Author`s name Creator

Discurso de boas vindas na Conferência de Segurança de Moscou

Declarações do Ministro da Defesa da Federação Russa

Sergei Shoigu

Senhoras e senhores!

É um prazer recebê-lo na 10a Conferência de Moscou sobre Segurança Internacional.

Esta conferência ocorre em um momento de mudança radical na segurança global e regional. O domínio incondicional dos EUA e seus aliados é coisa do passado. Em 24 de fevereiro de 2022, o início da operação militar especial na Ucrânia marcou o fim do mundo unipolar.

A multipolaridade tornou-se uma realidade. Os pólos deste mundo estão claramente definidos. A principal diferença entre eles é que alguns respeitam os interesses dos Estados soberanos e levam em consideração as particularidades culturais e históricas dos países e povos, enquanto outros os desconsideram. Houve inúmeras discussões sobre este tópico durante as sessões anteriores da conferência de Moscou.

Na Europa, a situação de segurança é pior do que no auge da Guerra Fria. As atividades militares da aliança tornaram-se tão agressivas e anti-russas quanto possível. Forças significativas dos EUA foram realocadas para o continente, e o número de tropas da coalizão na Europa Oriental e Central aumentou muito.

É importante notar que a implantação de formações adicionais da força conjunta da OTAN no “flanco oriental” do bloco já havia começado antes do início da operação militar especial na Ucrânia.

A OTAN deixou cair suas máscaras. A natureza agressiva do bloco não era mais ocultada pela formulação da orientação puramente defensiva da coalizão. Hoje, os documentos de planejamento estratégico da aliança consagram reivindicações de domínio global. Os interesses da aliança incluem a África, O Oriente Médio e a orla do Pacífico.

Na visão do Ocidente, o sistema estabelecido de Relações Internacionais deve ser substituído por uma chamada ordem mundial baseada em regras. A lógica aqui é simples e ultimatIva. Ou o candidato do “parceiro democrático” da aliança perde a soberania e se torna supostamente no “lado certo da história”. Ou é relegado à categoria dos chamados regimes autoritários, contra os quais todos os tipos de medidas, até e incluindo pressão coercitiva, podem ser usados.

Dado que a conferência conta com a presença de chefes de agências de defesa e especialistas em segurança de diferentes regiões do mundo, gostaria de destacar alguns aspectos da operação militar especial na Ucrânia.

Na Ucrânia, os militares russos estão sendo confrontados por forças ocidentais combinadas que comandam a liderança daquele país em uma guerra híbrida contra a Rússia.

O fornecimento de armas e equipamentos militares para a Ucrânia está sendo intensificado e o treinamento do exército ucraniano está sendo realizado. Enormes recursos financeiros são transferidos para manter a viabilidade do regime nacionalista.

As ações das Forças Armadas da Ucrânia são planejadas e coordenadas por conselheiros militares estrangeiros. Os dados de reconhecimento são fornecidos de todas as fontes disponíveis da OTAN. O uso de armamentos é supervisionado por especialistas ocidentais.

Os esforços da OTAN visam prolongar a agonia do regime de Kiev. No entanto, sabemos de fato que ninguém na OTAN tem dúvidas de que os objetivos da operação militar especial da liderança russa serão alcançados e que os planos para enfraquecer estratégica e economicamente a Rússia estão falhando. O dólar não atingiu o teto de 200 rublos, como previsto pelo presidente dos EUA, a economia russa manteve-se firme.

A operação militar especial dissipou o mito das “super-armas” fornecidas à Ucrânia pelo Ocidente, que são capazes de mudar fundamentalmente a situação na frente. Inicialmente, eles estavam falando sobre entregas de Sistemas antitanque Javelin, algum tipo de drones “únicos”. Ultimamente, os ocidentais têm promovido o papel de super-armas com sistemas de foguetes de lançamento múltiplo HIMARS e obuseiros de longo alcance. No entanto, essas armas também param na batalha. Eles não tiveram um impacto significativo. As armas russas, por sua vez, provaram suas melhores qualidades em combate.

Estamos analisando de perto as armas de troféus do Ocidente. As características e suas qualidades específicas são levadas em consideração para melhorar a forma como as operações de combate são conduzidas e a eficácia dos armamentos russos.

O fornecimento de armas da OTAN a Kiev significa que os países ocidentais são responsáveis por seu uso desumano e pela morte de civis em Donbass e nos territórios libertados. As operações das Forças Armadas ucranianas estão sendo planejadas em Washington e Londres. Não apenas as coordenadas dos alvos a serem atacados são fornecidas pela inteligência Ocidental, mas a entrada desses dados em sistemas de armas é conduzida sob o controle total de especialistas ocidentais.

O papel de Kiev na abordagem de combate do Ocidente foi reduzido ao fornecimento de mão de obra, que é vista como dispensável. Isso explica a enorme perda de pessoal nas forças armadas e formações de defesa territorial da Ucrânia.

Até agora, as figuras reais de soldados mortos e as chamadas forças de defesa territorial mobilizadas foram ocultadas pela liderança de Kiev.

Com o tempo, no entanto, essas informações se tornarão públicas. Os testemunhos de prisioneiros de guerra das Forças Armadas da Ucrânia nos permitem formar uma imagem realista do que está acontecendo do outro lado do fronte. A atitude desdenhosa em relação à perda de soldados estrangeiros reforça a tese de que a OTAN tem interesses puramente egoístas na Ucrânia. Claramente, a experiência colonial da Grã-Bretanha como principal patrocinador do regime de Kiev foi muito útil para Londres ao lidar com a atual liderança em Kiev.

Neste contexto, a especulação está se espalhando na mídia sobre o suposto uso de armas nucleares táticas russas na operação militar especial ou a prontidão para usar armas químicas. Todas essas informações sem sentido são mentiras.

Do ponto de vista militar, não há necessidade de usar armas nucleares na Ucrânia para atingir seus objetivos. O principal objetivo das armas nucleares russas é impedir um ataque nuclear. Seu uso é limitado a circunstâncias extraordinárias, conforme definido nos documentos da diretriz russa, que estão abertos à inspeção pública.

As alegações sobre o possível uso de armas químicas na Ucrânia também são absurdas. Deixe-me lembrá-lo de que, ao contrário dos EUA, essas armas foram completamente destruídas em nosso país em 2017 como parte de nossas obrigações internacionais. Enquanto isso, as provocações por envenenamento tornaram-se a marca registrada das chamadas organizações da sociedade civil patrocinadas pelo Ocidente, como os capacetes brancos na Síria.

As provocações de informação visam distrair a atenção dos fatos descobertos na Ucrânia que especialistas dos EUA realizaram pesquisas militares e biológicas proibidas.

Atualmente, uma quantidade significativa de dados foi acumulada e é regularmente disponibilizada ao público em geral. O trabalho continuará nessa direção.

As atividades biológicas militares dos EUA na Ucrânia não são excepcionais. Laboratórios controlados pelo Pentágono foram estabelecidos e operam em muitos países pós-soviéticos, asiáticos, africanos e latino-americanos. As autoridades locais geralmente não têm controle sobre pesquisas realizadas em suas instalações que representem uma ameaça letal para a população local. As consequências das epidemias, acredito, foram sentidas por todos durante o período de luta contra a disseminação do coronavírus.

Gostaria de me concentrar separadamente nos aspectos humanitários da operação militar especial. O cumprimento das Convenções de Genebra sobre as regras da guerra sempre foi e continua sendo o foco dos comandantes em todos os níveis. Desde o início da operação, foram emitidas ordens estipulando os procedimentos a serem seguidos pelos soldados no trato com civis e prisioneiros de guerra inimigos.

Nos territórios libertados dos nacionalistas, as tropas estão ativamente envolvidas na entrega de ajuda humanitária, na restauração da infraestrutura e na manutenção da lei e da ordem. Este foi o caso na Síria, em Nagorno-Karabakh, e também é o caso em Donbass.

Em questões humanitárias, houve uma cooperação frutífera com a ONU e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha. Somos gratos pela cooperação construtiva e despolitizada dos líderes e funcionários dessas organizações que interagem conosco. Em particular, sob os auspícios da ONU e com o papel ativo da Turquia, o difícil problema das exportações de grãos dos portos ucranianos do Mar Negro foi resolvido. Os especialistas da Cruz Vermelha realizam uma importante missão de mediação em relação aos soldados capturados.

A OTAN iniciou recentemente uma nova fase de alargamento da aliança, com a adesão da Suécia e da Finlândia ao bloco militar. A alegação de que a razão para isso foi a operação especial russa é falsa.

A aproximação prática entre esses países e a Aliança já estava em andamento há muitos anos. De fato, a Associação Regional NORDEFCO (Comitê de cooperação nórdica em defesa) é uma afiliada do Norte da OTAN e serve como cobertura para a participação desses países em atividades conjuntas de treinamento militar.

É claro que o envolvimento oficial de Helsinque e Estocolmo no planejamento estratégico da OTAN e a possível alocação de território a esses estados para implantação de armas de ataque mudarão o ambiente de segurança na região Báltica e no Ártico e exigirão uma reconsideração das abordagens de defesa do território russo.

Certas conclusões já foram alcançadas e estão consagradas na doutrina Marítima atualizada aprovada pelo Presidente da Federação Russa em 31 de julho. O trabalho continuará nesta área.

O reforço do Agrupamento militar da OTAN no “flanco oriental” completa a degradação dos mecanismos de confiança e controle de armas que surgiram na Europa durante a Guerra Fria. Há alguns anos, especialistas propuseram que a experiência europeia fosse usada para construir medidas de construção de confiança, em particular na orla do Pacífico. Agora, de toda a “bagagem” do Euro-diálogo, apenas a ideia de confronto em bloco é exportada para a Ásia, que não trouxe nada de positivo para a segurança na Europa.

Hoje, ninguém se lembra da destruição dos EUA do Tratado de Mísseis Antibalísticos, do Tratado de limitação de alcance Intermediário e curto e do Tratado de Céus Abertos. Embora anteriormente esses acordos fossem cruciais para o desarmamento e a construção da confiança.

A organização para a segurança e Cooperação na Europa, que foi concebida como uma plataforma de diálogo e consideração de diferentes pontos de vista, tornou-se um gerador de narrativas anti-russas.

O documento de Viena 2011 permanece formalmente em vigor, mas não há perspectivas de implementação prática. Na ausência de confiança entre as partes, o mecanismo de verificação torna-se efetivamente uma fonte de inteligência, o que não está no espírito deste acordo.

A situação em relação ao Tratado de limitação de Armas Estratégicas também é complicada. O acordo permanece em vigor até 2026. Do lado russo, os compromissos são cumpridos, os níveis declarados de porta-aviões e ogivas são mantidos dentro dos limites estabelecidos.

As alegações dos EUA de que a Rússia deve ganhar o direito de continuar o diálogo com os EUA não resistem às críticas. O controle de armas é uma via de mão dupla.

O resultado só é alcançável se os interesses e o comprometimento de todos os participantes forem equilibrados. Acredito que a experiência russa de interação com o Ocidente no campo do desarmamento mostra que a chamada paz baseada em regras que promove não envolve a implementação das obrigações do tratado no sentido tradicional. Este fato precisa ser levado em conta ao entrar em acordos, especialmente no campo da segurança e controle de armas.

A oposição ocidental à consolidação de um mundo multipolar, juntamente com a Europa, é mais ativa na região Ásia-Pacífico, onde os EUA começaram a desmantelar o sistema existente de cooperação regional baseado na ASEAN. Isso começou com o anúncio da iniciativa AUKUS pelos EUA, Austrália e Reino Unido. Os planos para expandir essa parceria para incluir novos parceiros regionais não foram ocultados. A AUKUS está se fundindo com a OTAN, que por sua vez reivindicou um papel dominante na região Ásia-Pacífico na cúpula de junho. Isso apesar do fato de que todos os países da OTAN estão a milhares de quilômetros de distância da região.

Em 2 de agosto, a Federação Russa marcou o 77o- aniversário da entrada da União Soviética na guerra com o Japão, cuja ocasião foi a Política militarista de Tóquio. A derrota das forças japonesas no Extremo Oriente efetivamente selou o fim da Segunda Guerra Mundial e forneceu o início para a libertação dos povos da Ásia da opressão colonial. A assistência da URSS foi de fundamental importância. Lembramos e nos orgulhamos do legado de nossos ancestrais, incluindo aqueles que lançaram as bases para a cooperação militar entre a Rússia e os países da região Ásia-Pacífico.

Outra tendência regional perigosa é o foco da AUKUS no desenvolvimento de uma frota de submarinos nucleares na Austrália. A implementação deste plano teria um impacto negativo complexo na segurança global e regional, criando as condições para minar o Tratado de não proliferação de armas nucleares.

Os EUA afirmam que submarinos movidos a energia nuclear são necessários na Austrália ostensivamente para compensar as crescentes capacidades navais da China. Essa lógica, de fato, replica as ações dos EUA ao justificar sua saída do Tratado de mísseis de alcance Intermediário e de alcance mais curto. O colapso deste acordo também foi motivado pela necessidade de compensar os esforços russos e chineses para desenvolver mísseis com um alcance supostamente proibido pelo Tratado.

No contexto global, o surgimento de uma frota movida a energia nuclear na Austrália fornecerá uma desculpa para que outros estados comecem a desenvolver armamentos semelhantes. A caixa de Pandora será aberta, a corrida armamentista nuclear global será retomada.

AUKUS tem o potencial de se transformar em uma aliança político-militar. Não se pode excluir que a experiência da OTAN com planejamento nuclear e exercícios nucleares “aliados” conjuntos, também seja transferida para a região. A base técnica para isso já está sendo estabelecida pela promoção ativa de aeronaves fabricadas nos EUA. A participação de estados com armas nucleares e não nucleares em exercícios conjuntos sobre o uso de armas nucleares é contrária às obrigações decorrentes do Tratado de não proliferação de armas nucleares. A transferência de treinamento nuclear da Europa explodirá a região.

Embora se possa presumir que esse é precisamente o propósito dos EUA. O desembarque provocativo em Taiwan de uma terceira pessoa da hierarquia burocrática dos EUA é outro movimento para desestabilizar a situação.

A interação igualitária e sem blocos na região é uma conquista que não deve ser perdida devido a fobias impostas externamente e tentativas de combater um mundo multipolar.

Mecanismos de interação e diálogo com parceiros extra-regionais são criados e estão provando sua relevância e eficácia. Primeiro e mais importante é a reunião dos Ministros da Defesa e Parceiros da ASEAN, o chamado formato “ADMM-Plus”. Suas diversas atividades se concentram em questões de segurança relevantes para a região Ásia-Pacífico.

Além disso, há uma experiência positiva de cooperação dentro da Organização de cooperação de Xangai, de implementação de projetos mutuamente benéficos em uma base bilateral.

Como antes, estamos prontos para compartilhar nossa experiência de treinamento de combate, em particular durante o exercício estratégico Vostok-2022 a ser realizado em um futuro próximo.

Apesar dos sucessos significativos na luta contra o terrorismo no Oriente médio, a ameaça de grupos terroristas internacionais assumindo a iniciativa permanece. Os militares sírios, em cooperação com aliados e parceiros e com o apoio das forças aeroespaciais russas, continuam a suprimir picos de atividade terrorista. Vemos um perigo particular em usar o Fator Curdo para perturbar a situação na Síria.

O envolvimento dos países fiadores no formato Astana continua sendo praticamente o único mecanismo legal e eficaz para lidar com questões de segurança na Síria. Congratulamo-nos com o aumento do engajamento entre a liderança síria e o mundo árabe. Superar as contradições criadas por forças externas é possível e necessário.

O papel dos militares na construção da confiança entre os países é um elemento importante na busca de soluções políticas. Esperamos que a conferência de Moscou seja um dos pontos de encontro para a estabilização da situação no Oriente Próximo.

Após a rápida retirada das forças dos EUA e da OTAN do Afeganistão, a situação na região da Ásia Central permanece extremamente tensa. A nova liderança do Afeganistão enfrenta sérios desafios militares e econômicos. O legado de duas décadas de presença de tropas da aliança é decepcionante. Como resultado, permanece um alto nível de perigo terrorista na região.

Os problemas de segurança da Ásia Central só podem ser resolvidos através de uma ação coordenada de todos os países e organizações internacionais envolvidos. De nossa parte, continuaremos a apoiar nossos aliados da organização do Tratado de Segurança Coletiva no aprimoramento das capacidades das forças armadas nacionais.

É importante manter o tema do Afeganistão na agenda das discussões da Organização de Cooperação de Xangai. Rússia, China, Índia, Irã e Paquistão juntos poderiam dar uma contribuição significativa não apenas para estabilizar a região, mas também para evitar que a ameaça se espalhe além de suas fronteiras.

A segurança de cada região, apesar das tendências gerais de um mundo multipolar, tem suas peculiaridades.

Para a África, a especificidade está no desejo dos países do Ocidente coletivo de retornar à ordem e regras de engajamento típicas do período colonial. O neocolonialismo é imposto por meio de pressão militar sobre governos de países soberanos e apoio a movimentos separatistas e terroristas. Um caso em questão é a Líbia, onde o estado ainda não foi restaurado após a invasão da OTAN. Outro exemplo é a situação na África Ocidental, onde tropas europeias foram mobilizadas sob o pretexto de combater o terrorismo. Durante décadas, essas missões da UE lutaram contra terroristas, treinando forças de segurança nacionais, até reconhecerem o fracasso total de seus próprios esforços.

Gostaria de salientar que os governos e líderes africanos estão se mantendo, como eles chamam, no contexto de um mundo multipolar, para perseguir sua própria agenda de independência, soberania, desenvolvimento econômico e capacidades de defesa.

O Ministério da Defesa da Rússia está buscando expandir a cooperação com os países africanos no campo da cooperação militar e técnico-militar. O interesse na participação de equipes nacionais e delegações da África nos Jogos Internacionais do exército e no IMTF “exército 2022” aumentou significativamente. É muito encorajador que comandantes militares proeminentes de nossos estados amigos – Burundi, Camarões, Guiné, Mali, Sudão, Uganda, Chade, Etiópia e República da África do Sul – estejam presentes neste salão hoje. Agradecemos seu apoio e pretendemos aumentar a cooperação em projetos mutuamente benéficos.

A América Latina hoje enfrenta sérios desafios de segurança por causa do desejo americano de manter influência na região sob as disposições da chamada Doutrina Monroe. Os valores liberais, cuja adesão é vista pelos EUA como concordando em viver em um mundo baseado em suas regras, de fato mascaram o verdadeiro objetivo – construir uma presença militar bloqueando a possibilidade de desenvolvimento soberano dos Estados.

A política dos EUA se concentra em dissuadir o envolvimento dos países da região com qualquer outro pólo de poder fora do controle de Washington. O objetivo desta política é envolver a região em um confronto com a Rússia e a RPC, destruir alianças tradicionais e bloquear novas formas de cooperação na esfera militar assim como nas esferas militar-tecnológicas.

Campanhas de informação anti-russas são lançadas na América Latina, escondendo a verdade sobre as causas e o curso da operação militar especial na Ucrânia. Analogias podem ser atraídas para as ações Britânicas durante o conflito nas Ilhas Falkland. O que está acontecendo na mídia ocidental hoje com a cobertura da operação militar especial russa também estava acontecendo quando a mídia transmitia coralmente apenas um ponto de vista – o de Londres.

Surge a pergunta: tais políticas são do interesse fundamental dos países da região? A resposta é um claro – não. Esperamos que durante as discussões da conferência possamos ouvir avaliações da situação na América Latina de nossos parceiros da Venezuela e da Nicarágua.

A décima Conferência de Moscou sobre Segurança Internacional tem uma importância especial para o Ministério da Defesa da Rússia como organizador do fórum por uma série de razões.

Em primeiro lugar, a conferência está ocorrendo durante a operação militar especial em andamento na Ucrânia. Apesar das tentativas dos EUA e da OTAN de isolar a Rússia mais uma vez, sua participação no fórum é uma confirmação visível de que esses planos entraram em colapso. Agradecemos seu apoio.

Em segundo lugar, um mundo multipolar é a realidade de hoje. A transição do domínio de um único líder global para vários centros de gravidade não é fácil. No entanto, isso cria condições reais para o desenvolvimento de estados soberanos.

Em terceiro lugar, o papel das agências militares está mudando nas novas realidades. Os militares não apenas garantem um ambiente seguro para o desenvolvimento econômico, mas, por meio da cooperação militar, criam previsibilidade e confiança entre os países.

Finalmente, esta é a conferência do décimo aniversário, que permite uma espécie de revisão do que foi alcançado ao longo dos anos. É importante observar como as prioridades das discussões mudaram e quais conclusões e recomendações do fórum foram postas em prática ao longo dos anos. Uma breve visão histórica, preparada por especialistas russos, pode ser vista nos monitores entre as sessões plenárias.

Desejo a todos boa saúde e contatos e discussões interessantes durante a sua estadia em Moscou.

Obrigado pela sua atenção.

Revisado do inglês para o português por Anna Malm.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter