Author`s name Petr Ermilin

Se a Rússia se retirar da Líbia, perderá toda a África

A publicação do estande líbio, citando o cientista político Adel al-Khattab, publicou um artigo sobre a retirada da empresa militar privada Wagner da Líbia. Foi dito que a decisão de retirar a PMC do país foi tomada pelo Ministério da Defesa russo. O comando das Forças Armadas líbias já foi notificado da mudança.

Adel al-Khattab acredita que a razão da decisão está no rápido crescimento da popularidade da PMC Wagner, especialmente depois de seu sucesso na Ucrânia. Isto afetou negativamente a imagem do Ministério da Defesa russo, o que pressionou o ministério a reagir a tal desenvolvimento de acordo.

Curiosamente, o Ministro da Defesa russo Sergei Shoygu nem sequer mencionou a República Centro-Africana, já que ele estava listando os países amigos da Rússia. O evento aconteceu à margem da 10ª Conferência de Moscou sobre Segurança Internacional. Isto não é uma mera coincidência. Todos sabem que a República Centro-Africana é uma vitrine para o sucesso da Federação Russa no Continente Negro. A mídia ocidental associa a presença da Rússia na região com as atividades do PMC Wagner.

Viktor Vasiliev, autor de um canal de telegramas dedicado às notícias africanas, acredita que a retirada da Rússia da Líbia devido a intrigas no estabelecimento russo designou a retirada potencial da Rússia da África. Em sua opinião, isto levará ao fracasso da Federação Russa em todas as direções.

"A presença da Rússia na Líbia e na África em geral é o alfa e ômega da atual política da Federação Russa, que desencadeou mudanças tectônicas no mundo após 24 de fevereiro. As mudanças continuarão ainda mais. Hoje, pode-se ouvir literalmente todos falando sobre o papel-chave que a Rússia desempenha em todo o mundo", diz Vasiliev.

Ele chamou a atenção para os acontecimentos de 11 anos atrás, quando a OTAN deu início a sua operação militar na Líbia. A morte de Muammar Gaddafi, significativa para todo o continente negro, também afetou a Rússia.

"A radicalização que se pode observar hoje mesmo no topo é a escolha natural de qualquer predador encurralado. Atacar primeiro e lutar até o fim". E sim, esta é a escolha do povo russo", especificou ele.

Vasiliev lembrou que a invasão da chamada coalizão ocidental de manutenção da paz na África se transformou em uma onda de terrorismo no Sahel e causou a crise líbia. A guerra de "todos contra todos", que começou no estado norte-africano, espalhou-se muito além de suas fronteiras. Isto levou a um aumento do tráfico de drogas, à proliferação de armas, à pilhagem de recursos naturais, incluindo ouro e diamantes.

"Tudo isso pode ser definido como caostização. Podemos ver hoje processos semelhantes na Ucrânia", acredita o especialista.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter