Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

A Independência da Ossétia do Sul e da Abcásia

Declaração do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Federação da Rússia - A Rússia reconheceu a independência da Ossétia do Sul e da Abcásia, consciente da sua responsabilidade de garantir a sobrevivência dos seus povos fraternos face à agressividade, chauvinista política seguida pelo Tbilisi.

Essa política é baseada no slogan "Geórgia para georgianos" avançado em 1989 por Zviad Gamsakhurdia que tentarou aplicá-lo em 1992, abolindo as autonomias no território georgiano e ordenando tropas para tomar Sukhumi e Tskhinvali para fazer respeitar práticas ilegais. Logo em seguida, Ossétia do Sul foi submetido ao genocídio. Os ossétios foram vítimas de abate e expulsão massiva.

Devido às acções de auto-sacrifício pelos povos subindo na revolta contra o agressor e os esforços empreendidos pela Rússia, tornou-se possível parar o derramamento de sangue, para negociar um cessar-fogo e estabelecer mecanismos para manter a paz.

Forças na Ossétia do Sul e da Abcásia foram criadas, respectivamente em 1992 e 1994, juntamente com a infra-estrutura institucional para facilitar a mediação da Rússia, estabelecimento de confiança e reabilitação social e económica e para abordar a solução de questões relacionadas com o estatuto político. Essas medidas foram apoiadas pela ONU e pela OSCE, que começaram a ser envolvidos no trabalho dos correspondentes mecanismos e enviaram os seus observadores para as zonas de conflito.

Apesar de certas dificuldades de manutenção da paz e de mecanismos de negociação contribuíram para alcançar acordos concretos. No entanto, as perspectivas de resolução que já estava na mira foram arruinadas, quando, no final de 2003, o poder político na Geórgia foi tomada, por meio de revolução, por Mikhail Saakashvili que imediatamente começou a ameaçar de recorrer à força para resolver as questões da Ossétia do Sul e Abcásia.

Em maio de 2004, forças especiais e tropas do Ministério do Interior da Geórgia foram implantadas na zona do conflito georgiano-osseta e, em agosto desse ano, tropas georgianas cercaram Tskhinvali e tentaram tomar a cidade. Com a mediação ativa da Rússia, o então primeiro-ministro da Geórgia Zurab Zhvania, e o líder da Ossétia do Sul Eduard Kokoity assinaram um protocolo cessar-fogo e, em novembro de 2004, um documento sobre as formas de normalizar as relações passo a passo.

Após a misteriosa morte, em fevereiro de 2005, de Zurab Zhvania, que foi um político de bom senso, Mikhail Saakashvili categoricamente rejeitou todos os acordos alcançados anteriormente.

Esse foi também o caso no que respeita à liquidação abkhaz com base no acordo de Cessar-fogo e Retirada assinado em Moscou em 14 de maio de 1994. Nos termos do acordo, forças militares foram mobilizadas na zona do conflito georgiano-abkhaz. Além disso, a Missão Observadora das Nações Unidas na Geórgia e o Grupo de Amigos do Secretário Geral das Nações Unidas sobre a Geórgia foram estabelecidas.

Após ter trazido, em 2006, o contingente militar georgiano na parte superior dos Kodori em violação de todos os acordos e decisões da ONU, Mikhail Saakashvili interrompeu os progressos no processo de resolução no âmbito destes mecanismos, incluindo a implementação dos acordos de março de 2003 entre Vladimir Putin e Eduard Shevardnadze sobre os esforços conjuntos para trazer de volta refugiados e estabelecer a comunicação entre Sochi e Tbilisi via caminho-de-ferro.

Mikhail Saakashvili continuou a ignorar abertamente os compromissos e acordos da Geórgia no âmbito da ONU e da OSCE e estabeleceu instituições administrativas fantoche para Abcásia e Ossétia do Sul, a fim de impulsionar o último prego no caixão do processo de negociação.

Todos os anos de Mikhail Saakashivili foram marcados por sua absoluta incapacidade para negociar, provocações contínuas e incidentes no palco das áreas de conflito, os ataques contra a Rússia na manutenção da paz, atitude depreciativa para os dirigentes democraticamente eleitos da Abcásia e da Ossétia do Sul.

Desde a eclosão dos conflitos na Abcásia e da Ossétia do Sul no início de 1990, como resultado de ações de Tbilisi, a Rússia tem vindo a fazer todo o possível para contribuir para a sua resolução com base no reconhecimento da integridade territorial da Geórgia. A Rússia tem tomado esta posição não obstante o facto de a Geórgia ter feito a proclamação da sua independência violando o direito da Abcásia e da Ossétia do Sul a auto-determinação. De acordo com a Lei da URSS, “relativamente ao processo de resolução das questões relacionadas com a secessão da União de uma República”, entidades autónomas que faziam parte da União das Repúblicas tinham o direito de resolver os próprios problemas da sua estadia no seio da União, e seu estado/estatuto jurídico, no caso da secessão da República. Geórgia impediu Abcásia e Ossétia do Sul do exercício desse direito.

Contudo, a Rússia seguiu a sua política consistente, efectuou a manutenção da paz e funções mediadoras de boa fé, procurou contribuir para alcançar a paz, respeitar os acordos, mostrou moderação e paciência, em caso de provocações. As nossas posições se mantiveram intactos até mesmo depois da declaração unilateral de independência por Kosovo.

Até ao atentado contra a Ossétia do Sul, na noite de 8 de agosto de 2008, que resultou em numerosas perdas humanas, inclusive entre os soldados da paz e outros cidadãos russos, e pela preparação de uma ação similar contra a Abcásia, Mikhail Saakashivili ele mesmo colocou em questão a integridade territorial da Geórgia. Usando repetidamente a força militar brutal de contra civis, quem, de acordo com suas palavras, gostaria de ver dentro de seu estado, Mikhail Saakashvili não lhes deixou nenhuma outra escolha senão assegurar sua segurança e os direitos a existir com a autodeterminação como estados independentes.

É praticamente impossível que Mikhail Saakashvili não soube as consequências da sua tentativa de resolver os conflitos em Abcásia e Ossétia do Sul pela força. Já em fevereiro de 2006, ele disse em uma entrevista: “Eu nunca irá dar uma ordem para iniciar uma operação militar. Não quero que as pessoas morrem porque sangue derramado na região do Cáucaso significa o derramamento de sangue não durante décadas mas sim, durante séculos”. Assim, ele sabia o que ele estava fazendo.

Não se deve esquecer-se sobre o papel daqueles que têm actuado em conivência todos esses anos com o regime militar de Mikhail Saakashvili, que forneceram armas para ele, em violação das regras da UE e da OSCE, que têm-no desencorajado de assumir as suas obrigações de não utilizar a força, que têm vindo a promover uma sensação de impunidade nele, nomeadamente, no que diz respeito às acções que visam o seu autoritarismo e destruir a dissidência na Geórgia.

Sabemos que em algumas fases os patronos de Mikhail Saakashvili no exterior tentaram impedir-lo de aventuras militares; no entanto, é óbvio que ele ficou completamente fora de controlo. Estamos preocupados com o facto de alguns não conseguirem tirar conclusões objectivas depois da agressão. A vaga esperança para a implementação da iniciativa conjunta dos presidentes da Rússia e da França de 12 de agosto de 2008, logo desapareceu no nada, quando na verdade Tbilisi rejeitou esta iniciativa, bem como os defensores de Mikhail Saakashvili falaram por ele.

Além do mais, os E.U.A. e alguns estados europeus prometeram a Mikhail Saakashvili a defesa da NATO, e falaram em reabastecer o regime de Tbilisi e até começar a obter novas transferências de armas. Este é um convite para ostensivos novos empreendimentos temerários.

Tendo em conta os apelos dos povos da Ossétia do Sul e Abcásia, e dos Presidentes dos Parlamentos de ambas as Repúblicas, a opinião do povo russo e ambas as câmaras do Presidente da Assembleia Federal da Federação da Rússia decidiu reconhecer a independência da Ossétia do Sul e da Abcásia e para concluir tratados de amizade, cooperação e assistência mútua com eles.

Fazendo esta decisão, a Rússia foi guiada pelas disposições da Carta das Nações Unidas, na Acta Final de Helsínquia e de outros instrumentos internacionais fundamentais, incluindo a Declaração sobre Princípios do Direito Internacional de 1970 relativo a relações amigáveis entre os Estados. Note-se que, em conformidade com a Declaração, cada Estado tem o dever de se abster de qualquer acção forçada que priva os povos do seu direito à autodeterminação e à liberdade e independência, nas suas actividades de aderir ao princípio da igualdade de direitos e de autodeterminação dos povos, e de possuir um governo que representa a pessoas pertencentes a todo o território. Não há dúvida de que no regime do Mikhail Saakashvili estão longe de estarem reunidos os elevados padrões estabelecidos pela comunidade internacional.

A Rússia tem bons e sinceros sentimentos de amizade para com o povo georgiano, e confia que Geórgia encontrará eventualmente os líderes dignos que poderiam mostrar o interesse apropriado no seu país e desenvolver relações mutuamente respeitosas, iguais, e de boa cortesia com todos os povos do Cáucaso. Rússia estará pronta para contribuir em todas as formas.

Ministério das Relações Exteriores

Federação Russa