Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Ucrânia: Onde o Ocidente se enganou

É discutível se os formadores de opinião do Projecto de Pensamento Global do Ocidente (principal manipulador, Facebook) se enganaram acidentalmente ou de propósito.

Seja como for, lendo comentários sobre as histórias nas redes sociais, é evidente que, em termos gerais, os leitores e telespectadores engolem todo o isco que lhes é dado. Vejamos alguns exemplos:

Bono. Por quê não foi à Líbia e ao Iraque?

História #1: Bono, o último a saltar no comboio e voar para a Ucrânia (como é subitamente “sexy” voar para a Ucrânia e posar com aquele personagem Zelenskiy, aquele que ficou famoso por fingir tocar piano com o seu pénis? Ai não sabiam? Pois na midia ocidental aparece só algumas coisas e outras. não), aquele Bono que fez um apelo ridículo aos jovens russos para "derrubar" o Presidente Putin. Lá se vai a democracia ocidental, de facto, é isto que eles próprios fazem. Lembra-se de Kiev, em 2014, quando o Presidente democraticamente eleito foi deposto num golpe de Estado fascista apoiado pelo Ocidente? Os comentários nas redes sociais foram tão chocantes como pueris. Quantas vezes já ouvimos "Ele tem de ir"? E cadê um processo democrático justo? A democracia, no Ocidente, não significa nada.

Continuando com a história e as reacções aos comentários de Bono: "Putin foi eleito porque os votos não foram contados". "Eles não têm qualquer oposição na Rússia desde que a Navalny foi preso". "Os russos são pouco instruídos e por isso não votam porque Putin é comunista". Que grande treta. Tais comentários são um insulto ao povo russo que tem um sistema de votação livre e justo, aberto e democrático, no qual o líder da oposição não é, como dizem os meios de comunicação ocidentais, o Navalny (que ganharia no máximo uma fracção dos votos e perderia o seu depósito), mas sim, o Partido Comunista. Repito, o Partido Comunista é a principal oposição do partido Rússia Unida de Vladimir Putin. É difícil acreditar que as pessoas estejam tão mal informadas; não poderiam estar mais erradas se tentassem. E vamos lembrar que na Ucrânia o Partido Comunista é banido. Isso é democrático?

A historiazeca que a Rússia já perdeu

História #2: Os americanos dizem que a Rússia perdeu a guerra porque não conseguiu tomar Kiev. Os americanos dizem muitas coisas. Dizem que Saddam Hussein tinha armas de destruição maciça e destruiram um Estado soberano fora dos auspícios do Conselho de Segurança das Nações Unidas, enfraquecendo a ONU por décadas. A propósito, a Rússia não armou os iraquianos contra esta invasão ilegal dos EUA e do Reino Unido. Para começar, a situação ucraniana torna-se uma guerra se e quando o Presidente Putin ordena uma convocação geral e compromete as suas forças militares a uma invasão a sério da Ucrânia, o que implicaria o bombardeamento ao estilo americano de qualquer coisa que se mova, daí o assassinato de cerca de um milhão de pessoas no Iraque, directa ou indirectamente, pela invasão ilegal. Se a Rússia tratasse isso como guerra, Kiev hoje em dia nem existiria.

Portanto, a situação ucraniana não é por definição uma guerra, mas sim uma operação militar especial. Em segundo lugar, desde o início, a Rússia declarou que não queria tomar Kiev, porque a ordem era ficar longe de grandes centros civis para evitar baixas. Corrija-me se estiver errado, mas Kiev é um grande centro civil. A Rússia declarou desde o primeiro dia que o objectivo era proteger os civis de língua russa em Donbass de ataques, após oito anos de massacres do lado ucraniano, contra o seu próprio povo, forçando os habitantes de Donbass a pegar em armas para se defenderem após os massacres fascistas de ucranianos de língua russa no sul e no leste do país, após o Putsch. No outro dia, houve uma fotografia de um rapaz de vinte anos queimado até à morte em Odessa por fascistas que gritavam “Morte a russos e judeus”. Fontes noticiosas ocidentais ignoraram totalmente estes massacres. Houve o caso da avó estrangulada com fio telefónico por fascistas vestindo suásticas. Este caso não foi divulgado por fontes dos meios de comunicação ocidentais.

O objectivo da Rússia era baixar a capacidade militar ucraniana (Fase I) e depois garantir a segurança das pessoas que vivem em Donbass (Fase II). As actividades no norte da Ucrânia deviam afastar as forças ucranianas da sua concentração em Donbass. A Rússia declarou que a Fase I decorreu de acordo com o planeado e deixe-nos ver os números. Até à data, zero horas esta manhã, 157 aviões (aviões e helicópteros) ucranianos destruídos, 768 UAV destruídos, 298 sistemas de mísseis antiaéreos destruídos, 2.933 tanques e veículos de combate blindados destruídos, 336 lança-foguetes múltiplos destruídos, 1.411 peças de artilharia de campo destruídas, 2.758 unidades de veículos militares especiais destruídos e diariamente, assim que os reforços de equipamento da OTAN aterram, são destruídos. Por isso, eu chamaria a isto uma diminuição da capacidade militar da Ucrânia. Então como pode a Rússia estar a perder a guerra se está a cumprir os seus objectivos? A resposta parece óbvia.

O contexto? Não começou no dia da invasão

História #3. O contexto desta operação. Não admira que a população dos países ocidentais se tenha tornado subitamente fetichista em relação à Ucrânia e aos ucranianos, porque ninguém lhes disse porque esta operação foi lançada. Traçemos a linha do tempo e examinemos os factos, o que nem um único meio de comunicação social ocidental parece ter feito.

1) 2014. Putsch Fascista em Kiev, Presidente democraticamente eleito destituído.

2) Gangues de bandidos armados vão para as ruas gritando "Morte aos russos e judeus". Praticamente não relatado nos meios de comunicação social ocidentais.

3) Começa o massacre fascista de ucranianos de língua russa, praticamente não relatado nos meios de comunicação ocidentais.

4) Os fascistas começaram a desfilar em uniformes neo-nazis usando insígnias neo-nazis e foram oficialmente integrados nas forças armadas oficiais da Ucrânia (cortesia do Pentágono). Praticamente não foi relatado nos meios de comunicação social ocidentais.

5) Restrições ao uso da língua e cultura russas na Ucrânia. Praticamente não relatado nos meios de comunicação social ocidentais.

6) Os residentes de Donbass armam-se para se protegerem contra a discriminação e os conflitos armados

7) 2015 Moscovo propõe Acordos de Minsk. Donbass (Lugansk e Donetsk) iriam permanecer dentro da Ucrânia com direitos a praticar a sua língua e cultura. Acabar com a violência. A Ucrânia assinou estes acordos.

8) A Ucrânia recusou-se a implementar os termos dos Acordos de Minsk. Praticamente não relatado nos meios de comunicação ocidentais

9) Seguem 8 anos de violência. Civis em Donbass dmassacrados durante oito anos pelas Forças Armadas Ucranianas, incluindo os regimentos fascistas incorporados nas forças armadas oficiais da Ucrânia com insígnias neo-nazi. Praticamente não relatado nos meios de comunicação ocidentais

10) A Rússia reconhece finalmente o direito da República Popular de Lugansk e da República Popular de Donetsk a existirem como repúblicas e concordou com o seu apelo à protecção contra a violência contínua.

Agora corrige-me se estiver errado, mas estes são os factos. Algumas das provas dos massacres fascistas foram limpas da Rede, à medida que outros factos são limpos da Rede, para depois iterarem a resposta é "provem-no! Hoje em dia, podemos prová-lo falando com os residentes que têm as suas próprias fotografias. E estas não são alteradas no Photoshop.

A conclusão é, dado o acima referido, tudo o que a Ucrânia precisava de fazer era implementar os termos dos acordos que assinou. Tanto quanto sei, é ilegal atacar civis, estejam eles no seu país ou não, e Minsk, proposto por Putin, forneceu a resposta sensata à situação. Assim, perguntemos ao pianista que toca com o pénis por que razão se recusou a implementar os Acordos de Minsk que Kiev assinou. Porque Washington lhe disse para o fazer. Por isso ipso facto ele não é o Presidente da Ucrânia, é Biden. Ou será o seu filho, Hunter? (Google Hunter Biden + energia + Ucrânia; Biden + colheitas transgénicas + Ucrânia. Incrível o que se encontra na Net).

Portanto, não é de admirar que os leitores e telespectadores ocidentais se tenham enganado tanto porque engoliram a versão Lite destes eventos (traçar a linha do tempo na invasão). Uma pergunta: O que faria o seu país se uns milhões dos seus cidadãos se encontrassem noutro país devido a movimentos geopolíticos (a linha no mapa muda mas o povo permanece), e esse país começasse a atacá-los, cantando Morte a (sua nacionalidade) e judeus e começasse a massacrá-los, permitindo aos fascistas com suásticas pavonearem-se nas suas forças armadas oficiais, chamando à sua população Untermenschen (Sub-humanos) como fizeram os nazis de Hitler, e proibindo o uso da sua língua e cultura? Se o seu governo se sentasse de costas, você não se levantaria e lhe perguntaria o que raio estava a fazer para proteger sua gente? O que é que o Reino Unido fez nas Malvinas? Isso foi “sexy” porque não havia russos envolvidos. Hoje em dia, qualquer coisa serve para atiçar as chamas da Russofobia.

Mas...quem elegeu Ursula Gertrud von de Leyen?

A história #4. A não eleita Ursula Gertrud von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia, repito, a não eleita Ursula Gertrud von der Leyen, anunciou a censura de fontes russas logo no início da situação, pensando sem dúvida que seria mais fácil para as fontes ocidentais divulgarem mentiras na ausência da verdade. Esta era uma política fascista praticada na Alemanha nazi.

Mais uma vez, enganaram-se. Ao suprimir o outro lado, a curiosidade é despertada e as pessoas estão a afluir às poucas fontes russas ainda disponíveis, apesar do facto de o Facebook estar a fazer horas extraordinárias para suprimir páginas. Eu sei isto porque tenho as estatísticas. Realizei uma experiência na semana passada. Um amigo postou um texto sobre ucranianos e outro amigo postou um texto idêntico com a mesma redacção, substituindo apenas "ucranianos" por "russos". Adivinhe? A conta do Facebook pertencente ao primeiro foi suspensa e nada aconteceu à segunda. É por isso que as pessoas estão a deixar o Facebook em massa e a subscrever a versão russa, Vkontakte, que de facto pratica a liberdade de expressão, a liberdade de palavra e a liberdade de pensamento.

A ideia absurda que a Rússia está isolada

História #5. A Rússia está isolada. De facto, é mais uma pilha de tripas, um monte de porcaria ou um balde cheio esterco. Notícias, não. Inquéritos que foram meticulosamente realizados (por mim) mostram-me que em termos gerais, com algumas excepções, a América Latina não é contra a Rússia, a África não é contra a Rússia, a Ásia não é contra a Rússia e o consenso geral é que se a Ucrânia tivesse implementado os termos do acordo de paz que assinou, e tivesse parado de atacar Donbass, e se não tivesse fascistas com swastikas a pavonearem-ne nas suas forças armadas oficiais, nada disto teria acontecido. É verdade, ninguém gosta de ver conflitos armados, ninguém gosta de ser invadido e, como tenho dito repetidamente, lágrimas têm sabor de sal, quem quer que as derrube e aqui recordamos todas as vítimas de ambos os lados. Mas só a Europa Ocidental e os seus assimilados lacaios da Europa Central, os EUA, claro, e o Canadá, e as ex-colónias britânicas dançam o Tango Russofóbico. Eles se isolaram no coração do Povo.

Ao agir da forma como tem feito, o Ocidente tem demonstrado muito claramente o que temos vindo a dizer há décadas: é composto por um bando de russófobos, basicamente, que não só provocou esta situação ao levar Kiev a não implementar os Acordos de Minsk, como tem tentado utilizar a Ucrânia e os ucranianos como peões para combater a Rússia e tentar causar o máximo de danos possíveis. Lembremo-nos de que os recursos da Rússia são enormes e lembremo-nos de quem os quer. Os Lobbies da Banca, Armas, Recursos, Finanças, Alimentação, Energia, Droga, que se alinham em torno da Presidência dos EUA e seguram os seus tomates). “Tosse, Sr. Biden”.

Conclusão: Se examinarmos a verdade, vemos que a posição ocidental é insustentável, baseia-se em fabricações de terra de cuco, é um tecido de mentiras e é apenas uma tentativa para pintar um quadro sombrio da Rússia e dos russos. Ninguém gosta de ser invadido. Também ninguém gosta de ser bombardeado durante oito anos, nem de ver fascistas a desfilar por aí vestindo suásticas. Em que outro lugar, em que país ou em que parte do mundo se vê isto, fora da Ucrânia?

Então se a posição ocidental fosse fomentar desenvolvimento e os fundos para a educação, em vez do envio de tropas e triliões gastos todos os anos em sistemas de armas para assassinar pessoas e guerras por procuração, o resto do mundo ouviria. Tal como está, o Ocidente pintou-se num canto e agora, no século XXI, em vez de todos nós nos juntarmos como os irmãos e irmãs que somos, aqui voltamos outra vez a uma merda de um mundo bipolar de NÓS e ELES com nações ex-imperialistas e os seus abortos de um lado e o Povo do Mundo do outro.

Timothy Bancroft-Hinchey pode ser contactado em [email protected]

As ameaças de morte, outro fetiche ocidental, serão comunicadas às autoridades competentes com o número de IP

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter