Author`s name Olga Lebedeva

Peskov: os piores resultados do confronto com a Rússia estão à frente para os EUA

Os EUA estão a tomar medidas hostis contra a Rússia que são piores do que durante a Guerra Fria, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Segundo ele, todos os esforços de Washington contra Moscovo acabam por se revelar prejudiciais para si próprio, e os Estados Unidos acabarão por ser forçados a reconhecer os interesses legítimos de Moscovo.

"Ainda nem sequer estamos perto do auge da crise", disse Peskov aos repórteres quando questionados sobre os prejuízos económicos causados pelo confronto entre o Ocidente e a Rússia. - Ou melhor, não o fizeram. Estamos num estado mais estável graças às medidas macroeconómicas tomadas pelo governo".

O orador do Kremlin reconheceu que o actual nível de pressão sobre a Rússia era sem precedentes, observando que nada disto tinha sido feito "mesmo durante a Guerra Fria" contra a URSS ou nunca com qualquer outra nação na Terra:

"Os EUA e os seus aliados estão a tentar estrangular a Rússia com as suas restrições. As sanções anti-russas - isto é óbvio - criam-nos problemas, mas a longo prazo irão criar problemas igualmente graves para os países que aceitarem estas sanções", disse Dmitry Peskov, observando que os europeus já "sentiram mais do que os americanos, mas o fardo económico de enfrentar a Rússia irá aumentar para todos eles".

Ucrânia - ponta do iceberg

Um porta-voz do presidente russo salientou que as sanções, que criaram uma série de problemas, se deveram apenas em parte à crise ucraniana, pois os líderes ocidentais, tendo "cometido uma série de erros" nos últimos anos, criaram uma situação em que se tornou impossível para a Rússia e o Ocidente interagir no regime anterior.

"A partir de agora, Moscovo adoptará uma abordagem mais dura em relação aos EUA. Mas embora haja todos os motivos para cortar completamente as relações diplomáticas com Washington, depois de tudo o que fez, a Rússia não o fará, porque os EUA não vão a lado nenhum e nós teremos de viver com isso.

Embora permanecendo flexíveis em questões construtivas, defenderemos os nossos interesses e exigiremos que os EUA respeitem as nossas preocupações e interesses. Haverá alguma forma de comunicação", disse Peskov.

Uma condição para a normalização das relações

No entanto, o desanuviamento é possível, disse ele. Mas apenas com uma condição: se Washington abandonar a sua "política hegemónica nos assuntos mundiais".

"A Rússia não quer, não pode ser e não pretende tornar-se o vassalo de ninguém em qualquer sentido da palavra", salientou o orador. - Quando os EUA admitirem que só podem negociar com a Rússia com base no benefício mútuo e no respeito mútuo, chegará o momento de planear novos contactos.

Por agora, a hostilidade para com Moscovo é "um instrumento da política interna dos EUA" e tem desempenhado um papel em "provavelmente dez ciclos eleitorais anteriores" no país.

Quem e como gere a Casa Branca não é da nossa conta

Falando sobre as perspectivas das relações Rússia-EUA, Dmitry Peskov recusou-se a comentar o desempenho de Joe Biden como presidente dos EUA, dizendo que julgar os líderes estrangeiros não é da conta da Rússia.

"O nosso negócio são as medidas hostis tomadas contra o nosso país. Iremos confrontá-los".

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter