Já esquecemos a violação da Rússia pela CIA durante os anos 90?

Hoje podemos testemunhar de forma totalmente clara como os EUA, com a ajuda de seu esquadrão de morte chamado NATO, arrastaram a Ucrânia para o matadouro a fim de ter um caminho mais amplo para a Rússia. Ou como disse Carl Gerhsman, chefe das atividades subversivas dos EUA, em setembro de 2014:

"A Ucrânia é nosso maior troféu, e um passo importante no caminho para derrubar Putin".

Estudaremos com zelo o que está acontecendo agora na guerra devastadora que os Estados Unidos iniciaram na Europa. Mas isso não pode nos impedir de colocar uma perspectiva histórica sobre a tragédia, e de lembrar o esforço genuíno dos EUA/NATO durante os anos 90 para tentar desmoronar a Rússia. Eles provavelmente teriam tido sucesso nisso se Vladimir Putin não tivesse chegado ao poder em 2000.

William Engdahl, um dos maiores especialistas geopolíticos do mundo, descreveu a devastação na Rússia durante a época de Ieltsin como um estupro gigantesco encenado pela CIA sob a direção de George Bush Sr. Tenure. Se você quiser ser preciso, você pode dizer que foi o segundo estupro consecutivo. O golpe de Estado realizado por terroristas judeus em outubro de 1917 dificilmente pode ser descrito como outra coisa que não seja um estupro da Mãe Rússia.

Os anos 80 foram conturbados para a União Soviética. A guerra no Afeganistão, onde os rebeldes foram apoiados pelos EUA através dos Mujahedin, tornou-se muito cara e pesada para o regime. E, essa guerra era em si mesma parte de uma guerra fria, que se tornou uma realidade através do abastecimento dos Estados Unidos logo após o fim da Segunda Guerra Mundial. Uma guerra fria com uma cara corrida armamentista na qual os EUA estavam sempre à frente, colocou a União Soviética de joelhos, o que também era a intenção dos EUA. A glasnost e a perestroika de Michael Gorbachev foram passos significativos na direção certa para a liberalização, mas a situação se tornou muito incontrolável no imenso país - e Gorbachev finalmente preparou uma verdadeira dissolução da União Soviética.

Durante este tempo, apareceu um homem das grandes extensões, ocasionalmente encorajado por Gorbachev. Seu nome era Boris Ieltsin. Ele se opunha ao sistema soviético e desejava uma liberalização muito rápida do império. O boato sobre ele rapidamente se espalhou pelos Estados Unidos e George Bush, que durante muito tempo teve uma rede de agentes da CIA e banqueiros ao seu redor, e achou isto muito interessante. Os chefes da CIA exportadores poderiam rapidamente ludibriar menos os dignitários soviéticos do KGB que não viam nenhum problema em trair seu próprio país. Assim foi formada a chamada família Yeltsin ou Máfia Yeltsin, que faria o seu melhor para derrubar a Rússia - ou como diz William Engdahl, "o estupro da Rússia" - durante os anos 90.

Em junho de 1991, a União Soviética foi abolida por Boris Yeltsin, com a assistência voluntária tanto da KGB como da CIA, que agora areja florestas de ouro e verde. O FMI (Fundo Monetário Internacional) também estava em segundo plano para garantir que tudo corresse mal.

Quando o golpe, que levou Ieltsin ao poder com a ajuda da CIA, foi realizado, Boris Ieltsin tinha enormes ativos na forma de matérias-primas de cromo, níquel, petróleo, gás, ferro e cobre. Era uma questão de imensos bilhões que um presidente alcoólatra russo cercado por ladrões coniventes e calculistas podia agora dispor. Liderado pelo professor de Harvard Jeffrey Sachs, a quem Bill Clinton havia dado a tarefa de realizar a terapia de choque para colocar as finanças na Rússia em ordem, começou o desmembramento da propriedade russa. Clinton, como você sabe, entrou na Casa Branca em 1993.

Foi chamado de terapia de choque e, com certeza, os cidadãos russos ficaram extremamente chocados quando perceberam o que estava acontecendo. Na verdade, era uma questão de lançar um massacre da economia e da sociedade russas, um ataque colossal a uma nação independente. A Rússia estava lutando com uma profunda crise econômica em grande parte causada pelos EUA e seus aliados forçando o país a entrar nesta crise econômica.

O capital era necessário em toda parte da sociedade. O Gosbank era o banco do regime e tinha certos recursos. O presidente do Gosbank era Viktor Gerashchenko. Em novembro de 1991, ele fez um discurso na Duma russa e disse:

"Tenho que informar a vocês, senhoras e senhores, que das talvez 3.000 toneladas de reservas de ouro estatais do Gosbank, temos uma estimativa de 400 toneladas que não podemos contabilizar".

Em seguida, ele prosseguiu dizendo aos parlamentares chocados que não tinha idéia para onde haviam ido as 400 toneladas em falta. Isto foi, é claro, uma mentira. De acordo com William Engdahl, ele já havia preparado um golpe em 1989, em consulta com a CIA e os velhos rapazes de Bush, criando a possibilidade de armazenar a reserva de ouro estrangeiro russo na ilha de Jersey. E Jersey estava, na época, fora do controle financeiro internacional.

Essas barras de ouro em fuga poderiam então ser convertidas em dólares que poderiam então ser emprestados ao Estado russo com bens de commodity como garantia, ou compras a preço de sucata de empresas. O poder dos oligarcas foi reforçado à velocidade do foguete. Também rapidamente, a classificação de crédito russa caiu e, nessa situação, o Fundo Monetário Internacional ficou sério e alterou a constituição russa para poder controlar os fluxos monetários. Eles queriam criar estabilidade econômica e derrubar a inflação altíssima, que era, por vezes, de 224%.

Isto aconteceu enquanto dezenas de fábricas fecharam e muitos desempregados em desespero tiraram suas próprias vidas. Isto é o que Vladimir Putin descreve como um gigantesco desastre geopolítico, uma catástrofe geopolítica. E Engdahl descreve claramente a situação:

  • "Portanto, é uma rede da CIA do começo ao fim, do lado bancário ao, você sabe, ao lado direto da CIA". Você tem Carter Beast, você tem "Buzzy" Krongard, Jonathan Bush e Alton Keel... e foram eles que trabalharam com a Valmet como o Riggs Valmet Bank em Genebra para retirar este dinheiro através de empresas de fachada".

Engdahl aqui menciona Jonathan Bush, que foi capaz de conseguir um bom negócio com o tesouro russo. Jonathan era por acaso o irmão de George Bush.

Caso contrário, foram os chamados oligarcas que ficaram à frente do massacre. E você não está completamente errado se assumir que estes pertenciam ao mesmo grupo étnico minoritário que constantemente invadia Ieltsin e que tinha boas conexões bancárias com o Ocidente. Podemos mencionar algumas delas:

  • Vladimir Gusinsky tornou-se rico em cobre
  • Roman Abramovich, um rico comerciante de petróleo
  • Boris Berezovsky, monopólio dos carros Lada
  • Michail Fridman, vários negócios
  • Alexander Smolensky, banqueiro
  • Vladimir Potanin, banqueiro
  • Mikhail Khodorkovsky, um comerciante de petróleo.

As características dos oligarcas não eram apenas um enorme capital, mas também uma poderosa influência política. No entanto, esta influência diminuiu significativamente desde que Putin tomou o poder.

É claro que a reputação do presidente Ieltsin entre a população russa caiu como uma pedra.

"Pouco mais de seis meses antes das eleições presidenciais, no outono de 1995, a situação era desesperadora para os reformadores na Rússia. A economia estava em caos, embora o governo tivesse conseguido reduzir um pouco a inflação em relação aos 224 por cento do ano anterior. Boris Yeltsin estava cada vez mais ausente quando não estava em importantes visitas ao estado e dirigindo orquestras militares, e seus números de popularidade flutuavam entre cinco e oito por cento. O candidato presidencial comunista Gennady Zyuganov começou a ver a si mesmo como um vencedor certo".

Nessa situação, os dois magnatas da mídia, Vladimir Gusinsky e Boris Berezovsky, decidiram reverter completamente a opinião pública a fim de conseguir que Ieltsin fosse eleito. Era importante para eles porque, caso os comunistas ganhassem, eles, os oligarcas, seriam forçados a desistir de todo seu saque e fugir do país em pânico. A operação foi bem sucedida, talvez graças ao fato de que a CIA colocou à disposição dos oligarcas uma série de consultores de mídia e um grande número de subornos aos milhões. Boris Yeltsin ganhou 52% dos votos e conseguiu continuar destruindo a Rússia para o deleite das potências ocidentais.

Os oligarcas gananciosos não tinham interesse em melhorar as condições do país, e as condições degradavam-se muito rapidamente como normalmente acontece quando barrigas gananciosas lutam pela mesma torta. Houve desacordo sobre os últimos pedaços e peças que desapareceram quando o estado russo faliu em agosto de 1998. Quando o homem da KGB Vladimir Putin chegou então ao poder, tudo mudou. O pacato homenzinho acabou se tornando um homem de aço. Os dados do FMI sobre a economia russa desde os anos 90 de Ieltsin até Putin assumir o poder em 1999 mostram que a renda per capita caiu em 40%. Isso é mais do que o que aconteceu nos Estados Unidos durante a Grande Depressão, que não foi derrotada após dez anos.

Desde que Putin assumiu o poder, a renda per capita aumentou em 115%. Isto aconteceu apesar do fato de que durante vários anos a Rússia esteve exposta à guerra econômica e midiática por parte das potências ocidentais.

Voltamos alguns anos atrás para ver para onde foram a União Soviética e o Pacto de Varsóvia. Eles não foram fáceis de encontrar porque em 1991 ambos haviam se dissolvido e desaparecido em um buraco negro. A esperança lógica então surgiu entre as pessoas que pensavam que a OTAN desapareceria pelo mesmo buraco, ou subiria em fumaça. Mas lá eles vieram à vergonha. Um esforço febril ocorreu no Ocidente para justificar a continuação da existência da OTAN através de mentiras, e, foi dito, a fronteira da OTAN não seria deslocada um centímetro mais para leste, os então 16 Estados membros seriam uma garantia disso.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin