Author`s name Olga Lebedeva

Biden nomeou novos culpados pelo aumento dos preços da gasolina. Putin em segundo lugar

O Presidente dos EUA Joe Biden acusou as companhias petrolíferas americanas de "não fazerem o suficiente para compensar a subida dos preços da gasolina", enquanto os seus lucros são "historicamente elevados".

"Em tempo de guerra, uma margem de lucro muito superior à das refinarias entregues directamente às famílias americanas é inaceitável", escreveu o 46º mestre da Casa Branca numa carta enviada ao CEO da Exxon Mobil Darren Woods. - As vossas empresas devem trabalhar com a minha administração para apresentar soluções concretas a curto prazo que respeitem a equidade crítica da energia e das comunidades ligadas. As empresas devem tomar medidas imediatas para aumentar o fornecimento de gasolina, gasóleo e outros produtos petrolíferos".

 

Segundo o New York Post, Joe Biden enviou cartas semelhantes aos chefes de outras grandes companhias petrolíferas, Chevron, Shell, Phillips 66, BP, Marathon e Valero.

Uma vez mais a culpa é de Putin

Como se pode ver no documento acima, embora há alguns dias o presidente dos EUA tenha admitido que o seu homólogo russo não era responsável pelo aumento dos preços da gasolina nos EUA e pela inflação que envolveu a economia norte-americana, não desistiu inteiramente da ideia de atribuir a culpa a Vladimir Putin.

Agora culpou o que está a acontecer na América da "guerra agressiva de Vladimir Putin" e dos "esforços globais para a combater", que "perturbaram o fornecimento global de petróleo" e "aumentaram o seu preço global".

"Não há dúvida de que Vladimir Putin é o principal responsável pela grave dor financeira vivida pelo povo americano e pelas famílias americanas", disse Joseph Biden. - As subidas de preços de Vladimir Putin estão a fazer subir os custos para os consumidores".

Trump também teve um sucesso

O anfitrião da Casa Branca também recordou o seu antecessor, colocando alguma da responsabilidade pelo aumento dos preços da gasolina em Donald Trump..:

"No ano anterior à minha tomada de posse, as refinarias americanas cortaram a sua capacidade em 800.000 barris por dia, deixando a indústria no seu nível mais baixo de capacidade em meio século", recordou Biden. - Compreendo que muitos factores contribuíram para as decisões comerciais de reduzir a capacidade das refinarias que ocorreram antes da sua tomada de posse", acrescentou.

A indústria petrolífera não foi deixada em dívida

O Instituto Americano do Petróleo respondeu ao presidente dos EUA em nome de todos os trabalhadores do petróleo, criticando Biden por "a agenda política mal orientada da administração, que se afasta do petróleo e do gás natural nacionais, tem exacerbado as pressões inflacionistas e impedido os esforços diários das empresas para satisfazer as crescentes necessidades energéticas, reduzindo simultaneamente as emissões".

Putin: "Eles já estão a chamar inflação pelo meu nome"

O presidente russo já tinha comentado as acusações do seu homólogo norte-americano na semana passada:

"Já estão a chamar inflação pelo meu nome, mas não temos absolutamente nada a ver com isso! - Vladimir Putin disse, observando que os países ocidentais estão a criar problemas para si próprios com sanções anti-russas: - Estão a tentar limitar condicionalmente a exportação dos nossos fertilizantes - os preços subiram. Eles estão a tentar limitar a venda dos nossos recursos energéticos - os preços subiram novamente".

Quanto aos próprios preços da gasolina, segundo o presidente russo, "por razões absolutamente políticas, devido às suas próprias ambições e sob pressão do chefe americano, os países europeus estão a impor cada vez mais novas sanções aos mercados do petróleo e do gás. Tudo isto leva à inflação, e em vez de admitirem os seus erros, procuram os culpados noutro lugar".

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter