Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Reino Unido nega relatórios sobre fogo de alerta e bombas no HMS Defender

O Ministério da Defesa da Rússia entregou uma nota de protesto ao adido militar britânico em conexão com o incidente com o HSM Defender no Mar Negro.

Enquanto isso, o Ministério da Defesa britânico comentou sobre a situação com seu contratorpedeiro Defender, que violou a fronteira russa no Mar Negro.

Inocente?

O ministério postou uma mensagem em sua conta oficial no Twitter dizendo que o navio de guerra da Marinha britânica conduziu uma passagem inocente pelas águas territoriais da Ucrânia de acordo com o direito internacional.

Curiosamente, o Ministério da Defesa britânico negou relatos sobre um navio-patrulha russo abrindo um fogo de alerta contra o navio russo. De acordo com oficiais militares britânicos, não houve tais circunstâncias do incidente.

"Como é normal nesta rota, ela entrou em um corredor de separação de tráfego reconhecido internacionalmente. Ela saiu daquele corredor com segurança às 0945 BST. Como é de rotina, os navios russos obscureceram sua passagem e ela foi informada dos exercícios de treinamento em sua vizinhança mais ampla.

Não reconhecem alegação

"Acreditamos que os russos estavam realizando um exercício de artilharia no Mar Negro e avisaram a comunidade marítima de sua atividade com antecedência. Nenhum tiro foi direcionado ao HMS Defender e não reconhecemos a alegação de que bombas foram lançadas em seu caminho.

"Acreditamos que a Rússia conduziu exercícios de fogo de artilharia no Mar Negro e avisou a comunidade marítima com antecedência sobre suas atividades. O navio Defender da Marinha Real não foi alvo de tiros e não aceitamos as alegações de que bombas foram lançadas no caminho do destruidor, "Disse o relatório.

No início de 23 de junho, foi relatado que um bombardeiro Su-24M lançou bombas ao longo do caminho do contratorpedeiro britânico, que cruzou a fronteira do estado russo e entrou nas águas territoriais russas perto do Cabo Fiolent, com três quilômetros de profundidade.

O Ministério da Defesa da Rússia esclareceu mais tarde que às 12h23 o contratorpedeiro deixou as águas territoriais russas.

Pravda.Ru