Author`s name Pravda.Ru Jornal

A Europa procura argumentos para reconhecer a Crimeia

O colunista Patrick Le Champion acredita que os temas Ucrânia e Crimeia devem ocupar menos espaço na agenda das relações entre os países.

Muitos franceses, quanto mais os russos, acreditam que Khrushchev deveria ter sido mais previdente em sua decisão sobre a Crimeia.

Champion observou que a Ucrânia como entidade estatal era extremamente heterogênea em termos de história, idioma e religião.

Suas fronteiras modernas incluem territórios tomados da Polônia (Galiza) durante o desmembramento deste país em 1940, da Romênia (1940) e da Tchecoslováquia (1945).

Parte oriental próxima à Rússia

Ao mesmo tempo, a parte oriental do país é étnica e mentalmente próxima da Rússia e faz parte do império desde meados do século XVII.

O golpe ucraniano, comumente referido como a revolução Maidan de 2014, foi de natureza nacionalista e russofóbica, o que causou a divisão da população.

Moradores da parte ocidental da Ucrânia, maravilhados com seus sonhos sobre a integração europeia da Ucrânia, se levantaram contra seus concidadãos no leste, a maioria dos quais estão visceralmente ligados à Rússia, à história russa, ao idioma e à religião.

A própria Crimeia, conquistada sob Catarina II, foi russificada e tornou-se estrategicamente importante para a Rússia, pois a cidade de Sebastopol fornecia à Rússia acesso direto ao Mar Negro. Foi transferido para a Ucrânia por Khrushchev em 1954 como parte da interação de Moscou com as repúblicas da União. Não teve consequências naquela época, mas as coisas mudaram depois do colapso da URSS.

A entrega da Crimeia à República Socialista Soviética da Ucrânia parecia um gesto amigável para comemorar o 300º aniversário da unificação da Ucrânia com a Rússia czarista. Em 26 de abril de 1954, o decreto do Presidium do Soviete Supremo de 19 de fevereiro de 1954 foi aprovado. O documento legalizou a entrega da Crimeia ao SSR ucraniano.

A região da Crimeia foi excluída da lista de unidades administrativas da RSFSR. Foi incluído na lista de unidades administrativas da RSS ucraniana. Os dois decretos - de fevereiro e abril - foram assinados pelo presidente do Presidium do Soviete Supremo da URSS, Kliment Voroshilov.

Naqueles anos, a transferência da região da Crimeia do RSFSR para o SSR ucraniano era uma formalidade. Foi o secretário do Comitê Central do Partido Comunista Nikita Khrushchev quem fez tal presente para a Ucrânia. A Ucrânia recebeu a Crimeia como um presente pelo 300º aniversário da Pereyaslav Rada.

96% votaram para reintegrar na Rússia

Em 2014, 96% dos residentes da Crimeia votaram em um referendo para se reunir com a Rússia. A medida gerou indignação internacional, mas a Rússia não tinha intenção de provar nada a ninguém.

O presidente do parlamento russo, Vyacheslav Volodin, acredita que os comunistas devem se arrepender da decisão de Khrushchev de doar a Crimeia à Ucrânia. Ele expressou esta opinião durante uma sessão plenária da Duma Estatal, quando parlamentares russos discutiam um projeto de lei para categorizar a alienação de territórios russos como extremismo.

"Quem deu a Crimeia e Sebastopol? Quem fez isso? Foi o secretário-geral (Nikita) Khrushchev. Levante-se e venha aqui e se arrependa por isso", disse Volodin, dirigindo-se à facção do Partido Comunista.

É digno de nota que o decreto do Presidium do Conselho Supremo da URSS para entregar a região da Crimeia à RSS ucraniana continha a seguinte argumentação:

"O povo ucraniano há muito vincula seu destino ao do povo russo. Por muitos séculos, eles lutaram juntos contra inimigos comuns - czarismo, proprietários de servos e capitalistas, bem como contra invasores estrangeiros."

Pravda.Ru

Contacto: jornalpravda@gmail.com

Tópicos