Author`s name Petr Ermilin

A Suíça entre a Rússia e a Ucrânia? Não, obrigado.

Moscou não pediu à Suíça que representasse os interesses da Rússia na Ucrânia. A Ucrânia não merece que a Rússia construa relações diplomáticas com ela.

A Suíça queria lidar com os interesses da Rússia na Ucrânia.

Em 10 de agosto, um representante do Ministério das Relações Exteriores da Suíça disse que Berna estava pronto para representar os interesses da Ucrânia na Rússia e os interesses da Rússia na Ucrânia devido à ausência de relações diplomáticas entre os dois países.

"Para que este acordo entre em vigor, a Rússia deve expressar seu consentimento", disse um funcionário.

O representante do Ministério das Relações Exteriores também observou que a Suíça há muito tempo havia manifestado disponibilidade para se tornar um intermediário entre a Rússia e a Ucrânia.

Moscou não considera a Suíça um país neutro

Moscou decidiu que a Suíça não poderia representar nem os interesses russos nem os ucranianos, pois aderiu às sanções contra a Rússia.

"Ela perdeu seu status de neutra", disse Ivan Nechaev, vice-diretor do departamento de informação e imprensa do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, na quinta-feira, 11 de agosto.

Segundo ele, o fato de Berna estar ciente dos pontos de vista de Moscou, mas a continuação das negociações com Kyiv sobre a questão da representação mútua só poderia confirmar que os interesses da Rússia não diziam realmente respeito à Suíça.

"Isto só apóia nossa posição de que a Suíça fazendo qualquer representação ou mediação está fora de questão", enfatizou Ivan Nechaev.

Vladimir Shapovalov, diretor adjunto do Instituto de História e Política da Universidade Pedagógica do Estado de Moscou, disse ao Pravda.Ru que a Suíça estava ativamente envolvida em sanções contra a Rússia.

Portanto, o especialista considerou a iniciativa de Berna "estranha".

"Parece-me que esta é uma proposta bastante estranha de um Estado que persegue uma política anti-russa", disse Vladimir Shapovalov.

Não há mais russos na Ucrânia, não há ninguém para proteger

Segundo o especialista, é a Ucrânia que precisa de relações diplomáticas em primeiro lugar, porque há milhões de cidadãos ucranianos vivendo na Rússia.

Quase todos os russos deixaram a Ucrânia, porque a atitude em relação aos russos na Ucrânia não atende às normas e princípios das relações internacionais, disse Shapovalov. Além disso, agora a Federação Russa e a Ucrânia têm um regime de vistos, mas somente os russos que vivem em países terceiros podem solicitar um visto.

Portanto, para a Federação Russa, as relações diplomáticas como uma função protetora de seus cidadãos na Ucrânia "não desempenham um papel importante", enfatizou o especialista.

O cientista político Andrei Suzdaltsev acredita que a Rússia não tem nenhum interesse na Ucrânia. Moscou nunca pediu a nenhum país do mundo que representasse seus interesses na capital da Ucrânia.

"Dada a presença de vários milhões de cidadãos da Ucrânia no território da Rússia, é mais provável que Kyiv esteja interessado em representar seus interesses na Federação Russa", escreveu o especialista em seu canal de Telegramas.

"Deixe-os de alguma forma saírem por conta própria, deixe os cidadãos da Ucrânia irem ao Cazaquistão para a embaixada ucraniana mais próxima ou para a Estônia". É com eles", disse Andrei Suzdaltsev em uma entrevista ao Pravda.Ru.

Os ucranianos "deslocados ilegalmente" não reclamam da vida na Rússia

Anteriormente, Oleg Nikolenko, representante do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia, comentando a iniciativa de estabelecer relações diplomáticas indiretas com a Federação Russa, disse que "centenas de milhares de ucranianos que foram deslocados ilegalmente de cidades e vilarejos ucranianos capturados pelo exército russo estavam precisando de ajuda".

"Muitos de nossos cidadãos acabaram no território russo sem documentos", disse Oleg Nikolenko.

O Reino Unido pretende entregar refugiados ucranianos a Ruanda. A Polônia está expulsando à força potenciais recrutas desde março. A Rússia não considera sequer a deportação de refugiados ucranianos, nem mesmo de homens em idade militar.

Na Rússia, eles têm a oportunidade de obter a cidadania russa sob um esquema simplificado e receber imediatamente benefícios sociais, incluindo capital de maternidade e benefícios infantis.

Eles vivem em pensionatos e acampamentos. Eles recebem três refeições por dia, assistência burocrática, asilo temporário, cidadania, emprego.

Um total de 647 desses campos de refugiados temporários foram organizados em 59 regiões russas.

  • A Ucrânia cortou relações diplomáticas com a Rússia em 24 de fevereiro.
  • A Suíça impôs sanções a 197 russos e nove empresas da Rússia.
  • Berna congelou 6,17 bilhões de dólares de ativos russos.
  • De acordo com a ONU, das 10.350.489 pessoas que deixaram a Ucrânia até hoje, o maior
  • número se mudou para a Rússia - 1.857.122.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter