Author`s name Petr Ermilin

Quem usa fósforo e bombas de fragmentação na Ucrânia?

A Rússia nunca violou as convenções internacionais, disse o porta-voz oficial do Kremlin, Dmitry Peskov, comentando as observações do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky sobre as "bombas de fósforo russas".

Durante seu discurso em uma cúpula de emergência da OTAN, Zelensky anunciou que a Rússia usou bombas de fósforo na Ucrânia.

"Hoje, a propósito, havia bombas de fósforo pela manhã. Bombas de fósforo russas", disse ele, acrescentando que as pessoas foram mortas.

O uso de bombas de fósforo é proibido pela Convenção de Genebra, onde civis podem se tornar vítimas de tais atentados. As munições de fósforo causam queimaduras graves e intoxicações agudas.

No final de fevereiro, o Ministério da Defesa russo acusou os militares ucranianos do uso de munições de fósforo nos subúrbios de Kiev.

O Ministério da Defesa russo relatou o uso de outro tipo de arma proibida - as munições de fragmentação. Em meados de março, o DPR, e depois o Ministério da Defesa russo, relataram que as forças ucranianas lançaram um foguete Tochka-U com munições de fragmentação visando uma área residencial de Donetsk. Vinte civis foram mortos no ataque.

O uso de bombas de fragmentação é proibido pela Convenção sobre Munições de Fragmentação de 2008, pois elas não garantem ataques de alta precisão e podem explodir após algum tempo, quando no solo. Até 110 países são signatários da convenção. Treze países assinaram mas não a ratificaram. A Rússia e a Ucrânia não estão entre eles.

Mais da conferência de imprensa de Peskov em 25 de março:

Sobre as sanções contra os bancos russos:

"O Kremlin não vê uma ameaça ao setor bancário da Federação Russa, mas vê ações desesperadas de "sanção de tapete".

Sobre a conexão de laboratórios biológicos na Ucrânia com o filho de Biden:

"Exigiremos uma explicação, e não apenas a nós. A China também exigiu esclarecimentos. Os EUA falam sobre a ameaça efêmera do uso de armas químicas, mas estas são apenas tentativas de desviar a atenção do escândalo. É improvável que sejam bem sucedidos aqui. Muitas pessoas no mundo estão preocupadas com o que os EUA estavam fazendo e o que poderia ter acontecido por causa de toda esta pesquisa".

Sobre a possível recusa da Europa em pagar pelo gás em rublos:

"A Gazprom recebeu instruções do presidente para aceitar o pagamento em rublos. Dentro de uma semana, a Gazprom deve desenvolver um sistema transparente de como isto pode ser feito técnica e logisticamente. Esta informação será comunicada aos compradores".

No chamado de Biden para excluir a Rússia do G20:

"Os Estados Unidos continuam a pressionar sua linha para o isolamento da Rússia de forma bastante agressiva. O mundo é muito mais diversificado do que os EUA e a UE. Um grande número de países opta por uma abordagem mais sóbria do que está acontecendo. O formato do G20 é importante. Entretanto, enquanto a maioria de seus membros estiver em estado de guerra econômica conosco, nada fatal acontecerá. A Rússia estará pronta para participar, se possível".

No aniversário do bombardeio da Iugoslávia:

"Foi então quando a OTAN, e quando dizemos OTAN, dizemos os americanos, foram eles que começaram a bombardear os fundamentos da ordem mundial". Foi então que começou a erosão de todos os fundamentos da ordem mundial". Tudo isso levou à crise na segurança européia, que todos nós estamos vivenciando agora. Também estamos passando por esta crise junto com os europeus, que, em sua maioria, são agora hostis a nós. Os americanos - os instigadores - estão vivenciando esta crise em menor grau".

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter