Author`s name tech

O governo mais diabólico da história do mundo

O governo mais diabólico da história do mundo

A pequena palha que acabou por quebrar as costas do camelo poderia certamente ter sido registrada esta semana. A Lituânia anunciou que fecharia o corredor de viagens [terrestres] entre Bielorrússia e Kaliningrado. Esse corredor é regulado por um tratado em vigor nos útimos trinta anos. Trata-se de um tratado entre os países aliados do leste e a Rússia. Tem-se depois que Kaliningrado [região russa] tem o único porto [livre de gelo durante todo o ano] do Mar Báltico.

Esse é um movimento projetado para aumentar o poder das sanções impostas pela Europa e pelo Ocidente contra a Rússia após o conflito na Ucrânia. Esta postura lituana é obviamente avançada pelos Estados Unidos da América, que vem oferecendo apoio a esse país após a entrada do mesmo na aliança da OTAN. Além disso tem-se também que o Canadá, assim como a Alemanha e os EUA, todos, estacionaram suas tropas na Lituânia. Tudo isso como parte de um trabalho de dissuasão proposta contra eventuais novas ações militares russas no continente europeu.

Aqui está o problema com essa ideia de dissuasão adicional voltada para a Rússia. Nós, no Ocidente, somos as nações beligerantes no cenário atual. Sem chapéu branco desta vez. Como um estado vassalo, a Lituânia, assim como o Canadá e o resto da aliança ocidental estão sendo conduzidos metodicamente e inegavelmente em direção à destruição total pelo país mais beligerante da história da humanidade. Para quem possa vir a perguntar qual seria esse paìs: – Os Estados Unidos da América, é claro.

O governo dos EstadosUnidos admitiu que desde o fim da Segunda Guerra Mundial,em 1945, o seu governo perpetuou mais do que 70 atos violentos contra nações e oponentes políticos. Trata-se de golpes e invasões que mataram milhões de inocentes em todos os cantos da terra. Nunca antes na história da humnidade um governo semeou tanta destruição, morte e desespero em seu rastro. Os cidadãos dos estados vassalos da Europa e da aliança ocidental devem considerar um momento de reflexão para poder perceber as consequências de engatar seu vagão nesta besta de morte e destruição que é o governo dos EUA. Esse grupo maligno está nos arrastando para o fim da nossa civilização.

Podemos constatar como o Secretário Lloyd J. Austin III da Defesa Nacional, recentemente delineou o plano que o governo dos Estados Unidos está empregando na Ucrânia para derrotar a Rússia. Este plano exige que a guerra nesse estado fantoche continue até que a Rússia esteja seca, até que o último ucraniano seja sacrificado no altar da ambição governamental dos EUA de criar “um governo mundial”, governado a partir de Washington, controlando tudo inclusive o super continente eurasiano. Não se trata de proteger a democracia na Ucrânia, trata-se de ganhar o controle do mundo moderno, e a Rússia está no caminho dessa ambição. A Rússia acredita na soberania nacional, em contraste com uma ideia de dominação do governo dos EUA sobre toda a humanidade. Qual é o grande produto ou serviço de exportação oferecido pelo governo dos EUA para o mundo de qualquer maneira? É a morte e a destruição e a loucura bêbada que é o desejo de guerra. O governo dos EUA é o maior fornecedor de hardware militar da história humana. Os estados vassalos são obrigados a comprar equipamentos do Complexo industrial militar dos EUA vindo de empresas que fabricam então mísseis stinger, aviões de combate a jato F35, Lightning obuses avançados e armas biológicas. Todos disponíveis pelo Tio Sam, contando-se que por uma taxa, naturalmente.

Recentemente, aprendemos que o governo dos EUA deu à Ucrânia mais de 53 bilhões de dólares em ajuda militar. Este é um número maior do que o orçamento para todo o exército russo. “Precisamos nos comprometer a apoiar a Ucrânia porque, se não o fizermos, eles serão violados pela’ invasão ilegal e injustificada ‘russa, seu vizinho”. A grande mídia repete a mensagem continuamente e os políticos pulam em suas caixas de sabão condenando Putin como o pior megalomaníaco desde Hitler. Claro, não há equilíbrio no discurso. Para citar o senador Dr. Rand Paul ,” não há maior fornecedor de desinformação no mundo do que o governo dos EUA.”Esse comentário pode ser aplicado particularmente e igualmente aos governos do Canadá e do Reino Unido, bem como às outras nações do Ocidente.

Ninguém menciona os Tratados que nós, no Ocidente, quebramos repetidamente, ou as Brigadas Azov dos nazistas modernos que estão administrando a Ucrânia e ao qual estamos apoiando com quantias ultrajantes de fundos dos contribuintes. Não importa os ataques em curso sobre a população de língua russa do leste da Ucrânia que têm sofrido perseguição constante nas mãos desses fascistas desde 2014, de quando a CIA instalou o governo fantoche da Ucrânia. As nações europeias mais próximas do conflito no terreno na Ucrânia também não estão recebendo os fatos. Eles são particularmente vulneráveis ao próximo conflito convencional em grande escala com a Rússia que nós, no Ocidente, provocamos. Os cidadãos do Ocidente precisam derrubar seus políticos loucos, um por um, não menos porque esses chegam até a contemplar como uma possibilidade real um conflito de troca nuclear. Consequências a serem consideradas, mesmo que essas consequências apresentem-se como remotas. Uma troca nuclear, mesmo limitada, levaria a um inverno mundial completo, fome por falha de safra, e na sequência morte generalizada. Essa possibilidade nunca em nenhuma hipótese deveria ser considerada. A Política, se você se lembra, foi intitulada MAD, ou seja, destruição mutuamente garantida. A própria ideia de que o governo dos EUA tem como política que eles poderiam lutar e vencer uma guerra nuclear limitada é absurda e completamente fora de contato com a realidade.

Cidadãos da Alemanha, Holanda, França, Espanha, Itália, Reino Unido e Canadá, os membros originais da OTAN, deveriam clamar pela dissolução da aliança. Não é mais um arranjo defensivo, é um braço da agressão governamental dos EUA. Todas essas nações vassalas renunciaram à sua política externa e agora marcham em sintonia com suas sobrecargas vindas de Washington. Os membros mais novos da aliança precisam temer as consequências de estarem ligados a uma nação que não é confiável, o que se pode constatar pela sua política atual e não menos pelo histórico do governo dos EUA.

Washington mente e quebra tratados dizendo ao mundo, através da mídia, quão nobres são, enquanto matando muitas crianças com ataques indiscriminados de drones. Nunca houve uma mentira que eles não pudessem promover, nunca houve um sistema de armas que eles não ameaçassem usar ou vender e nunca houve um Tratado que eles não viessem a quebrar. Desde que guerra esteja como o objetivo do dia provavelmente nunca haverá um povo que eles não venham a matar. Mulheres e crianças, indiscriminadamente, incluídas. A Polónia, a Lituânia, a Letónia e a Estónia são agora novos membros da NATO, em violação directa das promessas que fizemos a Rússia. Esses países estarão particularmente na linha de fogo se no Ocidente continuarmos a provocar uma guerra com a Rússia. É preciso se perguntar se o povo dessas nações recém-democráticas percebem o perigo na beira do abismo no qual estão oscilando.

Finalmente, a Rússia está fazendo o que qualquer nação faria se e quando frente à agressão que está sendo avançada pelo Ocidente contra a Rússia.

Assinamos tratados assegurando não invadir as fronteiras da Rússia após a queda da União Soviética, em 1993. Prometemos não armar os novos estados democráticos libertados do Pacto de Varsóvia. Em Minsk I e novamente em Minsk II, assinamos tratados e asseguramos à Rússia que não faríamos da Ucrânia um membro da OTAN. Asseguramos também que não iríamos manipular a política dessa nação de qualquer outra forma. Entretanto, em seguida avançamos e fizemos tudo isso e muito mais.

O governo dos EUA financiaram a criação de laboratórios de bio-armas em toda a Ucrânia a partir de quando a CIA instalou na mesma um governo compatível com seus desejos. Tolos no Ocidente, como a liderança da Alemanha, França, Reino Unido e Canadá, fizeram grandiosos esforços públicos para fornecer armas pesadas à Ucrânia, justificados internamente com a conversa de libertar a população ucraniana oprimida. Tudo isso sem mencionar nada sobre os riscos geopolíticos associados à possibilidade de ampliar a guerra na Europa do Leste.

Quanto à imprensa ocidental, que apodreçam no inferno pelas mentiras e desinformação que têm açoitado.

Se esta guerra se expandir, nós, cidadãos do mundo, deveremos responsabilizar a imprensa, assim como os políticos criminosos. Todos os que nos levaram à beira desse desastre.

Fomos enganados novamente e a única esperança é que nós, os cidadãos do Ocidente, possamos remover os políticos, os líderes da indústria assim como os líderes da mídia que estão orquestrando esse crime de desinformação e engano. Todos e cada um deles deverá ter seu momento de julgamento.

James Sellars, autor e comentarista político. Pode ser contatado por e-mail, [email protected]

Copyright © James Sellars

Traduzido automaticamente e editado por Anna Malm com Permissão do Autor

em https://lewrockwell.com

Tradução exclusiva

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter