Author`s name Petr Ermilin

Eleições italianas abaixo do esperado

As eleições gerais serão realizadas na Itália em 25 de setembro. A poucos dias das eleições e a Itália terá um novo parlamento, um novo governo e um novo primeiro-ministro.

As pesquisas dão à coalizão de centro-direita soberanista como a favorita:

  • Forza Italia (o velho e inabalável Silvio Berlusconi),
  • Lega Nord (Liga do Norte - Matteo Salvini, um pouco manchada e em declínio no apoio)
  • e Fratelli d'Italia (Brothers of Italy by Giorgia Meloni).

Em particular, o partido fundado em 2012 pelo senador Meloni parece realmente desfrutar de uma exploração de apoio que me levará a ser Giorgia a primeira ministra e, portanto, a primeira mulher a ocupar esta cadeira na história de nossa república.

Mas por favor: não a comparem com Margaret Thatcher. É muito cedo e "Eu sou Giorgia" também é mais curta do que a velha Maggie.

Assim, a esquerda sairia derrotada da votação de 25 de setembro e o Partido Democrata Italiano (o antigo Partido Comunista Italiano) acabaria por se juntar à oposição junto com alguns pequenos partidos organizados em listas centradas em um único frontman e constituindo as atuais metástases naturais do que já foi o partido dos trabalhadores e proletários. Não que estar na oposição mude alguma coisa para nossos antigos comunistas convertidos ao mercado livre: de fato, é melhor, para que eles possam governar sem responsabilidade, como têm feito na maioria das vezes desde a investigação "Mani Pulite". Os dias da propriedade privada como um crime imperdoável passaram claramente e hoje, no mundo fluido do gênero e do aquecimento global, é melhor escolher Mario Draghi como mestre e o dinheiro como Deus, talvez junto com a falsa ciência das vacinas experimentais impostas pela chantagem durante uma psicopandemia.

A Direita (sic) não é muito melhor, mas pelo menos não se apresenta como a parte do theGoodOnesTM, que tem como solução para cada problema um sorriso (não muito) cativante do arco-íris.

Há uma terceira fila na corrida, porém, que tem pouca ou nenhuma chance de sucesso: é a galáxia das "forças anti-sistemas" (sic) que, porque todas elas estabeleceram um objetivo fácil de alcançar, se apresenta fragmentada e dividida em vez de ser um bloco único e compacto.

Gianluigi Paragone fundou seu partido Italexit em 2020, depois de ser expulso do Movimento 5Stars devido a desacordos políticos com seus antigos camaradas políticos e declara que quer tirar a Itália da Europa como Boris Johnson fez com a Inglaterra. Mas a Itália de Paragone não é a Inglaterra de BoJo, e não basta dizer que ele é contra as vacinas obrigatórias e o Green Pass dos nazistas.

Também Vita (Life) de Sara Cunial (outra antiga 5Stars) é contra as vacinas compulsórias e o Green Pass, é contra o apoio à Ucrânia também, mas não é franco sobre a saída da Itália da Europa.

Itália Sovrana e Popolare (Itália Soberana e Popular) pela dupla Francesco Toscano e Marco Rizzo reitera os temas dos dois outros movimentos e enfatiza a necessidade de nosso país ser independente, soberano, na Europa e no mundo. Toscano é um conhecido jornalista italiano e Rizzo é um velho comunista ortodoxo. Talvez um par estranho mas, se acreditamos em suas intenções, por que eles não se juntaram aos outros dois partidos da oposição? É uma pergunta que também se aplica à Italexit e à Vita, claramente.

Portanto, em vez de ter um bloco único e compacto com nomes valiosos (por exemplo, o Dr. Andrea Stramezzi que é candidato com Italexit ou a advogada Renate Holzeisen que é candidata com Vita e estava muito empenhada em defender pessoas que rejeitavam imposições de vacinas), temos um todo incoerente e fragmentado. Quando se trata de pureza, há sempre alguém mais puro do que você que o purificará. E assim, um candidato era um maçon, outro um fascista, outro falsamente anti-sistema, outro simplesmente louco ou antipático, e assim por diante. A ação política dos novos, eventuais, parlamentares será, portanto, inevitavelmente tão limitada e fragmentada quanto o bloco virtual ao qual eles pertencem. Em última análise, isso beneficiará mais suas contas bancárias do que nosso país, e isso porque eles vão sozinhos, sem a coordenação de um partido real para contê-los e unificá-los.

Há também um quarto bloco, o dos desiludidos, que não votarão. Aqui os números esperados variam, chegando até a 60% de abstêmios. As eleições gerais não têm um quorum mínimo para serem válidas. Poderia haver 95% de abstenção, mas a eleição ainda seria válida e os 5% restantes ainda determinariam o novo parlamento e governo. Portanto, tenha cuidado para não sair e votar.

E os programas políticos?

A direita e a esquerda são idênticas na política externa: Atlanticismo, lealdade a Washington e Natostan, apoio total à Ucrânia atacada pelos cripto-fascistas-comunistas que vivem no Kremlin, em cujos corredores sombrios e sinistros vagueia o baba jaga Putin. E assim, enquanto Volodymyr Mahatma Gandhi Zelens'kyj pode continuar tocando piano com seu pênis e fazer algumas linhas de cocaína quando está muito estressado pelos esforços de conduzir uma guerra por procuração, os italianos terão um inverno horrível graças aos governos que continuam as sanções contra a Rússia, sanções que são um martelo nos pés italianos e não nos russos.

Teremos um inverno horrível com um contínuo derramamento de lojas, ginásios e pequenas e grandes fábricas fechando por causa do disparo das contas de gás e eletricidade, casas frias ou mal aquecidas se não escuras. Teremos pouca luz e pouco gás, mas muito mais desempregados e o inevitável, democrático, trunchetes policiais sobre manifestantes em protesto.

Dizem-nos que este é o preço da democracia, mas não é: é o preço da demência que reina em Washington e Bruxelas e a contínua subserviência de nosso país a todas as organizações internacionais às quais ele adere. É o preço de ter governos de merda.

Passar de "lavar as mãos com freqüência" para "tomar alguns banhos, mais curtos e com água fria" realmente só levou um momento....

Na política interna, theGoodOnesTM se declara fiel à "Agenda Draghi", que é então a agenda Soros e assim... mais imigração!, mais cortes no orçamento!, mais austeridade!, mais todas aquelas outras coisas que transformaram a Itália, outrora um país muito próspero, na latrina próxima da Europa.

A Direita, sob a liderança de "Eu sou Giorgia", confirmou que seguirá... a "Agenda Draghi". Ou talvez não. Não está claro. Certamente a Senadora Meloni jura pelo céu e pela terra que não tocará na lei do aborto e seu governo não fará nada que trace a decisão da Suprema Corte dos EUA sobre a decisão da Roe-Wade.

Os programas dos dois principais blocos são tão semelhantes que, de fato, são indistinguíveis. Tenho a impressão de que ambos os lados estão jogando para perder, porque será melhor estar nas fileiras da oposição do que no governo, quando os nós se tornarem tragicamente mais difíceis nos próximos meses. Infelizmente, eles não podem sentar ambos na oposição, e Mario Draghi já fez sua parte do trabalho e pode não voltar a chefiar mais um governo de unidade nacional que irá martelar mais alguns pregos no caixão da Itália.

É claro que há sempre a polícia com seus bastões democráticos, mas isso pode não ser suficiente. Nesse caso, o que vai acontecer?

Vamos esperar. O dia 25 de setembro está muito próximo, de qualquer forma.
E depois disso, Deus nos ajude...

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter