A Europa não hesitará em sacrificar a Ásia em meio à luta por combustível

Os países da UE só superarão a crise energética na véspera da nova estação de aquecimento se sacrificarem seus parceiros na Ásia e tirarem seus suprimentos de gás natural liquefeito.

Devido a uma forte redução nas importações de energia da Rússia e a incapacidade de chegar a um acordo sobre um aumento no fornecimento de gás após as explosões de três cordas dos sistemas de gás Nord Stream, os mercados globais verão uma luta feroz pelos navios-tanque de GNL, acreditam os analistas da Bloomberg.

Os eventos das últimas semanas já levaram a um aumento nos preços da energia e a um aumento no custo de seu transporte.

Em um esforço para garantir o descarregamento ininterrupto de navios-tanque de GNL, a Europa despertou incertezas no setor energético asiático. A sobrevivência dos consumidores europeus dependerá em grande parte do nível de demanda de gás, que só será possível reduzir se os preços altos causarem o declínio da demanda.

Além disso, o Ocidente coletivo terá que lutar contra o Oriente pelo abastecimento de GNL. O confronto só se tornará mais intenso no inverno.

A situação atual no mercado de gás natural liquefeito é a seguinte: aqueles que podem oferecer o preço mais alto receberão o combustível. Isto deixa países pobres, como o Paquistão, por exemplo, para trás. Esses países não estão em condições de fechar licitações para fornecimento de energia, mas precisam de portadores de energia não menos do que outros compradores.

Muitos países asiáticos já dizem que os problemas com o fornecimento de GNL têm ficado mais fortes ultimamente. O crescimento dos preços é uma das razões. Os estados ricos da UE podem pagar muito mais. Como resultado, os fornecedores enviam navios-tanque para lugares onde podem obter um lucro tangível.

Representantes do Paquistão, Bangladesh e até mesmo da Índia já relataram problemas com o fornecimento de combustível. Todos eles disseram que não seriam capazes de pagar o preço que os estados da UE podem pagar.

A situação ainda não chegou a um ponto crítico. O "ponto crítico" pode chegar muito rapidamente, embora possa ser passado muito rapidamente.

A União Européia pode admitir a existência do problema no nível da retórica oficial, mas os funcionários da UE já preferem não destacar muito o problema.

Na prática, os governos da UE farão tudo para garantir o fornecimento de energia a seus países. Quanto aos outros Estados, a UE simplesmente desconsiderará suas necessidades.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin