EUA impedem o presidente peruano de tornar seu país invulnerável a revoluções de cor

O presidente peruano Pedro Castillo foi afastado do poder pelo voto do Parlamento por tentar cumprir sua promessa de campanha de reforma constitucional. As emendas tornaram o país mais resistente a crises políticas, e os Estados Unidos não puderam gostar disso.

Castillo impeachment por "incapacidade moral

O presidente peruano Pedro Castillo foi preso na quarta-feira depois que o parlamento o retirou do cargo depois de tentar demitir os legisladores por "abuso de autoridade". Na terça-feira, Castillo anunciou o estado de emergência e eleições da assembléia constituinte para lançar um referendo sobre a nova Constituição.

Os deputados peruanos acusaram o chefe do poder executivo de tentativa de golpe e concluíram com sucesso a terceira tentativa de impeachment contra o presidente em 18 meses, sob alegação de sua "incapacidade moral permanente".

Incapacidade moral permanente é uma cláusula que foi incluída na Constituição peruana há mais de 180 anos. Especialistas acreditam que a cláusula "não tem definição objetiva". No século XIX, o conceito significava "loucura", mas agora também envolve acusações de corrupção.

As forças armadas e os bispos católicos se recusaram a apoiar o presidente popularmente eleito. Castillo foi assim acusado de corrupção e plágio em cinco acusações, e depois de incitação à insurreição. Ele enfrenta até 20 anos de prisão.

O impeachment de Castillo foi aprovado por 101 votos de 130 deputados no parlamento unicameral. A Vice Presidente Dina Boluarte foi nomeada Presidente Interina. Ela servirá como Presidente até o término do mandato de Castillo, em 26 de julho de 2026.

De acordo com a mídia social, até mesmo os apoiadores de Castillo o traíram - membros do Partido Peru Livre (37 deputados) e a maioria dos ministros demissionários. De fato, Castillo acabou com o partido em junho. Ele também mudaria de ministro como meias devido ao choque de pontos de vista.

Naturalmente, sua diligência para dissolver o parlamento foi baseada em esperanças de apoio popular.

Que planos Castillo tinha

Após vencer as eleições presidenciais há 18 meses, o professor rural José Pedro Castillo Terrones enfrentou a oposição da maioria do parlamento. O governo também trabalhou para militar contra suas iniciativas. Eram iniciativas como:

  • criação de programas sociais para erradicar o analfabetismo e aumentar o investimento em educação até dez por cento do PIB peruano;
  • concessão de empréstimos a 2,2 milhões de pequenos agricultores com juros mínimos;
    criação de mecanismos de assistência técnica aos camponeses;
  • criação de 300 cooperativas camponesas sob a lei sobre cooperativas em áreas rurais;
  • estabelecimento do benefício Yanapay de 350 soles (cerca de US$ 84) para aproximadamente 13 milhões de pessoas em situações de vulnerabilidade social;
  • redução dos preços do gás doméstico em 11 soles ($2,8).

Emendas à Constituição previram, entre outras coisas, a exclusão da "incapacidade moral" como base para retirar o presidente do poder, bem como a exclusão da disposição de um voto de confiança no parlamento para impedi-lo.

Isto teria tirado o Peru da crise que o país vem passando desde 2016 com cinco presidentes no cargo em oito anos. Os Estados Unidos não queriam que isso acontecesse.

Washington precisa de um mundo instável

Os Estados Unidos reconheceram imediatamente o novo presidente e apoiaram o impeachment de Castillo.

Um porta-voz do Departamento de Estado americano disse que o governo estava "comemorando" a nomeação de Boluarte. Além disso, a Casa Branca elogiou as instituições civis e autoridades do Peru por "garantir a estabilidade democrática".

O presidente da Assembléia Nacional Constitucional Venezuelana, Diosdado Cabello, acusou os Estados Unidos de apoiar o impeachment de Castillo.

"Eles acabaram de encenar um golpe de Estado para o presidente peruano. Eles tinham uma declaração e tudo mais preparado com antecedência, e o vice-presidente estava apenas esperando", disse Cabello em um programa pessoal na Venezolana de Televisión (VTV).

Mais de 86% dos entrevistados não aprovam o trabalho do Parlamento do Peru, salientou Cabello, mas o mundo apoiaria o "programa encenado", acrescentou ele.

"O mundo não dirá nada, todos permanecerão em silêncio". Este é outro golpe de Estado instigado pelos Estados Unidos. Este é um ataque oficial contra o avanço das forças de esquerda na América Latina, este é o início de uma verdadeira guerra com o uso de truques e mentiras", disse ele.

O México na linha seguinte

O deputado mexicano Gerardo Fernandez Noronha do Partido Trabalhista também acusou os Estados Unidos de estarem por trás do golpe no Peru.

Em seu relato na mídia social, Noronha disse que os Estados Unidos estavam derrubando governos legítimos.

"Primeiro há uma lei contra Cristina Fernandez, agora há um golpe contra Pedro Castillo, o legítimo presidente do Peru". As forças corretas e o governo dos Estados Unidos retomam seu ataque aos governos populares", disse Noronha.

O deputado instou os compatriotas a estarem vigilantes - agora "eles virão" para o governo e presidente mexicanos, advertiu ele.

 

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin