Author`s name Olga Lebedeva

Beglov na pequena lista de governadores sob ameaça de demissão

Em Julho espera-se uma nova onda de "rotações gubernatoriais", que poderá atingir as cabeças de 5 a 10 regiões russas. De acordo com várias fontes, o governador de São Petersburgo Alexander Beglov, no meio do baixo nível de apoio à agenda patriótica e da decisão de aumentar os salários de si próprio e dos funcionários de São Petersburgo já está definido na lista dos cinco "líderes", tendo todas as hipóteses de se tornar um dos candidatos mais prováveis para "sair".

No sábado, 2 de Julho, uma série de telegramas alimenta informação publicada sobre outra "rotação gubernatorial" que poderá ter lugar novamente na primeira década de Julho e envolver entre 5 e 10 regiões. A este respeito, as eleições regionais poderiam ser agendadas já em 2023.

Na segunda-feira, os autores do Nezigar publicaram uma "lista restrita" de cinco governadores "em modo de mobilização", que incluía

Alexander Brechalov, chefe da República da Udmúrcia,

Chefe da República de Karelia Artur Parfenchikov,

Chefe da República da Crimeia Sergei Aksenov,

Chefe da República de Buryatia Alexei Tsydenov

e Governador de São Petersburgo Alexander Beglov.

Uma das principais razões para a inclusão de Alexander Dmitrievich na lista de chefes de regiões ameaçadas de demissão é, alegadamente, a elevada classificação anti-patriota do presidente da câmara da cidade, que impede a implementação de uma agenda patriótica na capital do Norte, no meio da operação especial das Forças Armadas russas para a desnacificação da Ucrânia.

"Segundo os peritos, Beglov, numa tentativa de compensar os fracassos, conseguiu que o Kremlin encomendasse a São Petersburgo o restabelecimento de Mariupol e do próprio governador "patrocínio", mas a possibilidade de obter os tão necessários dividendos políticos não é óbvia dada a falta de eficácia da política económica de Smolny e os fracassos na política de informação", escreve "Nezigar".

Vale a pena notar que o recente escândalo com a perturbação da exposição patriótica "Mariupol - Batalha pelo Mundo Russo" por funcionários da administração do distrito de Pushkin causou um amplo protesto público e ganhou atenção não só na agenda regional, mas também na agenda federal dos meios de comunicação social. No entanto, nenhuma acção decisiva foi tomada por Beglov, o governador de São Petersburgo, cuja cidade gémea Mariupol foi declarada como cidade irmã. A Comissão Russa de Investigação, o Ministério Público e o Serviço Federal de Segurança estão actualmente a investigar o incidente.

Outro indicador importante é o facto de o Governador Beglov estar sob constante crítica do público pelo trabalho insatisfatório da Smolny e dos seus comités subordinados na abordagem dos problemas sociais e municipais da cidade, entre os quais se contam o fracasso das reformas dos transportes e do lixo, a destruição da imagem histórica e dos sítios do património cultural de São Petersburgo com inacção e conivência da administração da cidade, e uma grave falta de infra-estruturas sociais. Além disso, a decisão do Presidente da Câmara de se pagar a si próprio e aos seus funcionários públicos 20% mais por "condições especiais de trabalho" desencadeou uma tempestade de negatividade, resultando numa nova onda de indignação do público.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter