Author`s name Petr Ermilin

Alianças ocidentais para cair na luta pelo gás natural russo

Nos próximos meses, vamos testemunhar uma dura luta pelos contratos de GNL (gás natural liquefeito) russo. Há todos os motivos para acreditar que as alianças ocidentais vão se desfazer, enquanto a Rússia terá a chance de construir e fortalecer suas alianças.

As alianças ocidentais irão desmoronar na guerra pelo GNL russo

Josep Borrell, Alto Representante da UE para Assuntos Estrangeiros, observou que a UE conseguiu reduzir a participação da Rússia nas importações de gás de 40% no início do ano para 20%. Isto foi possível, entre outras coisas, devido a um aumento da participação do GNL. No entanto, acontece que este GNL também é russo, e neste inverno haverá uma luta de vida ou morte por ele.

Os anglo-saxões rompem as alianças com a Europa e a Ásia

Segundo o The Wall Street Journal, a Europa terá que lutar com a Ásia pelo gás natural liquefeito russo nos próximos meses. No contexto de um declínio considerável das exportações de gás de gasoduto da Rússia e de um aumento quase quintuplicado do custo do gás na Europa, o preço do GNL na Ásia e na Europa se igualou.

Os exportadores de GNL hoje se beneficiam da quebra de contratos de longo prazo com clientes asiáticos, mesmo que eles precisem pagar compensações e redirecionar os fornecimentos para a UE. De acordo com a Reuters, as importações de GNL da Bélgica provenientes dos EUA aumentaram cerca de 650%, enquanto as importações de GNL do Paquistão caíram 72%.

Bloomberg disse que haverá um forte aumento nos preços da energia se o próximo inverno for mais frio do que o normal. Durante o ano, o custo do gás cresceu quase cinco vezes.

Contra o pano de fundo desta situação, os Estados Unidos e a Austrália que antes prometiam assistência a seus aliados europeus no abastecimento de GNL já anunciaram que poderiam limitar as exportações a fim de aumentar o abastecimento doméstico e encher suas próprias instalações de UGS (armazenamento subterrâneo de gás). Os Estados Unidos recorrem à temporada de furacões do Atlântico como desculpa e dizem que se espera que ela esteja bem acima da média.

O Handelsblatt da Alemanha apontou que representantes de Bangladesh já acusaram a União Européia de "caçar" produtores de GNL com dinheiro e "mergulhar milhões de pessoas em países em desenvolvimento na escuridão".

A Alemanha começa a tirar GNL da Índia

Os Estados Unidos e a UE querem envolver a Índia na limitação do preço do petróleo russo.

A Alemanha não se importa com tais intenções. Antecipando uma catástrofe, Berlim, em violação ao contrato, começou a tomar GNL da Índia, que deveria recebê-lo sob o contrato de GNL da Yamal. A indiana GAIL tem um contrato de longo prazo para o fornecimento de 2,5 milhões de toneladas de GNL por ano através da antiga subsidiária da Gazprom, Gazprom Marketing and Trading Singapore (GM&T Singapore), que foi assumida pelo governo alemão no início de abril.

A GMTS informou à empresa indiana que não seria capaz de cumprir suas obrigações contratuais. A empresa disse que estava pronta para pagar uma penalidade de acordo com o contrato. A penalidade que a GAIL receberá da GMTS será muito pequena para compensar o preço que a GAIL pagará para comprar GNL no mercado à vista.

A Índia já sofre escassez no fornecimento de gás tanto para fábricas de fertilizantes (em 10%), quanto para outros consumidores industriais (em 10-20%). Além disso, a GAIL utiliza apenas 60% de seu complexo petroquímico no norte da Índia.

A Rússia tem uma chance de fortalecer alianças

Há apenas uma saída para a Índia, Bangladesh e outros países asiáticos - estabelecer alianças com a Rússia contra o Ocidente.

A Turquia tomou uma posição vantajosa na guerra do gás. A Turquia mantém a neutralidade, fecha os estreitos, abre o espaço aéreo e se recusa a aderir às sanções anti-russas. Contra esse pano de fundo, a Turquia se tornou um centro de exportação de gás gasoduto russo (sistema de gasodutos Turkish Stream).

Em uma recente cúpula em Istambul, Moscou e Ancara discutiram o fornecimento de gás à Turquia e acordaram a implementação gradual de moedas nacionais em acordos mútuos.

Entretanto, se a Europa não conseguir competir com os países asiáticos, os fornecimentos de GNL dos EUA para a Europa serão reduzidos ao mínimo ou completamente interrompidos. Neste caso, os países da UE terão que retornar ao gás de gasoduto proveniente da Federação Russa.

Com a intensificação das sanções e contra-sanções, é provável que o campo ocidental se divida em disputas sobre seus interesses. A luta política interna também se intensificará. Os altos preços da energia podem desencadear uma crise que levará à agitação social.

A Bulgária sofrerá mais do que outros com a guerra do gás. No final de abril, a Rússia cortou a Bulgária do fornecimento de gás depois que a Bulgária se recusou a pagar o combustível em rublos russos. A Bulgária depende quase completamente do gás natural russo. A Bulgária tentou aumentar suas compras de GNL, visando fornecedores, incluindo os EUA, embora sem sucesso.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter