Lavrov na Assembléia Geral da ONU: Não mais excepcionalismo e mundo unipolar

O Ministro das Relações Exteriores russo Sergei Lavrov, falando na 77ª reunião da Assembléia Geral da ONU, explicou a posição da Rússia sobre questões-chave internacionais e falou separadamente sobre o conflito na Ucrânia e as relações da Rússia com o Ocidente.

Após o discurso, Lavrov deu uma grande coletiva de imprensa.

O Ocidente rejeitou arrogantemente as propostas de segurança da Rússia.

"O conflito em andamento na Ucrânia vem como uma consequência da incapacidade do Ocidente de negociar com a Rússia e resolver problemas de segurança coletiva", disse Lavrov, lembrando aos participantes da Assembléia Geral da ONU que "todas as tentativas repetidas de Moscou para estabelecer regras de coexistência foram ignoradas". Em dezembro de 2021, a Rússia recebeu uma resposta negativa arrogante a suas propostas, disse o ministro.

"É óbvio para qualquer observador imparcial: para os anglo-saxões que subjugaram completamente a Europa, a Ucrânia é apenas material dispensável na luta contra a Rússia", disse Lavrov.

Lavrov aprofundou a questão na conferência de imprensa, observando que Moscou já vê os Estados Unidos e seu bloco da OTAN como partes do conflito em andamento na Ucrânia.

"Recentemente, os militares ucranianos admitiram que o Pentágono estava selecionando alvos para greves", explicou Lavrov. "O que é isto, senão a participação direta na guerra?"

Os referendos nas regiões ucranianas correspondem aos desejos de Kyiv

O chefe da diplomacia russa também abordou o tema dos referendos no DPR, LPR e nas partes controladas pela Rússia das regiões Zaporozhye e Kherson da Ucrânia.

"A votação já causou histeria na Ucrânia e no Ocidente, o G7 prometeu ainda mais sanções anti-russas". Entretanto, os referendos vão completamente de acordo com os desejos de Kyiv", sugeriu Lavrov. "Aqueles que vivem lá reagem ao que o presidente Zelensky lhes recomendou fazer em agosto de 2021. Ele então aconselhou que todos os que se sentem russos deveriam "ir para a Rússia". Isto é o que os residentes destas regiões estão fazendo agora".

O excepcionalismo dos EUA chega ao nível de deus

Lavrov disse que após o colapso da URSS, o desejo de Washington de domínio global e excepcionalismo atingiu "alturas sem precedentes, o que levou a numerosas guerras agressivas e ceifou a vida de muitas centenas de milhares de pessoas em todo o mundo".

"Ao proclamar a vitória na Guerra Fria, Washington elevou-se à categoria de mensageiro de Deus na Terra que não tinha obrigações, mas apenas um direito "sagrado" de agir impunemente em qualquer lugar que lhe agradasse".

Qualquer nação pode se tornar vítima das ambições de Washington se de alguma forma irritar os "autoproclamados mestres do mundo". Ele se referiu ao destino da Iugoslávia, Iraque, Líbia e "uma série de outros países" como exemplo.

A UE desliza para a ditadura

Lavrov acredita que a UE, sendo "escravizada" pelos EUA, mostra sintomas similares de excepcionalismo e arrogância.

Como exemplo, o ministro russo se referiu às recentes observações da chefe da Comissão Européia, Ursula von der Leyen, que ameaçou a Itália com conseqüências se candidatos de direita chegassem ao poder no país como resultado de eleições.

"Isto é arrogância, um sentimento de impunidade, excepcionalismo". Somente eles têm o direito de fazer tais julgamentos". O que a Sra. Von der Leyen disse sobre as eleições na Itália foi espantoso", disse Lavrov, acrescentando que ele não se lembrava de tais ameaças do líder da UE antes .

De acordo com Sergei Lavrov, a UE está se tornando uma entidade autoritária, rígida e ditatorial.

O fim do mundo unipolar está se aproximando

"Apesar de todos os esforços feitos pelos Estados Unidos, sua era de domínio está terminando e o mundo unipolar está desmoronando", disse Lavrov, enfatizando que o futuro da ordem mundial estava sendo decidido agora.

A questão é se esta ordem terá uma supremacia que obrigue todos a viver segundo suas próprias regras que só são benéficas para eles, ou será um mundo verdadeiramente "democrático, justo, sem chantagem e intimidação de pessoas censuráveis, livre do neonazismo e do neocolonialismo".

Moscou se apega firmemente à segunda opção, acrescentou Lavrov.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin