Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

"Esperamos que o bom senso prevaleça em Washington"

Nikolai Patrushev, Secretário do Conselho de Segurança da Federação Russa
"Esperamos que o bom senso prevaleça em Washington",
8/4/2021, Entrevista ao jornal Kommersant, Moscou, n. 61 (trad. automat. revista)


As relações Rússia-EUA chegaram ao ponto mais baixo desde o fim da Guerra Fria. A situação já tensa foi ainda agravada depois de uma entrevista de Joe Biden, na qual o presidente dos EUA atacou fortemente seu homólogo russo, Vladimir Putin. O secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev, Nikolai Patrushev, secretário do Conselho de Segurança da Rússia falou à correspondente do Kommersant, Elena Chernenko, sobre as condições sob as quais Moscou está pronta para cooperar com Washington no futuro.

Elena Chernenko, de Kommersant - Permita-me começar pela Ucrânia. Nos últimos dias, a situação no Donbass agravou-se seriamente. A Rússia tem alguma "linha vermelha" que, se cruzada, os russos estariam prontos para agir abertamente no conflito na Ucrânia?

Nikolai Patrushev, secretário do Conselho de Segurança da Rússia - Não estamos construindo esses planos. Não. Mas estamos monitorando de perto a situação. Conforme a situação desenvolver-se ali, serão tomadas medidas específicas.

Kommersant - E o que, do seu ponto de vista, tem a ver com o atual agravamento da situação no Donbass?

Nikolai Patrushev - Estou convencido de que o agravamento é consequência de graves problemas internos na Ucrânia, cujas autoridades estão tentando, com os movimentos atuais, desviar as atenções. Eles resolvem seus problemas à custa do Donbass, enquanto o capital do país flui para o exterior há muito tempo, a economia ainda é sustentada apenas por empréstimos estrangeiros onerosos, a dívida está crescendo e os restos da indústria que conseguiam manter-se à tona, Kiev está vendendo estrangeiros, como dizem agora, a 'preços democráticos'. Até as famosas terras negras e a floresta ucraniana são transportados para o exterior por trens ferroviários, privando o país também desse bem. E em troca - só os sanduíches que os norte-americanos distribuíram no Maidan.

Kommersant - Sobre os americanos: quão sério foi o efeito, para as já tensas relações entre Moscou e Washington, da escandalosa entrevista do presidente norte-americano Joe Biden, na qual respondeu afirmativamente à pergunta de um jornalista, sobre se o presidente Putin seria "assassino"?

Nikolai Patrushev - Não gostaria de traçar paralelos, mas há exatamente 75 anos, em março de 1946, Churchill fez o famoso discurso de Fulton na presença do presidente Truman , no qual declarou que nosso país seria seu inimigo. Pouco tempo antes havíamos sido aliados na coalizão anti-Hitler. Foi o início da Guerra Fria.

Kommersant - Quer dizer que agora se aproxima uma nova era de longos confrontos à beira da guerra?

Nikolai Patrushev - Realmente não queremos isso.


"Os povos russo e americano hoje não têm motivos para inimizade, não estamos divididos, como antes, pela ideologia. E o campo de cooperação é vasto."


A demanda por nossa interação está crescendo em vista da pandemia, em cujo pano de fundo os desafios e ameaças à estabilidade global se intensificam. Há uma escalada de tensões militares e políticas em várias regiões, aumentam o terrorismo internacional e o extremismo, há uma exacerbação das contradições interestaduais, da pobreza, da fome, há difícil situação ecológica ... A lista pode ser continuada por muito tempo, e cada um desses problemas representa uma ameaça direta à humanidade.


"A situação política hoje é realmente desfavorável, as relações entre os dois países estão no seu nível mais baixo desde o fim da Guerra Fria. No entanto, a longa história das relações entre a Rússia e os EUA mostra que, em momentos decisivos, nossos Estados demonstraram capacidade de forjar cooperação apesar das diferenças."


Portanto, acreditamos que o bom senso prevalecerá em Washington e um diálogo substantivo russo-americano terá início sobre questões que, em princípio, não podem ser resolvidas de forma eficaz sem interação construtiva entre nossos países.

Kommersant - Ou seja, há disponibilidade para o diálogo do lado russo? Que perguntas poderiam ser discutidas em primeiro lugar?

Nikolai Patrushev - Em primeiro lugar, esta é a esfera da estabilidade estratégica e do controle de armas. Já existe um exemplo positivo aqui. É nossa decisão comum estender o Tratado sobre Armas Ofensivas Estratégicas (DSNV), o que certamente não foi fácil para a administração dos EUA. Tal conquista dá alguma esperança de que se estabeleça uma interação normal, apesar do fato de que as problemáticas são muito complexas em si mesmas e os nossos interesses nem sempre coincidem.

Kommersant - Com o governo do anterior presidente dos EUA, Donald Trump, não foi possível chegar a um consenso em quatro anos.

Nikolai Patrushev - Eles tentaram nos pressionar, impor soluções que seriam benéficas para apenas uma das partes - os EUA. Não podíamos concordar com isso, embora tenhamos mostrado disposição para fazer concessões. Mas não foi suficiente. Washington queria ditar seus termos para nós.


"Conseguimos chegar a um acordo com a nova administração do START muito rapidamente e nos termos que o lado russo apresentou desde o início."


Kommersant - 
Em que áreas a cooperação ainda é possível?

Nikolai Patrushev - Há um certo potencial de trabalho conjunto em questões como a luta contra o terrorismo internacional e o extremismo, o crime organizado e outros desafios e ameaças, bem como em uma série de tópicos regionais, incluindo a Síria, o assentamento no Oriente Médio, o problema nuclear da Península Coreana, as ações do Joint Comprehensive Plan (o chamado 'acordo nuclear do Irã', Kommersant).

Há uma demanda por cooperação em problemas humanitários agudos, como fome, poluição ambiental e luta contra a mudança climática. Não devemos esquecer o efeito desestabilizador da pandemia, campo em que também podemos trabalhar juntos.

Já é muito necessário discutir as questões de segurança cibernética, especialmente em vista das preocupações da Rússia e das acusações que nos foram apresentadas há vários anos.

Kommersant - Vladimir Putin enviou no ano passado uma proposta abrangente de cooperação no ciberespaço à Casa Branca. A nova administração demonstrou interesse por ele?

Nikolai Patrushev - Eles não querem cooperar conosco nesta área, acusando-nos de forma absolutamente infundada de ataques cibernéticos aos seus recursos. Não apresentam qualquer evidência do envolvimento das autoridades russas nestes incidentes, nem para nós nem para o público em geral, mas retratam a Rússia quase como o principal agressor no ciberespaço.

Kommersant - As autoridades americanas suspeitam da Rússia, que seus serviços especiais estão por trás do hacking do software SolarWinds, o que resultou no comprometimento de dezenas de milhares de dispositivos nos setores público e privado dos EUA.

Nikolai Patrushev - Essa é mais uma acusação indiscriminada contra nós. Nosso estado nada ter a ver com esse hacking. Não excluímos que hackers, incluindo aqueles que vivem na Rússia ou que têm cidadania russa, possam participar de certa sabotagem de computador, mas o estado russo nada tem a ver com isso. Dissemos várias vezes aos americanos: se vocês têm alguma suspeita, mande-nos informações específicas, e tomaremos as providências necessárias.

Kommersant - O senhor planeja manter os contatos com os EUA por meio do Conselho de Segurança da Federação Russa?

Nikolai Patrushev - Eles continuam. No final de março, em particular, conversei por telefone com o Assistente do Presidente dos EUA para Segurança Nacional, Sr. Sullivan ...

Kommersant - Por iniciativa de quem, aconteceu a conversa?

Nikolai Patrushev - Por iniciativa do lado norte-americano. A propósito, foi realizado em uma atmosfera calma e profissional, nos comunicamos de forma bastante completa e construtiva. Esses contatos estão ocorrendo tanto por meio de nossos representantes, como em nível de especialistas.


"Outra coisa é que o diálogo não se deve limitar a negociações formais. Existe também a chamada diplomacia de segunda via, e seu potencial é muito sólido. Quero dizer contatos entre as comunidades científicas dos dois países, no campo da cultura, arte, cooperação humanitária."


Essas áreas de parceria são muitas vezes relegadas injustamente para segundo plano. Mas é nesse nível que se lançam as bases do respeito e da confiança mútuos, cujo déficit se observa hoje nas relações entre Rússia e EUA.

Kommersant - Voltando à entrevista de Joe Biden. Ainda assim, gostaria muito de entender como aquela declaração, após a qual o embaixador russo nos EUA foi até chamado de volta a Moscou, afetará as relações bilaterais. É sem precedentes?

Nikolai Patrushev - Acho difícil lembrar de coisa semelhante, mesmo se levarmos em consideração os tempos do confronto entre a URSS e os EUA. Os oponentes mais fanáticos de nosso país, como Truman ou Reagan, sempre tentaram conter-se nas declarações públicas. Embora hoje, quando os arquivos americanos estão sendo gradualmente abertos, e veem-se publicados documentos pessoais de autoridades e associados, já entendamos o quanto, a portas fechadas, pregavam freneticamente, entre eles, a russofobia. Mas entenderam que a política tem seus próprios limites e eles devem ser respeitados. É verdade que não se pode descartar que o presidente americano foi deliberadamente provocado a dizer o que disse, por círculos interessados em manter a crescente tensão nas relações bilaterais ...

Kommersant - E depois disso, são possíveis outras reuniões de alto nível?

Nikolai Patrushev - Não queremos que este incidente prejudique essas perspectivas. No entanto, como eu disse, foi evento sem precedentes. Esperamos que Washington também compreenda a situação que se desenvolveu.

Kommersant - E agora? O Kremlin espera um pedido de desculpas?

Nikolai Patrushev - Não. Como mostra a prática, os americanos, em princípio, não são capazes de admitir que têm culpa em alguma coisa. Nunca o fazem em nenhuma circunstância ...


"Até Bush pai anunciou publicamente que a América nunca se desculparia com ninguém. Para a elite americana, é mais fácil, quando cometem enganos, trazer uma teoria sofisticada que explique por que teria sido fazer o que fizeram. Eu chamaria de Síndrome de Hiroshima."


Afinal, os EUA lançaram bombas atômicas no Japão, absolutamente desnecessárias, embora soubessem perfeitamente que o Exército Vermelho iniciava hostilidades contra o agrupamento japonês na Manchúria. Os EUA sabiam que Tóquio estava pronta para se render. E os japoneses, e na verdade o mundo inteiro, ouviram durante três quartos de século que os ataques atômicos eram inevitáveis. Os EUA chegam a expor o que fizeram como alguma espécie de punição 'de cima'. Lembra do que Obama disse em seu discurso nas solenidades do luto por Hiroshima? "A morte caiu do céu." E não queria dizer que a morte teria caído de um avião norte-americano por ordem do presidente americano. Estamos testemunhando o processo de reescreverem a história. Não surpreende que as crianças japonesas já praticamente nem tenham ideia sobre que país destruiu Hiroshima e Nagasaki. Há quem acredite até hoje que teria sido a URSS.

Kommersant - Voltando ao presente. O que Moscou espera de Washington? Gestos conciliadores?

Nikolai Patrushev: Avaliando as perspectivas para o diálogo Rússia-EUA hoje, precisamos ter uma visão sóbria das coisas.


"Já é tempo de admitir que, para o establishment americano, as relações com nosso país não são decisivas. A Rússia é vista exclusivamente pelo prisma da luta política interna."


E dada a natureza sem precedentes da situação interna nos EUA hoje, as previsões para um maior desenvolvimento das relações dificilmente poderiam ser chamadas de encorajadoras. No entanto, como eu disse, estamos comprometidos com o diálogo em áreas de interesse mútuo e esperamos que os EUA demonstrem o mesmo interesse.

Kommersant - As autoridades norte-americanas consideram a Rússia uma "ameaça" à sua segurança. A Rússia também vê os EUA como uma "ameaça"?

Nikolai Patrushev - Atualmente, vemos como principal ameaça a pandemia de Covid. Para os EUA, aliás, acabou sendo o momento da verdade. Os problemas que os políticos americanos escondiam de seus concidadãos tornaram-se óbvios, inclusive para desviar a atenção dos cidadãos norte-americanos para as lendas da "Rússia agressiva".


"Descobriu-se que a principal ameaça às vidas dos americanos não é a maldosa Moscou. Nos EUA, o número de mortos com a epidemia ultrapassou 560 mil pessoas - isso é, afinal, mais mortos do que nas duas guerras mundiais somadas.

Praticamente o mesmo número de norte-americanos morreram no conflito mais sangrento da história dos EUA, a Guerra Civil de 1861-1865. Claro que tudo isso aconteceu sem culpa da Rússia."


Ao mesmo tempo, a América considera-se no direito de ditar regras para todo o mundo, para determinar o destino da humanidade. Claro que surge a pergunta: um país que não foi capaz de proteger as vidas de mais de meio milhão de seus cidadãos, contra doenças, teria algum direito de ditar regras ao mundo?

Kommersant - Na Rússia, os números oficiais de mortes por coronavírus são cinco vezes menores - no patamar de 100 mil, mas afinal, Rosstat [serviço russo estatal de estatísticas] informa que, em geral, o excesso de mortalidade em comparação com o ano pré-pandêmico chega aos mesmos 500 mil. Não significaria que, quanto ao coronavírus, a situação da Rússia seja tão triste quanto a dos EUA?

Nikolai Patrushev - Temos estatísticas oficiais sobre mortes por coronavírus, e não há razão para não confiarmos nelas. Na verdade, não estávamos preparados para o fato de que tudo se desenvolveria desta forma, e tão rapidamente. Ninguém estava pronto para o que viria. Mas conseguimos. E agora estamos ajudando ativamente os outros, ao contrário dos EUA, que são egoístas. Enquanto isso, hoje está em nosso poder interromper a propagação do vírus em todo o planeta e salvar não milhares, mas milhões de vidas. Também graças às vacinas desenvolvidas por cientistas russos.

Em primeiro lugar, é claro, temos a vacinação de nossa população, mas ao mesmo tempo temos uma oportunidade e uma vontade cada vez maiores de compartilhá-la com todos, independentemente dos rumos políticos e de lugar no cenário mundial.

A Rússia nunca se envolveu em jogos políticos à custa da vida e da saúde das pessoas. Sempre olhamos a humanidade como uma única comunidade global que não pode ser dividida de acordo com a nacionalidade, raça, crenças religiosas. O Ocidente que decida se "Black Lives Matter" ou "White Lives Matter", qual matters mais ou menos. Para o nosso país, o único slogan correto é "Todas as Vidas Importam". Nossas vacinas são mais uma prova desse nosso entendimento.

Kommersant - A missão da Organização Mundial de Saúde (OMS) não encontrou vestígios da origem artificial do vírus. No entanto, ainda é difundida a versão de que a China teria provocado deliberadamente a pandemia.

Nikolai Patrushev - Sugiro que você preste atenção ao fato de que cada vez mais laboratórios biológicos controlados pelos EUA germinam aos trancos e barrancos no mundo. E, por uma estranha coincidência, germinam ainda mais abundantemente nas fronteiras russa e chinesa. Para muitos, não haveria qualquer dúvida de que sejam centros de pesquisa onde os americanos ajudam cientistas locais a desenvolver novas maneiras de combater doenças perigosas. Mas a verdade é que as autoridades dos países onde esses centros estão localizados não têm ideia real do que está acontecendo dentro das instalações e prédios.

Claro que nós e nossos parceiros chineses temos perguntas. Somos informados de que há estações sanitárias e epidemiológicas pacíficas perto de nossas fronteiras, mas por alguma razão elas lembram mais o Fort Detrick em Maryland, onde os americanos têm trabalhado no campo da biologia militar por décadas. E é sabido que surtos de doenças atípicas para essas regiões são frequentemente registrados nas áreas adjacentes daqueles laboratórios.

Kommersant - Você está dizendo que os americanos estão desenvolvendo armas biológicas lá?

Nikolai Patrushev - Temos boas razões para acreditar que sim, que esse seja exatamente o caso.

Kommersant - E o que as autoridades russas pretendem fazer a respeito?

Nikolai Patrushev - Vamos trabalhar com nossos parceiros, principalmente no espaço pós-soviético. Concluir acordos com eles sobre cooperação no campo da segurança biológica.

Quero lembrar a você que os americanos tampouco saem-se bem com armas químicas. Na sede da Organização para a Proibição de Armas Químicas, em Haia, não passa um dia sem que os americanos e seus aliados não inventem mais um capítulo de algum dossiê químico anti-russo.

Kommersant - Sim, eles acusam a Rússia de desenvolver e usar armas químicas, inclusive contra Sergei Skripal e sua filha Yulia, além de Alexei Navalny.

Nikolai Patrushev - Mas não há evidência nenhuma, nem argumentos, só alguma especulação, que não resiste a teste, por mais elementar. Lembro-me da pergunta clássica: quem são os juízes? A Rússia, de acordo com a OPAQ, destruiu todos os seus estoques de armas químicas, e até em tempo recorde. Mas... e quanto aos EUA? Inicialmente, tinham menos armas químicas do que a Rússia, cerca de um terço. Mas nós destruímos as nossas, todas elas. E eles mantêm as deles, guardadas. Destroem uma ou outra, claro, mas sem entusiasmo, com prazos agora ampliados até 2023, para algo que já deveria ter sido feito. E a OPAQ não está muito preocupada com esta situação, Washington não faz perguntas que, além do mais, são desnecessárias, porque a realidade é aparente.

Mas quando ocorreram incidentes químicos na Síria, as conclusões surgiram prontas, instantaneamente, consideradas só informações dos conhecidos "Capacetes Brancos". A organização funcionou tão "bem" que às vezes publicava relatórios antes mesmo de acontecerem os incidentes 'relatados'. É verdade que data e local do incidente mudaram, mas as 'conclusões' vieram prontas, por projeto, em todos os lugares, no caso de Bashar al-Assad e no caso da Rússia. Já se sabe que a fórmula dessas provocações: 'recompensas', pagas sob o pretexto de doações, aos dirigentes dos "Capacetes Brancos".

Kommersant - Na véspera da pandemia, a Rússia exortou o Ocidente a abandonar temporariamente as sanções contra a Síria, a Venezuela e outros Estados em situações humanitárias terríveis. Mas a iniciativa não encontrou resposta ampla. Por quê, na sua avaliação?

Nikolai Patrushev - Tem tudo a ver com a estratégia geopolítica que os EUA e seus aliados estão implementando: arruinar todo o planeta, como meio para preservar a própria hegemonia, como se fosse a única versão aceitável para a ordem mundial. Como o general de Gaulle certa vez disse com ironia: para aliar-se aos EUA, só se for em coluna de dois para dois. Do contrário, será ruim.

Direitos humanos, estado de direito, mercado livre, respeito pela soberania - esses são os valores que os ocidentais gritam em cada esquina. Mas o alardeado liberalismo ocidental é exclusivo para a elite. Com aqueles países que EUA e Europa 'definem' como não democráticos, a conversa é completamente diferente. Ali, os EUA podem criar o que queiram. Quaisquer sanções sob os pretextos mais insignificantes, imposição de empréstimos escravizadores, chantagens, confisco de bens, ingerência vergonhosa nos assuntos internos... E nem estou falando da caça a cidadãos de estados soberanos, lançada e movida pelo aparelho Judiciário dos EUA. Nesse caso, ninguém questiona a legitimidade. É algum tipo de método gangster, que nada tem a ver com o Direito internacional.

Se indivíduo ou estados tiverem o azar de cruzar o caminho das elites ocidentais, você pode ter certeza de que nenhum tratado internacional de imunidade ou leis progressivas sobre inviolabilidade da propriedade e sigilo bancário o salvará. O que aconteceu aos ativos da Líbia após o assassinato de Gaddafi? Para onde foram as reservas da Venezuela após a tentativa de derrubar o presidente Maduro? No Ocidente, ao que parece, já se tornou meio de vida, inclusive ao preço da ruína de outros países. Parece que os regimes coloniais há muito caíram, mas os hábitos permaneceram. Os americanos provavelmente se esqueceram que eles já foram colônia e que foram, eles próprios, arruinados pelos britânicos ...

Os EUA também nem sempre levam em consideração os interesses de seus parceiros ocidentais. Pelo menos foi assim com Trump. Biden, porém, prometeu retificar a situação e já está dando passos nesse sentido.


"No discurso, há essa expressão, 'ajuda americana'. O ator supostamente receberia alguma ajuda. Na verdade, só perde significativamente. Deus impeça que os países algum dia vejam tal ajuda."


Mas nada disso começou com Trump: começou com outro presidente, (Thomas) Woodrow Wilson, pres. EUA de 1913 a 1921). Se você se lembra, no final da 1ª Guerra Mundial, Wilson enviou tropas para a Europa para ajudar a Grã-Bretanha e a França. Quanto tempo decorreu antes de os alemães derrotados pagarem por essa 'ajuda' norte-americana? E também os britânicos e os franceses pagaram caro. As dívidas só foram canceladas quando Hitler anunciou que se preparava para marchar para o Leste.

Como Washington comportou-se com seus aliados da 2ª Guerra Mundial? No início de nossa conversa, lembramos de Churchill. Dessa vez falava dos americanos. "Sabíamos que nos tirariam a pele. Mas também nos tiraram a carne dos ossos." E disse isso quando os EUA forçaram-no a 'trocar' uma dúzia de bases militares nas colônias por, 50 contratorpedeiros enferrujados, que já estavam sendo desmontados e cortados para sucata. 'Solidariedade atlântica' é isso.

Kommersant - Mas isso foi há muito tempo. Agora os norte-americanos têm um modelo diferente de relacionamento com seus aliados, embora tenha sido seriamente testado sob Trump.

Nikolai Patrushev - O modelo ainda é exatamente o mesmo. Já não é segredo para ninguém que, para estados nacionais, especialmente os pequenos, aderir à OTAN equivale a perder parte da sua soberania. Alguns dos nossos parceiros da Europa admitem confidencialmente que compreendem perfeitamente a futilidade do rumo e dos movimentos anti-russos que lhes são impostos, mas nada podem fazer: Washington e Bruxelas decidem tudo por eles.

Argumenta-se que a aliança deva conter a Rússia. Falta ver quem, afinal, a OTAN está realmente 'contendo'. Parece que no momento da crise, seria o caso de suspender o agitar dos sabres, para assumir tarefas mais urgentes. Nada é feito assim. As despesas da OTAN aumentaram no mesmo ano; fazem-se apelos para reduzi-las a 2%. O resultado disso? O orçamento total da aliança já é 24 vezes superior ao orçamento militar da Rússia.

Kommersant - Mas isso só em números absolutos. Se se observa a diferença real de potenciais, não é tão significativa.

Nikolai Patrushev - Ninguém discute contra números absolutos. A pergunta necessária é: quem está 'contendo' quem? Washington e Bruxelas estão 'contendo' a Rússia? Ou a tarefa da OTAN é 'conter' o desenvolvimento da Alemanha, França, Itália e outros países europeus?

No geral, a OTAN dificilmente pode ser chamada de bloco político-militar. Lembra-se de como, nos dias do feudalismo, os vassalos eram obrigados a comparecer perante o senhor, cada vassalo com seu exército, logo à primeira convocação do senhor? Pouco mudou. Hoje ainda precisam comprar armas vendidas pelo senhor e, isso, independentemente de sua situação financeira. Quem não compra sem discutir levanta dúvidas sobre a própria lealdade ao senhor. Todos os candidatos à OTAN, incluindo os que participam em programas como a "Parceria para a Paz", devem ter isso em mente.

O objetivo de todas as iniciativas da OTAN é sempre o mesmo - evitar que atores soberanos levantem a cabeça e busquem políticas pragmáticas que visem a promover o próprio desenvolvimento.

Kommersant - Já que falando da Europa, gostaria de perguntar sobre a recente visita do chefe do serviço de política externa da UE, Josep Borrell, a Moscou. Ao retornar a Bruxelas, foi imediatamente criticado. - Disseram que teria cedido diante dos russos e que teria fracassado em sua missão. Em seguida, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, declarou que a Rússia estava pronta para romper totalmente com a Europa. Este é um cenário real?

Nikolai Patrushev - Apoio as palavras de Sergei Viktorovich [Lavrov]. Não bateremos a portas fechadas, mas estamos prontos para cooperar.

O envolvimento com a Europa é importante. Insistir em se manter com a Europa a qualquer custo não é solução para a geopolítica russa. Mas, sim, mantemos as portas abertas, porque compreendemos perfeitamente: há uma situação momentânea pela qual os políticos ocidentais se guiam; e, ao mesmo tempo, há laços históricos que se desenvolveram durante séculos entre russos e europeus. Não seria sensato separá-los só porque a conjuntura mudou. Estamos prontos para ver os parceiros europeus à nossa mesa, na solução dos principais problemas regionais. Estamos prontos para cooperar nas mais diversas áreas da esfera econômica, no campo da ciência, cultura e tecnologia. Hoje, em meio a uma pandemia, isso é especialmente importante. Agora que a Europa precisa de ajuda, muitos países europeus estão nos pedindo para compartilhar vacinas para salvar a vida de seus cidadãos. E se nossa ajuda for necessária, estamos prontos para fornecer as vacinas.

Kommersant - Na sua opinião, a cooperação com os EUA e a União Europeia, mais cedo ou mais tarde, será normalizada?

Nikolai Patrushev - Cada país determina suas prioridades nacionais e constrói uma linha no cenário mundial, como ache apropriado. O diálogo pelo diálogo e ainda pior, só para trocar censuras de um lado ao outro, penso eu, não interessa a ninguém.

Mas ainda partimos da premissa de que na difícil conjuntura internacional atual, o cenário de normalização das relações seria ótimo. Isso corresponderia não apenas aos interesses de Moscou e Washington. Seria melhor para toda a humanidade. Deixe-me enfatizar mais uma vez o que dissemos na abertura dessa conversa.

Há uma série de problemas no mundo de hoje que, em princípio, não podem ser resolvidos sem cooperação normal entre os principais atores mundiais - Rússia, EUA, UE, China e Índia.


"Não estamos mais na era em que um exército e uma marinha fortes bastavam para garantir a liderança global."

No mundo moderno, no longo prazo, só se beneficiam os países que promovem e implementam agenda positiva voltada, não para criar linhas divisórias, mas para unir os esforços da humanidade em prol do desenvolvimento universal e da prosperidade.

A Rússia propõe essa agenda e está pronta para agir conjuntamente para implementá-la.*******

Foto: By Adolph Northen - [1][2], Public Domain, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=298121