General aposentado dos EUA: A OTAN deve atacar os russos

O general americano aposentado Mike Repass, que fez uma visita à Ucrânia, acredita que a OTAN não estava trabalhando o suficiente para garantir a vitória da Ucrânia.

De fato, a Repass instou a OTAN a fornecer assistência adicional à Ucrânia que atualmente está em guerra com a Rússia, em vez de uma aliança.

Mike Repass, o ex-chefe do Comando de Operações Especiais dos EUA na Europa, fez uma visita à Ucrânia no mês passado e percebeu que o Ocidente não estava fornecendo armas suficientes para as Forças Armadas da Ucrânia. 

Aparentemente, o complexo de defesa dos EUA não está muito satisfeito com os lucros, e os generais americanos realmente querem lutar contra a Federação Russa até a última ucraniana, enquanto se desfazem de armas ultrapassadas para encomendar novas armas.

Atualmente, a Repass serve como conselheira das forças armadas ucranianas e tem feito isso durante os últimos seis anos sob um contrato com o governo dos EUA.

Do seu ponto de vista, "a cadeia de fornecimento de equipamentos militares ucranianos é ineficiente e são necessárias forças militares adicionais para expulsar os russos da Ucrânia", disse a CNN. 

A Repass está convencida de que a OTAN deveria criar uma força estratégica de 40.000 homens de cinco brigadas a fim de realizar operações ofensivas para expulsar as tropas russas.

É digno de nota, Mike Repass é membro do conselho consultivo da Global Special Operations Foundations.

Em sua entrevista com a CNN, Repass lamentou que a OTAN não estava tendo uma idéia clara de para onde o equipamento militar estava indo depois que foi entregue na Ucrânia. Poderia ser possível que alguém pudesse posteriormente vender essas armas, como foi o caso de todos os anos anteriores. 

Todos os carregamentos de armas para a Ucrânia não são baseados em necessidades de combate, tarefas operacionais ou dados objetivos. Tudo é altamente personalizado, disse o general, acrescentando que não é assim que a logística em tempo de guerra deve funcionar. 

A Repass apontou três cenários para o desenvolvimento futuro da crise:

  •     A Rússia vence,
  •     A Ucrânia vence,
  •     situação de impasse.

Dois de seus três cenários significam a vitória da Rússia. No último caso, as forças russas permanecerão indefinidamente na Ucrânia e terão controle sobre uma parte significativa do país.

A Ucrânia não tem equipamentos, poder de fogo e soldados treinados para vencer, disse Repass. A Rússia tem mais recursos e vencerá a luta pelo desgaste de qualquer maneira. A OTAN precisa entender isto e dar mais assistência à Ucrânia para fortalecer seu potencial em primeiro lugar, disse o general. 

O general aposentado dos EUA também acredita que os EUA, França, Polônia, Alemanha e Reino Unido devem construir uma brigada de poder de combate ucraniano. Tal assistência ajudará a equipar as forças militares ucranianas.

Quanto ao possível desencadeamento de uma guerra nuclear, Mike Repass pensa que a Rússia está blefando.

"Em sua doutrina nuclear, eles usarão as chamadas armas nucleares táticas se sentirem que há uma ameaça significativa para a pátria russa". Esse é o tipo de circunstâncias que a Rússia comunicou ao Ocidente onde eles usariam suas armas nucleares", disse Repass. 

O uso prático de armas nucleares neste conflito é improvável, embora o impasse em si mesmo possa durar alguns anos". Se a Ucrânia chegar a um impasse, Putin proclamará a vitória, concluiu a Repass.

Pode-se tirar duas conclusões a partir desta entrevista.

  1. A OTAN não tenta sequer esconder que está travando uma guerra com a Rússia na Ucrânia e não se importa em atrair recursos humanos para participar dela.
  2. Mais importante ainda, ninguém precisa de uma solução definitiva para a crise na Ucrânia. A guerra será travada com o objetivo de enfraquecer as partes em conflito. O Ocidente tradicionalmente não se importa com todos aqueles que morrem e são mortos na luta do Ocidente com sua própria visão de mundo. 

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Aleksandr Shtorm