Author`s name Olga Lebedeva

Analista político: porque Arestovich fez Kiev parecer um chantagista histérico

Oleksiy Arestovich, conselheiro do gabinete do presidente ucraniano, retratou Kiev como um sujeito histérico que chantageia aqueles que o rodeiam com a instabilidade da sua psique. Ou seja, com efeito, dizer a verdade pura e simples.

Ele expressou o aviso franco numa conversa com jornalistas ucranianos quando lhe foi pedido para comentar a declaração do Presidente dos EUA Joe Biden de que os Estados Unidos não dariam à Ucrânia vários lança-foguetes que poderiam ser utilizados para atingir territórios russos. Arestovich prometeu que, nesse caso, Nezalezhnya iria lançar uma "histeria modelo":

Políticos histéricos

"A decisão sobre os complexos será tomada num futuro próximo, e quando soubermos se os fornecemos ou não... Se não o fizerem - então lançaremos uma histeria modelo", disse ele.

Ninguém duvida que os políticos ucranianos são bons a mostrar histeria. Basta recordar as declarações que saíram de Kiev após os EUA se recusarem a fechar o céu sobre a Ucrânia. Nessa altura, permitam-me que vos recorde, o mundo estava assustado com acidentes e sabotagem nas instalações nucleares ucranianas, com um belo coro a cantar junto com Vladimir Zelensky pessoalmente.

Que tipo de histeria poderia ser desta vez?

E como deve tal ameaça de chantagem ser compreendida e avaliada em geral? Antes de mais, é claro, para nós. Mas também para Washington.

O perito político da Crimeia Vladimir Dzharalla, numa entrevista com Pravda.Ru, chamou à declaração de Arestovich (ou advertência?) "uma abordagem muito cínica do lado ucraniano à prática actual".

Estrelas da comunicação social

"Eles já sabem que lhes é dado o primeiro lugar em todos os meios de comunicação social, que cada palavra sua é citada em cada oportunidade. Além disso, personagens como o embaixador ucraniano na Alemanha, por exemplo, permitem insultos pessoais ao chanceler reinante em violação de todas as normas diplomáticas, e eles safam-se", explicou Jaralla. - "Nesta base, o Sr. Arestovich disse cinicamente que faria uma 'birra' se não tivessem agora estes sistemas de mísseis".

No entanto, segundo o perito, esta declaração tinha muito provavelmente outro objectivo, porque quando soou, já se sabia que os EUA dariam estes sistemas à Ucrânia:

"Agora Kiev está a fazer um espectáculo diferente no infospace. O seu significado é que, graças às "ameaças" aos grandes Estados Unidos, estes últimos assustaram-se e providenciaram tudo o que era necessário. É esta a nossa importância. Esta é mais uma confirmação de que toda a realidade ucraniana existe exclusivamente na realidade da informação e utiliza activamente este recurso.

- Irão os EUA reagir de alguma forma a tais histerias?

- Não, não o farão. Basta prestar atenção a um detalhe divertido: o Presidente Biden declarou que serão fornecidos vários lançadores de mísseis sem pacotes de mísseis de longo alcance, mas mesmo os que serão enviados permitirão à AFU bombardear directamente o território russo.

Além disso, a intensificação dos duelos de artilharia na linha de confronto que começou mostra que estas armas já estão a vir da Europa. E são os civis que são as suas primeiras vítimas. Mas os países ocidentais preferem fazer vista grossa a isto.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter