Author`s name Igor Bukker

O plano de Putin ajudará a lidar com "confusão e histeria" na Europa

A Comissão Europeia está investigando queixas da Grécia, Espanha, Romênia, França e República Tcheca de que a Rússia está usando sua posição como um importante fornecedor para aumentar os preços do gás na Europa.

A Rússia é a culpada de tudo!

Numa declaração conjunta dos ministros da economia e das finanças dos cinco países da UE, propõe-se estabelecer:

regras gerais para o volume das reservas de gás;

melhorar a coordenação em aquisições;

vincular as tarifas de eletricidade ao sistema de comércio de emissões da UE;

levar a cabo reformas do mercado da eletricidade da UE.

Esta última proposta visa melhorar a relação entre o custo de geração de energia elétrica e seu preço final ao consumidor.

O preço do gás na Europa, de acordo com a bolsa ICE, na semana passada pela primeira vez na história ultrapassou US $ 1.000 por 1.000 metros cúbicos. Na abertura do pregão em 6 de outubro, o preço subiu para um novo recorde, ultrapassando US $ 1.600 por 1.000 metros cúbicos.

"Nossa avaliação inicial mostra que a Rússia está cumprindo seus contratos de longo prazo", disse Kadri Simson, Comissária Europeia de Energia da Comissão Europeia.

As acusações dos legisladores da União Europeia não são causadas pelo facto de a Gazprom alegadamente não cumprir as suas obrigações de venda de "combustível azul" ao abrigo de contratos a longo prazo, mas pelo facto de não os aumentarem.

Em sua opinião, isso leva a um aumento dos preços do gás na Europa, que subiu para níveis recordes em meio à oferta limitada e uma série de outros fatores.

Assim, o presidente do conselho de administração da "Gazprom" Alexey Miller atribuído a tais fatores um grande atraso na injeção de gás em instalações de armazenamento subterrâneo na Europa e demanda crescente.

Vladimir Putin apontou sucintamente duas razões para o caos de energia nos mercados europeus: "confusão e histeria". Durante reunião sobre questões energéticas em 6 de outubro, o presidente russo prometeu renovar o recorde de fornecimento de gás à Europa.

A Rússia é o maior fornecedor de gás para a Europa: em 2020, sua participação representava 43% das importações de gás para os 27 estados da UE.

Gás como alavanca política

Opositores da construção do gasoduto Nord Stream-2, que permitirá aos europeus receber mais 55 bilhões de metros cúbicos. metros de gás por ano, argumenta-se que a Rússia pressionou na tentativa de acelerar a aprovação desse projeto, recusando-se a fornecer gás adicional à Europa devido ao aumento dos preços.

Bruxelas deve publicar uma "caixa de ferramentas" na próxima semana que descreve as opções para os países responderem aos aumentos nos preços da energia, como subsídios ao consumidor e isenções fiscais de energia, medidas que alguns governos já implementaram.

Economizando energia

O kit de ferramentas também “fornecerá medidas que podem ser tomadas a nível da UE para melhor se preparar para situações semelhantes no futuro”, disse Simson.

Simson acrescentou que uma transição mais rápida para a energia verde seria a forma mais eficaz de proteger os consumidores na Europa de futuros aumentos nos preços dos combustíveis fósseis.

Os estados da UE estão se preparando para implementar uma série de medidas para reduzir as emissões mais rapidamente nesta década, incluindo impostos sobre combustíveis poluentes, um novo mercado de carbono para edifícios e transportes e um fundo de bilhões de dólares para ajudar os consumidores de baixa renda a investir em energia verde.

Tópicos