Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Uma análise equilibrada da Cimeira de Mafra

A comunicação social ocidental, conclui-se, está na sua maioria contaminada por uma doença crónica, uma espécie de indigestão aguda provocada por uma Rússia forte, com políticas coerentes, uma Rússia de sucesso e sem vergonha, uma Rússia com um líder que fala a língua do direito internacional, sem hipocrisia. Há de admirar que ainda há pessoas que compram “jornais” cheios de alarmismos acerca da guerra fria, referências insolentes sobre assuntos internos da Federação Russa e chamadas de atenção gratúitas.

Enfrentando a negatividade da comunicação social ocidental

De uma vez para sempre, vamos enfrentar, uma por uma, as acusações que são reiteradas na comunicação social ocidental (e Portugal não é excepção) contra a Rússia.

Primeiro , Anna Politkovskaya e Aleksandr Litvinenko. O único ponto de ligação entre esses dois casos é o facto de ambos terem pisado os pés de mafiosos chechenos. Quem brinca com fogo…

Ainda por cima, há terroristas chechenos abrigados em países da União Europeia, a gozarem o estatuto de asilo político, a gozarem com as mães e pais de Beslan.

Segundo , democracia. Se a OSCE quer monitorizar as eleições na Rússia, então entidades fiscais da Federação Russa deverão vigiar e monitorizar processos eleitorais na União Europeia. Para aqueles que reclamaram a grande vitória de José Sócrates em Vladimir Putin ter aceite a ideia, a resposta: mas que grande disparate. Claro que Vladimir Putin aceitou a sugestão, por quê não haveria de a aceitar? Se Vladimir Putin se candidatasse à Presidência por um terceiro mandato, ganharia com uns 80% da votação, ou mais. Isso, claro, seria seguido por uma onda de histórias caluniosas na imprensa ocidental, que reclamaria que os apoiantes da coligação de Kasparov, aquele azeri com fascistas, ex-comunistas e Deus sabe o quê na sua comitiva, foram impedidos de votar.

A Rússia goza de uma democracia inteiramente assente na lei e a Rússia conduz a sua política interna, e externa, de acordo com a lei. A Rússia não anda a tentar ganhar pontos nos jogos assassinos de Washington, participando em actos de chacina no Iraque, e depois fingindo que só enviou para lá uns policiais. Todos os países que participaram e participam na invasão ilegal no Iraque são responsáveis pelos crimes por lá cometidos. Para os que falam da falta de democracia na Rússia, olhem para os seus tectos de vidro antes de atirarem pedras.

Terceiro , as “Organizações Não Governamentais” na Rússia, ONGs. O que o Kremlin fez, foi desenhar uma estrutura legal para os classificar, definir e proteger, obrigando-os a explicar exactamente o que faziam na Rússia, pois havia muitos elementos destabilizadores a operarem contra o Estado, promovendo e instigando sentimentos de nacionalismo em regiões onde havia mais recursos. O que fez o Kremlin foi traçar uma linha entre ONGs e agents provocateurs.

Quarto , a referência à crise de mísseis em Cuba. Vladimir Putin tinha razão. Como é que Washington pode propor estabelecer sistemas bélicos agressivos de mísseis nas fronteiras da Rússia quando há 45 anos, entrou em histeria por causa do plano soviético de colocar mísseis em Cuba? Ainda por cima, uma Cuba que tinha sido atacada por Washington?

Quinto, Kosovo. Kosovo faz parte da Sérvia há séculos. Kosovo é parte integral da República da Sérvia, ponto final. Kosovo não tem nada a ver com a União Europeia, com Lisboa, Bruxelas ou qualquer interesse que fosse, a não ser com Belgrado. Cabe aos sérvios e à Sérvia decidir o que faz no seu país. Nem cabe à U.E., nem a Portugal, nem a Bélgica, nem a Albânia. Se durante décadas albanesas foram para lá parirem, não quer dizer que é delas.

Sexto , quanto às referências constantes à época soviética…e depois? Qual é o problema que a comunicação social ocidental tem com a União Soviética, que trouxe vários povos de um estado feudal e miserável para a linha de frente em termos de desenvolvimento., mobilidade social, educação, ciência, cuidados de saúde, segurança de estado, transportação gratuita, emprego garantido, pensão garantido, bens essenciais garantidos, energia gratuita, comunicações a preços de bagatela, e muito, muito mais? E se a União Soviética tinha mísseis apontados ao Ocidente, foi porque desde o início, desde a Revolução Russa, desde a Guerra Civil, que o Ocidente tentou sempre sabotar o modelo soviético.

Não foi a União Soviética que andou 500 anos a saquear povos e recursos e reinos e países em continentes alheios…foi a União Soviética que providenciou a chama para estes povos reprimidos se libertarem do jugo dos países imperialistas e colonialistas, países que agora se queixam quando africanos ou latino-americanos vêm bater nas suas portas.

Uma análise equilibrada da Cimeira de Mafra

Já que a comunicação social ocidental se mostra incapaz de a fazer, vamos nós traçar uma análise equilibrada da Cimeira de Mafra.

Em primeiro lugar , quer que se goste, ou não, da política do Presidente Aníbal António Cavaco Silva, o Primeiro Ministro José Sócrates ou o Presidente da Comissão Europeia José Manuel Durão Barroso, há que lhes dar os parabéns pela excelente e inteligente atitude que demonstraram desde o início até ao fim desta Cimeira, em zelar na criação de um bome agradável ambiente, para ver se com um sorriso, se poderia quebrar o gelo que existia (principalmente na comunicação social).

E conseguiram. Nenhum jornal português, impresso ou online, referiu aos discursos de Presidente Putin na Rússia, em que repetidamente refere a Portugal como um belo exemplo em termos de desenvolvimento económico e aplicação de fundos. Os russos gostam dos portugueses, e o incremento em termos de turismo é prova disso. E gostam por quê? Porque os portugueses não são intrusivos, sabem deixar questões internas para lá e discutir questões que podem melhorar as relações bilaterais. Foi isso que o Presidente e Primeiro Ministro quiseram fazer, e fizeram-no muito bem. Portugal pode ter seus problemas em arranjar políticos à maneira, mas em termos de diplomatas, tem-nos amiúde. E de excelente qualidade.

Em segundo lugar, foi o Presidente Vladimir Putin quem sugeriu a criação de um Instituto Euro-Russo para a promoção dos direitos humanos e da democracia na Europa. Foi aceite a ideia de bom agrado entre os europeus. Qual seria o problema, então da OSCE vigiar eleições na Rússia, EUA ou qualquer outro país? A saber, a opinião e relatórios desta organização nas eleições presidenciais na Florida em 2000.

Em terceiro lugar , há que realçar, além do bom clima criado pelos dirigentes portugueses, a insistência por ambas as partes em referir à importância do crescimento das relações bilaterais, económicas e comerciais. A U.E. é o maior parceiro comercial da Rússia e a Rússia, por sua vez, o terceiro maior da União. Investimento da U.E, na Rússia representa mais que 30 biliões de EURO…estranho que esta mesma União se mostra tão reticente em facilitar investimento russo recíproco, que representa apenas 3 biliões de EURO. Há aqueles que pregam liberdade dos mercados, e há aqueles que a praticam. Por exemplo, em Outubro, a União Europeia introduziu medidas para proteger o seu sector de energia, dificultando a entrada de investimento estrangeiro neste mercado e a divisão do fornecimento de energia e infra-estruturas para a sua transportação. Estas duas medidas afectam o Gazprom, por exemplo, limitando a sua esfera de operatividade.

Em quarto lugar , houve um acordo sobre o fornecimento de energia, em que a Rússia se compromete a partilhar informações sobre o fluxo de gás, em caso de eventuais crises, para consolidar a confiança da Europa nas entregas da Rússia.

Em quinto lugar , a Federação Russa teve a oportunidade de reiterar seu apoio para um novo Acordo de Parceria e Cooperação com a U.E. (que expira no final de 2007 mas que pode ser estendido por um período de um ano), o que deverá ser mais fácil já que o Tratado de Reforma foi acordado entre os 27 membros da União em Lisboa.

Em sexto lugar , Vladimir Putin disse que a Rússia vai disponibilizar 122 milhões de EUR entre 2008 e 2013 para implementar programas de cooperação nas fronteiras entre a Rússia e a União.

Em sétimo lugar , as partes conseguiram continuar o processo de diálogo sobre a facilitação de vistos, tornando a sua obtenção mais fácil.

Para aqueles que se limitaram a referir a imagens da guerra fria e escrever editoriais sobre quão terrível é o urso russo, e nem sequer referiram a qualquer destes pontos acima referidos, só se pode questionar se sentem-se bem quando recebem o salário no final do mês. Deve ser como vender a alma ao Diabo.

Timothy BANCROFT-HINCHEY

PRAVDA.Ru