2023: Os que têm contra os que não têm

Um dos ódios de estimação da Mãe Natureza é a inércia, a complacência e a preguiça, pois estes três atributos tornam uma espécie incapaz de se adaptar. É aqui que nós estamos?

O escritor britânico Kingsley Amis disse: "A preguiça se tornou a principal característica do jornalismo, deslocando a incompetência". Poderíamos substituir a palavra "jornalismo" por "humanos".

As grandes e tremendas batalhas pelos direitos humanos haviam sido vencidas pela esquerda política, na terminologia de hoje, há um século. Até então a maioria dos países tinha sindicatos representativos, alguma forma de representação política eleita, sufrágio universal (o direito de todos a votar), educação universal pelo menos até a idade de onze anos, saúde universal, direitos das crianças, direitos dos trabalhadores, direitos das mulheres, bem-estar animal e aumento dos níveis de alfabetização. Mais tarde, o Welfare State proporcionou o direito a uma aposentadoria e uma pensão e aumentou a cobertura de saúde e educação, gratuitamente, para todos os membros da sociedade.

Depois dessas batalhas, a humanidade encolheu os ombros e se afastou. Trabalho feito, comida na mesa, teto sobre nossas cabeças, alguém mais pode cuidar dos problemas. A luta política eliminada, a classe política (cada vez mais profissional) tornou-se um substituto para o esforço. A indiferença. Sim, o que quer que seja.

"Para cada ação, há uma reação igual e oposta" (Isaac Newton 1642-1727). A declaração de Newton pode ser aplicada a outras áreas fora da matemática e da física. Pode ser aplicada à economia e à política, onde vemos um movimento reacionário constante que consegue destruir os direitos dos trabalhadores, hoje incluindo tentativas de asfixiar ou proibir greves e por trás das quais vemos interesses particulares varrerem os direitos pelos quais nossos avós deram suas vidas.

Tomemos, por exemplo, a área da educação, onde em muitos casos a pré-escola é paga, onde em muitos casos o ensino particular é a única opção para obter uma boa educação básica e onde na maioria dos casos o ensino superior se tornou um negócio em diferentes níveis, quanto mais alto você for, mais caro. Tente obter um mestrado ou um doutorado e você terá que pagar dezenas de milhares, ou então passar sem ele. Os que têm contra os que não têm.

O triste caso da Sra. B.

Tomemos, por exemplo, a área de saúde, na qual as seguradoras privadas estão desafiando o Sistema Nacional de Saúde como alternativa, e na qual os governos criam condições para que a alternativa (paga) ao Serviço Nacional de Saúde se torne mais atraente. OK Sra. B. Você terá que esperar nove meses por sua operação, mas nós podemos lhe encaixar na clínica na próxima terça-feira. Você tem seguro de saúde particular? Não, na verdade, I....er.....OK então você terá que esperar então. Mas eu já estarei morto nessa altura. Sim, desculpe!

Então, o que a Sra. B. pode fazer? Provavelmente ela deveria ter feito um mestrado, custando-lhe dezenas de milhares e ela poderia ter a possibilidade de pagar um seguro de saúde e evitar uma morte prematura. Mas ela não tinha as dezenas de milhares. Portanto, mais uma vez, os que têm contra os que não têm.

E isto está acontecendo em todos os lugares em todas as esferas da vida. Há cerca de um ano, você poderia comprar um monte de folhas de repolho de boa qualidade de uma banca de mercado, custando, digamos, 40 (unidades monetárias). A qualidade era tão boa que você podia usar cada uma das folhas e havia o suficiente para quatro refeições. Hoje, o repolho custa 85 unidades, você recebe metade em termos de quantidade e a qualidade é tão ruim que você joga metade dele fora antes de usar.

Veja a sua conta de eletricidade. Veja a sua conta de gás. Se você quiser um ataque cardíaco. Olhe a conta de seus remédios na farmácia. Quantas pessoas idosas têm que escolher qual remédio elas tomam, ou escolher entre aquecimento e alimentação?

Você pode ver onde isto está indo? Não é apenas na área de saúde e educação, está acontecendo em todos os lugares em cada serviço que é fornecido, até mesmo nos alimentos que comemos. E por quê?

Não-clalance. Inércia, complacência e preguiça

Em primeiro lugar, porque as forças reacionárias estão se desfazendo de nossos direitos dia após dia. Em segundo lugar, porque as pessoas as deixam. Em terceiro lugar, porque a mídia as deixa. Por causa da indiferença, inércia, complacência e preguiça.

Globalmente, a MainStreamMedia tende a reiterar os mesmos sons alimentados por aqueles que a controlam, e aqueles que a controlam não são sua Sra. Bs lutando para encontrar uma maneira de dizer a seus filhos que ela não estará aqui no próximo Natal; aqueles que a controlam são os donos das seguradoras privadas que sorriem quando você está pagando, mas franzem o sobrolho quando eles têm que pagar, os donos dos trusts que ganham milhões enquanto prestam serviços de má qualidade, os donos das corporações que transformaram a educação em um negócio. Ter dinheiro, vai sobreviver. Lei da selva, os que têm contra os que não têm.

A pura ausência de certas histórias no domínio público, a pura manipulação de outras e as meias verdades apresentadas, juntamente com reivindicações tendenciosas que excluem um lado e nada dizem sobre o contexto ou a história de uma história, são um lembrete chocante de que este tipo de mídia falhou miseravelmente em fazer seu trabalho, que é o de informar

Author`s name Petr Ermilin