Author`s name Petr Ermilin

Putin não vai atingir Kyiv. Em vez disso, ele estrangulará a Ucrânia lentamente

A Ucrânia está fazendo seu melhor para pressionar a Rússia a atacar os centros de tomada de decisão em Kyiv. Entretanto, Putin não vai engolir a isca.

O assassinato do jornalista russo Darya Dugina, tentativas de atacar a Crimea, bombardeio da usina nuclear de Zaporizhzhia, postos de fronteira e centros regionais da Federação Russa - todos esses ataques foram ataques terroristas, cujo objetivo era fazer Putin mostrar uma resposta dura à Ucrânia.

Há "cabeças quentes" na Rússia que se perguntam por que a Rússia está muito relutante em finalmente "começar" a lutar na Ucrânia. Eles também exortam o presidente russo a atingir os centros de tomada de decisão. Putin não concordará com isso, para não repetir o caminho de Napoleão para e de Moscou. Napoleão chegou a Moscou com uma vitória que não durou muito, e deixou a capital russa com uma derrota que acabou com o próprio Napoleão Bonaparte.

Putin pode declarar terroristas de toda a liderança da Ucrânia e dar ordem para bombardear o centro de Kyiv com mísseis Kinzhal. Mas e agora?

E se a Rússia atacar os locatários em Kyiv para tomar decisões?

Primeiro, Zelensky e a equipe sobreviverão em abrigos anti-bomba.

Segundo, o bombardeio de Kyiv será a razão da decisão da OTAN de entrar na guerra com a Rússia. Os britânicos já disseram que estariam prontos para ir para a guerra.

Em terceiro lugar, muitos ucranianos se unirão contra a Rússia para continuar sua inútil resistência.

A economia determina o ritmo da operação especial

Putin não se apressará a tomar tal decisão.

Moscou precisa de tempo para "digerir" os territórios que já foram liberados. Para fazer isso, é preciso pôr ordem na vida. As pessoas precisam de novos empregos, novos lares, seus filhos precisam ir a escolas e jardins de infância, etc., etc. Deve haver razões reais para os ucranianos irem às urnas e decidirem se querem ou não aderir à Rússia. Caso contrário, as pessoas vão ignorá-la.

Deve-se também resolver um complexo de problemas econômicos dentro da Rússia. A economia russa deixa muito a desejar enquanto passa pelo processo de grande transição. O déficit orçamentário federal para julho de 2022 atingiu um recorde de 892 bilhões de rublos (comparado a um superávit de 261 bilhões há um ano). Na pior das hipóteses, poderia chegar a seis trilhões de rublos em um ano.

Os economistas apontam que a receita da Rússia diminuiu desde junho, enquanto as despesas cresceram de 25 a 27 por cento ano a ano. A inflação também é alta - cerca de 16 por cento. A Rússia precisa se adaptar às sanções, desenvolver a ciência e a tecnologia enquanto mantém todos os ganhos sociais anteriores.

Putin escolheu as táticas de estrangulamento lento da Ucrânia

Putin escolheu uma tática diferente - ele estrangulará o regime de Kyiv lentamente. Em termos militares, a Rússia moerá as Forças Armadas da Ucrânia na frente oriental e libertará o DPR.

Moscou continuará empurrando o regime ucraniano para o colapso econômico. De acordo com dados oficiais, o déficit orçamentário da Ucrânia é de cerca de 4 a 5 bilhões de dólares por mês. A imprensa gráfica está funcionando, a inflação está progredindo.

De acordo com as agências ocidentais de classificação, a Ucrânia perderá 40 por cento do PIB até o final do ano. A Ucrânia já experimenta uma inadimplência não declarada enquanto sua dívida pública está crescendo - logo alcançará 100% do PIB.

A Ucrânia já perdeu seus principais portos, recursos energéticos, celeiros, depósitos. É desnecessário dizer que Kyiv também precisa manter seu exército de um milhão de soldados. Isto só pode ser possível com a ajuda de empréstimos ocidentais, mas será difícil para o regime de Kyiv obtê-los. Não há ofensiva do exército ucraniano na frente, o que significa que não há perspectivas de preservar o regime de Kiev. Portanto, a Ucrânia não poderá devolver nenhum empréstimo.

O Ocidente não resistirá à pressão

O presidente russo sabe que um longo conflito na Ucrânia vai custar muito ao Ocidente. Os países ocidentais poderão eventualmente deixar de apoiar a Ucrânia, e Zelensky acabará com isso.

O Ocidente não verá uma revolução na Rússia. Falhará em trazer outro liberal ao poder, que provocaria o colapso da Federação Russa. Os globalistas não vencerão aqui.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter