Conversações Rússia-Ucrânia interrompidas a pedido de Boris Johnson

O Escritório do Presidente da Ucrânia anunciou que as negociações entre Kiev e Moscou foram interrompidas como resultado da visita do Primeiro Ministro britânico Boris Johnson à Ucrânia em 9 de abril.

Boris Johnson chegou a Kiev para "expressar solidariedade" e anunciar assistência financeira e militar à Ucrânia "em sua luta contra a agressão russa".

"Durante a reunião com Zelensky, o primeiro-ministro britânico pediu-lhe que não continuasse as negociações que estavam acontecendo na Turquia, enquanto insistia que Putin deveria ser derrotado", escreveu o jornal Ukrainskaya Pravda.

De fato, a posição pública de Zelensky em relação às conversações com a Rússia mudou drasticamente após a visita de Johnson. Apenas alguns dias antes do encontro com Johnson, o presidente ucraniano anunciou que não havia alternativa às negociações com a Rússia e que elas tinham que ser continuadas.

É possível, no entanto, que Zelensky tenha mudado sua abordagem da questão das conversações com Moscou como resultado do crescente apoio da OTAN na forma de remessas de armas.

Em 6 de maio, Zelensky disse que as conversações com a Rússia seriam retomadas desde que isso acontecesse:

  • as tropas russas deixassem completamente a Ucrânia;
  • todos os ucranianos que foram evacuados para a Rússia retornassem à Ucrânia.

Guerra de Proxy da OTAN na Europa

Vários grupos antiguerra no Ocidente, inclusive no Reino Unido, disseram que havia uma "guerra por procuração" em curso na Europa.

Em 7 de maio, a coalizão britânica Stop the War realizou um Dia Internacional de Ação pela Paz na Ucrânia, exigindo a retomada imediata das negociações entre as partes em conflito.

O organizador da campanha Lindsey German disse que o "governo britânico está enviando armas e Joe Biden prometeu mais 33 bilhões de dólares para ajuda militar". Isto está levando a ameaças de guerra muito maiores, às quais estamos no centro da resistência".

De acordo com ela, o conflito na Ucrânia está se tornando uma guerra por procuração entre a Rússia e a OTAN.

O grupo antiguerra CODEPINK nos Estados Unidos questionou o financiamento das Forças Armadas Ucranianas pelo governo Biden e a falta de iniciativas de paz, chamando a guerra na Ucrânia de "guerra por procuração da OTAN contra a Rússia".

A declaração conjunta dos Estados Unidos e de seus aliados da OTAN após a cúpula do G7 confirmou que os ativistas públicos estavam realmente certos. Na declaração conjunta, o G7 disse que eles (o Grupo dos Sete) nunca deixariam a Rússia vencer a guerra contra a Ucrânia.

Prontos para gastar mais com a defesa de vez em quando

A declaração feita como resultado da cúpula do G7 disse que a comunidade internacional já havia alocado 24 bilhões de dólares para a Ucrânia.

O Reino Unido prometeu um adicional de US$ 1,6 bilhões em novas ajudas, elevando seu custo total para mais de US$ 3 bilhões;

Os EUA forneceram armas para a Ucrânia no valor de US$ 4 bilhões. A administração Biden está buscando ajuda adicional de US$ 33 bilhões para a Ucrânia no Congresso dos EUA, dos quais US$ 20 bilhões serão destinados ao armamento e à assistência militar.

É digno de nota que a China acredita que, em vez de encorajar as partes beligerantes a superar dificuldades e continuar as negociações para alcançar resultados pacíficos, os EUA e seus aliados estão alimentando as chamas do conflito regional enquanto pescam em águas turbulentas, colocando milhões de vidas em risco por causa de seus estreitos interesses.

Author`s name Oleg Artyukov
Editor Petr Ermilin