China e Belarus - os principais aliados da Rússia em sua oposição aos EUA e à OTAN

A Rússia vem se preparando para a operação especial na Ucrânia há oito anos, inclusive na arena internacional. Houve dois eventos importantes ao longo do caminho. Um deles é um pacto tácito de assistência mútua com a China. O segundo foi feito pelo Ocidente.

Os principais aliados da Rússia - China e Belarus

Muitos provavelmente se lembram do rosto de Putin enquanto ele assistia à abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim no dia 4 de fevereiro. O Ocidente boicotou os Jogos diplomaticamente. Assim que as Olimpíadas terminaram, a Rússia deu início à operação especial na Ucrânia.

Pequim imediatamente se distanciou da avalanche de sanções que o Ocidente começou a impor contra a Rússia. A China assumiu uma posição pró-russa no Conselho de Segurança da ONU e passou a explicar as razões por trás da operação especial aos países que dependiam da China econômica e politicamente.

A China tem constantemente apontado os EUA e a OTAN como os principais instigadores das hostilidades. Xi Jinping disse pessoalmente a Joe Biden que a essência da crise ucraniana era sobre as preocupações de segurança da Rússia e da Ucrânia, enquanto que o problema surgiu devido às provocações dos Estados Unidos e à relutância de Washington em compreender as preocupações de Moscou.

O líder chinês enfatizou repetidamente a necessidade de abandonar as idéias de confronto interbloco e hegemonismo.

A posição de Pequim reduziu a coalizão anti-russa do Ocidente na ONU a cerca de 50 países que eram fortemente dependentes dos Estados Unidos.

Assim, a China proporcionou à Federação Russa um forte apoio político e econômico:

  • A China começou a comprar seus recursos energéticos e alimentos;
  • A China forneceu à Rússia exportações de bens que a Rússia perdeu no Ocidente (tais como microchips).
  • Acordo confidencial entre a Rússia e a China

O que Xi Jinping recebeu em troca? Xi obteve o apoio de Putin no futuro, quando a China começou a lutar pelo controle de Taiwan.

Owen Matthews, um "especialista pela Rússia", destacou em seu artigo que Putin e Xi se comprometeram a apoiar um ao outro. Além disso, Mathews escreveu que Moscou e Pequim, de forma semelhante ao artigo 5 da Carta da OTAN, que diz que um ataque a um membro é um ataque a todos, se comprometeram a prestar assistência militar um ao outro no caso de uma invasão estrangeira de seu território.

Matthews tenta minimizar o valor de tal acordo, mas a Rússia atribui maior importância à ajuda econômica, em vez da ajuda militar da China. A Rússia é uma potência nuclear que possui armas destrutivas hipersônicas e submarinas e dispõe de um forte recurso industrial.

Se o Ocidente invadir Taiwan, a Rússia poderá fornecer suas armas à China para repelir a agressão. Isto é evidenciado pelos exercícios militares, nos quais a Rússia e a China utilizaram um sistema conjunto de comando e controle. O sistema deu aos dois países níveis de acesso sem precedentes, o que indicava um alto nível de coordenação estratégica e militar.

Após o 20º Congresso do Partido Comunista da China, o ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi, disse que a China apoiaria firmemente o lado russo sob a liderança do presidente Putin na união do povo russo para superar dificuldades e obstáculos e realizar o objetivo estratégico de um maior desenvolvimento da Rússia como uma grande potência.

O movimento decisivo da Bielorrússia em direção à Rússia tornou-se outro evento político que tornou possível o lançamento da operação especial na Ucrânia. Até recentemente, Belarus estava tentando jogar os dois lados contra o meio. Entretanto, o presidente Lukashenko da Bielorrússia anunciou seu apoio incondicional à Rússia em sua luta contra o regime de Kyiv.

Em termos militares, Belarus garantiu a presença das Forças Armadas russas em seu território, uma oportunidade para levar Kyiv, avançar mais para a Ucrânia ocidental e abolir a ameaça de infiltração das forças da OTAN na Rússia pelo caminho mais curto.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin