras famosas de outros países não haveria contribuição pois caso trazer um chileno da tevê, ninguém fica colado na telinha assistindo ás redes trás-andinas. No caso do Brasil, nos Estados uruguaios da fronteira como Artigas e Rivera, é provável que sejam famosos mas no resto do território, com certeza não.

Porém não planejamos uma estratégia de parceria. Não tem valor adito. Mas no congresso TELETON sempre se fazem atividades ótimas. Regredindo mais uma vez no caso dos famosos da tevê brasileira e possibilidade de visitar o Centro TELETON URUGUAI, seria um grande prazer que viesse e aí montaria atividades com os jornalistas uruguaios que apóiam o projeto. Poderia ser uma boa viajar com alguns dos jornalistas uruguaios para o Congresso de São Paulo, Orlando Petinatti, Ignacio Álvarez, Victoria Rodríguez ou Omar Gutiérrez.

PRAVDA: Quem foi o famoso da tevê internacional que deu início este projeto, o Dom Francisco chileno que mora nos EUA?

RATTIN: Dom Francisco é bem famoso para a faixa etária acima dos quarenta, descendo um degrauzinho, não é tão conhecido assim. Os mais «idosos» somos os que conhecemos o Dom Francisco. Saiba que na hora que no Chile eu disse que se viesse o Dom Francisco estaria bom mas caso contrário tanto faz. Eles quase acabaram me «enforcando» (sorridente).

O perfil mais conhecido do Dom Francisco na tevê é daquele programa «Sábado Gigante», que não é o perfil conhecido em Miami, no México, no Chile, até no próprio Brasil. Esse destaque respeitado no ambiente empresarial, como filantropo. No Uruguai ficou aquela imagem do «Sábado Gigante», com público longe do perfil que na realidade ele tem neste projeto. Conheci ele em 2002 e daí para frente compartilhei vários papos. Fiquei surpresa, mudou essa imagem que eu tinha imaginado. Trata-se de uma pessoal maravilhosa, poderia falar cinco horas com ele que não da para me chatear. Acho que visitou Montevidéu em 2007.

PRAVDA: Quem é o Dr. António Carlos Fernandes no Brasil? Fala?

RATTIN: É mesmo uma jóia.

PRAVDA: Mauro, quanto aos teus projetos..pode compartilhar tudo conosco.

ENG° NAURO: Os planos do Departamento de Engenharia da TELETON URUGUAI, tentam trabalhar com a Halo Tecnologia para contribuir com o processo de reabilitação dos deficientes físicos e intelectuais. O objetivo foi sempre atingir os pacientes com deficiências mais severas, aqueles que têm problemas nos membros superiores e inferiores. Traduzindo, os que não podem movimentar as mãozinhas nem as perninhas., ou seja, não podem interatuar com o meio que os rodeia. Os meus projetos começaram em 2006. De jeito devagar continuamos desenvolvendo outros projetos até que em 2007, acabou-se montando o Departamento de Engenharia do Centro TELETON. Nesse instante, começarmos desenvolver projetos no Centro, em si próprios. Dentro dos possíveis projetos, surgiu a possibilidade de ajudar este moleque, Mateo como paralise cerebral e após a mãe dele ter viajado pelo mundo inteiro na procura de soluções para seu filhote, sem tê-las encontrado. Do lado dela, nasceram algumas sugestões e começáramos trabalhar acima dessas tais sugestões. Por exemplo, que o Mateo conseguisse movimentar-se «sozinho». De fato, a família, transportava ele de um cantinho para o outro, numa cadeira de rodas convencional pois ele não conseguia auto-propulsão por causa da impossibilidade de movimentar as mãos. Antes o Mateo ficava no aguardo da ajuda de alguém para movimentá-lo.

PRAVDA: Agora vestido de piloto doSISMO, consegue coordenar todas as funções que o protótipo tem?

ENG° MAURO: Felizmente, ele conseguiu. No início, é básico o estudo dos antecedentes do paciente e no caso do Mateo, ele sendo muito pequenininho conseguia fazer magia com o seu Play-Station. Com os controles analógicos do Play- Station, de jeito específico. Achei muito interessante esse dado para continuar trabalhando fazendo evoluir este projeto á partir do movimento que ele consiga realizar com o queixo. Poderíamos ter desenvolvido uma outra estratégia, nem sei, um movimento lateral de cabeça, ou movimento posterior mas o «carro chefe» de Mateo era o queixo e deu para começar fazer progredir o SISMO á partir dessa parte do corpo.

Temos pacientes com deficiências semelhantes mas acabamos pegando uma outra faixa para fazer progredir o projeto.

PRAVDA: Da para adaptar o SISMO de Mateo para outros pacientes?

ENG° MAURO: Da nada. Não com a mesma cadeira inteligente mas temos desenvolvido outros protótipos que funcionam á partir do controle de voz e movimentos posteriores de cabeça. Agora , o último foi desenhado para uma lindinha que sofreu um acidente e que o faz á partir de movimentos posteriores. Como resumo, o mesmo sistema pode ser adaptado dependendo das possibilidades dos pacientes. Até o próprio sopro do paciente faz funcionar o protótipo.

Até com o escaneio dos olhos (movimentando os olhos) pode funcionar o SISMO, remarcou a Verónica Rattin.

ENG° MAURO: O objetivo é que o moleque consiga o controle de um computador. Com o controle do computador, ele pode controlar SISMO. Na hora primeira visita do paciente no Departamento de Engenharia, tentamos sempre que a criança consiga o controle do ponteiro do mousse do computador. Tendo resolvido este assunto ,tenha certeza que nós conseguimos a abertura inúmeras possibilidades para ele. Fundamental para o paciente se comunicar. No caso de Mateo, a afecção é severa porém não conseguindo modular, não pode falar. Mas ele entende tudo, é muito inteligente. Agora com quatorze anos está completando o 2° grau no Ensino Secundário.

PRAVDA: Qual é o custo do SISMO? É dos protótipos mais caros?

ENG° MAURO: Veja Gustavo, nós temos patenteado SISMO em 2007 na região e agora estamos tentando patenteá-la no resto do mundo. Mas para isso temos que pesquisar muitas coisas. No resto do mundo, temos cadeira de todo tipo mas até com funções semelhantes mas nem por acaso com a complexidade deste protótipo. O custo está no eixo dos 10 mil dólares americanos. Sendo que inclui materiais, horas técnicas de desenvolvimento e execução, foi um time que juntou-se só para desenvolver e fabricar este protótipo. Com certeza não foi feito em um piscar de olhos, nem foi um pessoa só quem acabou fabricando o SISMO. Houve várias pessoas que trabalharam desenvolvendo diferentes partes deste protótipo sob nosso desenho e pedido, além disso acabei montando SISMO. Tudo feito no Uruguai. O único trazido de fora foram os motores das cadeiras. Tivemos a cooperação de um pessoa, encarregada do desenho industrial, dos diagramas em planta e 3D. O resto, todos uruguaios que intervieram nesta nossa jóia, fabricando eletrônica, hardware, a estrutura toda, em plástico, acrílico.

PRAVDA: Está sentindo-se orgulhoso que o seu protótipo SISMO está na liderança tecnológica mínimo da América Latina?

ENG° MAURO: Pode ter certeza que é assim mesmo. Orgulhoso e tanto.No início não achei que fosse o grande protótipo pois o objetivo foi sempre dar uma ajuda para o Mateo. Atingimos o alvo e foi o maior orgulho de todos. Juro, foi a maior satisfação de todas. Á medida que começamos receber os comentários de todas partes do mundo e na hora que viajamos para México, inclusive, agora que a Faculdade de Engenharia deu início a um roteiro de palestras e seminários para mostrar para os alunos os desenvolvimentos que estão acontecendo no Uruguai, tentando cativar os futuros engenheiros neste tipo de projetos, só aí eu caí na real. Foi na hora que eu percebi, que o projeto que desenvolvi foi importante.

PRAVDA: Estão pensando em participar de alguma feira tecnológica para apresentar o protótipo fazendo o lançamento internacional na grande vitrine?

RATTIN: Patenteamos o protótipo pois agora acreditamos que trata-se de um produto que já cativou o ambiente tecnológico internacional. Nunca imaginamos participar de uma feira mas poderia ser uma possibilidade. Aliás, na hora que criou-se um projeto tão importante quanto é este, da para divulgá-lo fora da divisa pois acaba sendo uma solução para outras crianças seja o lugar do mundo no qual estiverem.

Embora, nosso Centro TELETON está em uma fase de expansão e com as 24 horas na tevê desde 2009 vamos tentar construir mais Centros TELETON no interior do país, mesmo que ainda não temos marcado o lugar exato no mapa. O primeiro vai ser na faixa litoral Norte, e poderia ser Paysandú, Salto ou Río Negro, (os três Estados, na beira do Rio Uruguai) são divisa com Argentina. Precisa-se mais verba para isso e esta grana vinda á partir do SISMO, é uma plataforma para TELETON se consolidar, continuar aumentando o «tamanho» do Centro e inventar mais protótipos que façam possível a integração e reabilitação social destas crianças.

PRAVDA: Para localizar uma sede em uma destas cidades vai depender do apoio da Prefeitura oferecendo um padrão de graça para instalar o Centro TELETON?

RATTIN: Não depende mas da uma ajuda para o projeto. O projeto de instalar um Centro TELETON no interior uruguaio foi aprovado pela Diretoria o ano passado tentando que alguns uruguaios não invistam tanta grana nas passagens e tempo na percorrida até a Capital. O processo de conhecimento do paciente é no mínimo de 4 semanas sendo uma grande prova.

Na TELETON 2009 vamos pedir o dinheiro para construir o Centro do Interior. Para consegui-lo como sempre vai depender do apoio do povo. Río Negro e Salto tem entrado em contato conosco mas TELETON ainda não tem visitado as Prefeitura para pedir os padrões pois ainda não decidimos o lugar certo. No decorrer dos próximos meses vamos resolver esse assunto e todo o apoio vai ser bem-vindo para fazer progredir mais um projeto. Sabemos que o 2009 vai ser difícil no Uruguai pois até temos Eleições Nacionais e isso supõe apoios das grandes empresas para os Partidos Políticos. A crise já está fazendo pouso no país mas temos certeza que mais uma vez a população uruguaia vai falar mais alto. Em 2003 começamos recebendo doações por 500 mil dólares americanos tendo aumentado ano trás ano, numa média de 20-25% até ano passado que alcançamos quase 2 milhões. A população contribui pois percebe que a grana foi muito bem investida. Transparência total. Verba para tal Departamento da TELETON, uma outra para o Departamento de Engenharia e logo convido os doadores visitar o Centro TELETON e o além disso o Mateo dando uma de piloto no SISMO.

Pedimos esforço financeiro mas logo tudo mundo confere os resultados ao vivo. De nosso lado, jeito de ser honesto sempre e isso acaba fazendo fluente este relacionamento como as pessoas. No último ano, os doadores foram mais e cada um deles doaram um tostão á mais. Por incrível que pareça, as pessoas com salários reduzidos são os que investem mais na TELETON e fora que logo aparecem as grandes contribuições com cheques gordinhos das empresas, a porção maior vem sempre do povo, no eixo do 70%.

PRAVDA: Então, qual seria o preço de SISMO no mercado internacional? Sempre tentando melhor a vida das crianças que como o Mateo estiver precisando no Uruguai?

ENG° MAURO: Para você ter uma referência apenas. Cadeiras semelhantes sem tantas funções estão na faixa dos 18 mil dólares americanos ou até mais caras.

RATTIN: Nessa faixa de preços, encontram-se cadeiras mas nunca com as três funções, motorizadas, com autonomia e comunicação.

ENG° MAURO: Não tem cadeira no mundo com todas as funções que o SISMO tem. Todas juntas, não!!! Fora isso, trata-se de um computador em si próprio. A grande maioria tem funções limitadas pelos computadores a bordo que impedem um funcionamento mais importante. A eletrônica permite ligar a tevê, abrir a porta, acender a luz, ou na pior hipótese, oferecer funções para se movimentar. Aí acabou tudo. A eletrônica deste protótipo oferece um horizonte bem mais amplo e fazer tudo quanto quiseres. Não é arquitetura rígida senão plástica. No mercado internacional encontram-se protótipo rígidos, talvez tentando refletir fortaleça e durabilidade mas nosso protótipo é provado que também possui estas características. Além disso, fiel, eficaz e eficiente. Fora essas características continuo reconhecendo o SISMO a cada dia pois precisa de manutenção e não temos que esperar que os problemas aconteçam. Temos que continuar aprimorando o rendimento!!

Faz alguns meses pesquisando neste assunto, encontrei um protótipo alemão com preço de 30 mil Euros e ao meu ver, o SISMO é bem melhor que essa cadeira alemã. Quanto à funcionalidade, as características técnicas, o SISMO está por cima na tabela. O outro é um protótipo industrial e mesmo que parece feito com partes de um carro Mercedes Benz. Quanto ao SISMO, não tem inveja de nenhum protótipo no mundo. É normal no Uruguai que na hora que alguém topa-se perante um produto ótimo a pergunta é sempre a mesma: Onde foi fabricada?

RATTIN: Mas quanto ao preço, mais uma vez tentamos compartilhar com o PRAVDA que o custo de fabricação de SISMO está no eixo dos 10 mil dólares americanos. Também é bom salientar que TELETON não é uma empresa e não tirar benefício de nada. É uma Fundação privativa com objetivos públicos. Se a criança viesse de Saúde Pública, não pede se nada para começar com o protótipo mas caso as famílias da criança tiver condições financeiras melhores pede se uma graninha para dar início o protótipo segundo o tamanho do bolso deles. É extremamente justo que aquele que tem uma verba disponível para começar andar possa contribuir. Tendo feito o balanço até hoje, só o dois por cento dos pacientes tem pagado só uma pequena porção da grana.

Uma dúzia de cadeiras foram entregues o ano retrasado sem ter pedido nada pois tratava-se de pessoas inteligentes sem possibilidades de movimentar seus membros superiores porém sem chance de se catapultar sozinhos. Cadeiras de rodas argentinas convencionais cujo preço está na faixa de 5 até 6 mil dólares americanos. No caso de SISMO, não á revenda. Não temos fabricado para vender. Agora também não imaginamos essa situação pois o Mauro e seu time não tem tempo para respirar, está trabalhando nos protótipos uruguaios. Á partir de SISMO, os adultos também entraram em contato conosco tentando que o Engenheiro faça um protótipo para eles. Infelizmente não existem dois Mauros no Uruguai, é verdade e temos que salientá-lo fora o jeito humilde do Mauro. Aquele que ficasse do lado do Mauro, tentando fazer progredir o SISMO, vai ser treinado pelo próprio Mauro. Neste período o Departamento de Engenharia não tem condições de fabricar e fornecer fora Uruguai. Vamos consegui-lo daqui a pouco mas agora é impossível. Talvez tinha sido a razão pela qual não pensamos o preço de venda nem nossa capacidade de produção. A prioridade agora é uma outra, são os nossos pacientes.

PRAVDA: Caso apareça uma criança com deficiências semelhantes ás do Mateo, é mais simples desenvolver um protótipo?

ENG° MAURO: Sem dúvida mas leva em consideração que o período de prova deste protótipo foi no decorrer de um ano e meio. Testes, um bocado de coisas. Também fica claro que temos andando muito para desenvolver este protótipo e a experiência serve de olho nos próximos.

Os dez mil dólares dividem-se em duas partes. Custo de material e horas técnicas e mão de obra de diferentes pessoas. Mas o custo vai ser reduzir bastante quanto aos materiais pois já sabe que comprar, o fornecedor certo e quantidade. No início ninguém conhecia essas coordenadas. Ainda tenho comigo no Departamento de Engenharia peças que foram desenvolvidas para SISMO e acabaram sem ser usadas. Isso agora não vai acontecer mas foram parte do custo do protótipo. Pensando em um SISMO 2, vamos poupar tempo e peças, porém o custo final.

PRAVDA: Caso começar a venda dos protótipos SISMO. Acarreia a vinda de pessoal de fora Uruguai na procura deles ou até o Mauro viajando para o destino?

ENG° MAURO: Deve levar em consideração que é extremamente importante na hora de entregar os protótipos avaliar o produto com a criança manobrando-o. Não é um produto que você vende e esquece. Só pra começar, precisa-se de uma análise prévia do paciente. Não posso resolver um problema tendo como coordenadas que trata-se de uma criança de nove anos que mora em Chile. Da para entender? Preciso das coordenadas médicas, dados e mais dados para fabricar o protótipo sob medida.

RATTIN: Tem uma plataforma que serve para todos os protótipos mas não pode ser xerocado. Embora, com muitos protótipos fabricados dentro da própria TELETON URUGUAI acho que seria bem mais simples montar protótipos pensando no futuro. Até um médico poderia ser quem prenchesse o formulário com medidas específicas que o Departamento de Engenharia poderia precisar. Quanto é que o paciente movimenta o dedão, o queixo. Estou chutando apenas.

ENG° MAURO: Tem uma grande maioria de peças específicas. Podem-se fabricar peças desmontáveis.

PRAVDA: O sopro é universal e pode ser feito em qualquer cantinho do mundo mas o software você consegue adaptá-lo seja qual for o idioma? Não é uma barreira!!

ENG° MAURO: É simplesmente mudar a estrutura da língua mas nada difícil. O problema a resolver nesse caso seria encontrar uma pessoa que conheça de cor as duas línguas e assunto resolvido. O software é universal só que agora estamos trabalhando para que admita nem só Microsoft (Windows) senão outras plataformas livres com Linux. Vamos tentar que a licencia de software seja só nossa.

RATTIN: De jeito específico para gravar a voz da criança. Quanto o protótipo do Mateo, foi um moleque da própria TELETON quem gravou as instruções. Uma outra coisa interessante é que essas instruções devem ser gravadas com gíria caso for preciso. Acho que é importante que os leitores saibam que SISMO foi experimentando aqui no prédio da TELETON com o dono como manobrista mas logo o Mauro viajo para Maldonado (perto de Punta del Este) para adaptá-lo ao ambiente que convive com ele. Na própria residência e no colégio, até com os professores e estudantes como ele pois todos foram parte deste projeto de adaptação. O Colégio acabou fazendo alterações no prédio para que o SISMO fosse mais um dessa turma. Os degraus sumiram e apareceram as rampas, aumentaram a largura de algumas portas como a do banheiro. Até o software foi adaptado. Os professores montam as atividades da turma e logo descarregam-nas nos computadores do Colégio para mais logo imprimi-las se for preciso.

Mas isso não é tudo...Mateo pode gravar as aulas. O SISMO tem duas camarinhas, uma de 8 polegadas com facho para atrás e um outra que fica de olho na frente e grava 4 horas sem pausa no disco do SISMO. Estava esquecendo, a autonomia do protótipo é de 14 horas se estiver andando o dia inteiro com todas as funções acessas.

PRAVDA: Como é feita a escolha da Criança TELETON a cada ano.

RATTIN: Apresentam-se 20 casos a cada ano e estas histórias de vida é a coluna vertebral do programa da tevê 24 horas. Temos câmaras espraiadas pelo Uruguai todo mas o eixo do programa são sem dúvidas estas vinte histórias, que cativam e fazem de imã para que os doadores contribuíam. Na hora da escolha da Criança do ano na TELETON avaliam-se inúmeros itens, tentando que todas as classes sociais estejam representadas. Mostramos todas as patologias que encontram-se aqui. Crianças com paralise cerebral, vítimas dos acidentes de trânsito, acidentes domésticos. Mas a história nem só é a criança e sua patologia senão que tem um pai orgulhoso pelo filho que tem uma chácara no interior e que tem muita coisa boa para compartilhar. Tentamos mostrar que ter uma criança deficiente física ou intelectual não é uma tragédia e que o dedo indicador pode cair acima de todos mas a realidade da TELETON pode ser uma solução para qualquer.

Temos muitas crianças especiais na TELETON que poderiam ser escolha para o dia das 24 horas mas temos que conseguir uma que seja cativante no dia a dia porém quase com certeza para os que ficam do outro lado da telinha das 22 até ás 22 h do dia seguinte. Metade de ano é a data na qual acontece a escolha da criança TELETON mas temos sempre dois o três possibilidades. Se da de jeito normal!!! É uma realidade que nossa escolha como acontece com os jornalistas que precisa manter um contato fluente com os ouvintes. É quase impossível que nossa Criança não consiga falar pois é muito importante para esse pedido de apoio. Infelizmente a criança TELETON deve ter completado no mínimo nove anos pois sendo mais pequeninho pode ficar nervosa agindo no programa de um jeito diferente quanto ao dia a dia que todos conhecemos.

PRAVDA: Os jornalistas famosos da tevê continuam sendo os mesmos?

RATTIN: Sem dúvida, o Orlando Pettinatti (Canal 10), Ignacio «Nacho» Álvarez (ex Canal 10), Victoria Rodríguez (Canal 12) e Omar Gutiérrez (Canal 4). O primeiro ano também esteve o Humberto de Vargas a voz em off de Canal 10 mas logo foram sempre os mesmos que acompanharam o projeto pois estão muito envolvidos com ele. Além disso, atingem todas as faixas sócio-culturais.

Dando uma de ré na história da TELETON URUGUAI, vamos lembrarmos da Criança famosa á partir de 2003. Ano 2003 – Nicolás Correa – Estado de Maldonado; 2004 – Steffanie Montes de Oca – Maldonado; 2005 – Leonel Da Silva – bairro Colón de Montevidéu; 2006 – Milagros Chaile – Shangrilá – Estado de Canelones; 2007 – Alejandro Bravo – Toledo - Canelones; e Antonella Estramil – Las Piedras –Canelones.

É justiça salientar o trabalho do Time Técnico, sob chefia da Dra. Laura de Castellet, que segundo o Eng” Mauro Cabral é fundamental na Fundação para o progredir das crianças e moleques.

Quanto á Diretoria atual salienta-se á seguir:

O novo Presidente é o Sr. Camilo Preve,, aliás o Vice-Presidente é o Dr. Amílcar Cagnoli, o encarregado dos assuntos Financeiros da Fundação é o Contador German Rossi, e os Diretores são o Sr. José Maria Garcia e o Dr. Mario Médici.

Nas fotos, Verónica Rattin e o Engenheiro Mauro Cabral.

Gustavo Espiñeira

Correspondente PRAVDA.ru

Montevidéu – Uruguai