Author`s name Igor Bukker

Ponto de atração: os olhos de todo o mundo estão voltados para a Sibéria na esperança de sobrevivência

É possível implementar a construção de novas cidades na Sibéria e no Extremo Oriente, por que os benefícios materiais não ajudarão nisso e como a Sibéria se tornará um lugar de atração universal, disse Sergei Karginov, deputado da Duma pelo Partido Liberal Democrático, primeiro vice-presidente da Comissão de Política Regional e Problemas do Norte e Extremo Oriente.

Ponto de atração geopolítica

- Sergei, Shoigu sugeriu a construção de novas cidades na Sibéria. Descobriu-se que 41% dos russos estão prontos para se mudar para lá, no entanto, com a condição de que os benefícios sejam fornecidos. Você acha que é realista dar às pessoas esses benefícios?

- Em primeiro lugar, 41% da população nunca irá. Sete por cento dos entrevistados estão prontos para sair sem quaisquer condições. Porque somos ousados ​​durante o período de discussão e na hora de tomar algumas decisões, as pessoas nem sempre estão prontas para implementá-lo.

A ideia em si está correta, realmente precisamos levantar a Sibéria e o Extremo Oriente, mas, infelizmente, atualmente é pouco realizável. Quando as pessoas foram entrevistadas, a maior parte delas definiu o apoio material como condições: benefícios, trabalho, salários. Quando tudo é construído em posições materiais, nunca realizaremos nenhuma ideia. Por exemplo, na Rússia Soviética, era realmente possível implementar uma grande massa de megastrões, megaprojetos. A ideia de elevar o país, a nação, melhorar as condições de vida não só da categoria que virá, mas de toda a comunidade mundial - essa foi a base dos projetos de construção do Komsomol. Deixando:

para Norilsk,

Magadan,

Cazaquistão,

Sibéria.

Na verdade, um resultado muito rápido e real ocorreu lá.

Agora, quando a economia está focada puramente em finanças e muitas vezes em atrair financiamento do exterior, e não usar reservas internas, dificilmente podemos falar de investimentos sérios em um campo vazio. Pegue qualquer empresário, ele nunca seguirá puramente a promessa do estado: o estado pode trapacear, um funcionário não pode completar a obra, e geralmente todo esse trabalho é feito em um longo período de tempo, e a necessidade de construir essas cidades não será mais claro. Esses territórios, recursos naturais, que deveriam ser usados ​​para um maior desenvolvimento, serão demandados mais tarde?

- Estamos falando de megacidades ou serão assentamentos de chalés?

- Uma vila caseira não é uma cidade. Pelo que me lembro, era sobre assentamentos de não menos que trezentas mil pessoas. Foi possível construir cidades-satélite perto de Vladivostok, inclusive em locais completamente vazios.

Veja para onde o mundo está indo. Se 30-35 anos atrás havia 60-65% da população rural e 35-40% da população urbana, agora o oposto é verdadeiro.

As megalópoles, como os aspiradores de pó, levam pessoas das áreas rurais e estão se expandindo cada vez mais.

Isso vai continuar, infelizmente, dado o desenvolvimento da tecnologia, o mundo tem trilhado esse caminho. As áreas metropolitanas serão conectadas entre si por rodovias de alta velocidade e, muito provavelmente, a área de residência será separada das áreas de produção industrial. Ou seja, eles serão retirados da área de moradia das pessoas, e as pessoas se moverão rapidamente entre esses assentamentos a uma velocidade de 700-800 km / h (existem tecnologias de até 5000 km / h). Ou seja, saiu para trabalhar - voltou ao seu território, e é aqui que se desenvolverão as esferas intelectuais e as oportunidades de lazer. A produção industrial será separada, e será o mais robótica possível.

Então, faz sentido criar mini-cidades agora? Talvez faça sentido criá-los para o bem da arca, pois com o enorme desenvolvimento dos processos tecnológicos, se uma pessoa não parar o modelo de consumo a tempo, podemos ser vencidos por uma crise ambiental ou algum tipo de desastre no planeta. Vemos que as condições meteorológicas estão piorando, há cada vez mais desastres, os vulcões estão despertando. O fator antropogênico que agora está presente no planeta Terra pode ter um impacto muito negativo no meio ambiente. Vamos todos desaparecer. Muitos especialistas dizem que a Sibéria vai sobreviver, pode haver algum tipo de ilha, um oásis. Portanto, eles se esforçam lá:

América,

Europa,

China.

Ou seja, é um ponto de atração geopolítica hoje.

De dito a feito

- Por que esse tópico foi levantado agora? Foi uma etapa pré-eleitoral?

- Inclusive foi uma campanha eleitoral, mas tenho certeza que Sergei Kuzhugetovich deu a sua ideia ou a ideia de um grupo de pessoas que pensa sobre isso. Repito que existe um certo grão racional, porque até a estrutura das velhas cidades está desatualizada. Devemos construir assentamentos de acordo com um modelo completamente diferente: tanto hidrovias quanto florestas sérias em novas cidades devem passar. Não há nada disso nas cidades antigas. Porque a categoria de pessoas que deseja preservar os valores arqueológicos será contrariada. Aqui está uma casa - não toque nela, não faça construções nas proximidades, não plante uma árvore a mais.

As cidades antigas não são adequadas para reconstrução. As novas cidades modernizadas que possam surgir servirão de referência para a construção de novos assentamentos e da construção da Rússia.

- Acontece que isso não é tão relevante, você ainda precisa pensar nessa ideia. Ou seja, não se trata de amanhã ou dos próximos três a cinco anos. Direito?

- Eu concordo totalmente. Então, eu me apegaria à ideia, realmente não é ruim por si só, mas talvez ultrapassando uma geração inteira. Claro que o fato de ser proposto já é bom, estamos discutindo. Vimos quantas pessoas estão prontas para mudar de vida, vimos pessoas que preservaram seu componente ideológico e que podem realmente ser os motores na implementação de novos projetos. Agora devemos abordar o uso racional de nossos recursos:

humano,

econômico,

financeiro,

para prosseguir com a implementação adicional de projetos.

Tópicos