Author`s name Lubov Lulko

A Polônia quer tirar um pedaço de sua torta da Ucrânia em colapso

Varsóvia rejeitou até mesmo uma reflexão sobre sua suposta intenção de estabelecer um controle militar e político sobre parte da Ucrânia. No entanto, os fatos provam o contrário.

A Polônia tem a oportunidade histórica de se reunir com Volhynia e Galiza.

Em 28 de abril, Sergei Naryshkin, chefe do Serviço de Informações Externas da Rússia, falou sobre as intenções da Polônia de entrar na Ucrânia Ocidental para estabelecer o controle militar e político sobre "seus territórios históricos".

A primeira etapa da "reunificação" histórica da Polônia, como disse Naryshkin, seria o envio de tropas polonesas para as regiões ocidentais da Ucrânia, sob o pretexto da necessidade de defendê-las da agressão russa. A Polônia discute tal opção com Washington, disse Naryshkin com referência a dados de inteligência. Supostamente, a missão da Polônia será conduzida sem o mandato da OTAN, embora com a participação de "Estados dispostos a isso".

Os serviços especiais poloneses estão agora procurando representantes "agradáveis" da elite ucraniana para formar um contrapeso orientado a Varsóvia para os nacionalistas, disse Naryshkin.

Stanislaw Zarin, porta-voz do Ministro-Coordenador dos Serviços de Inteligência, respondeu dizendo que as declarações de Naryshkin não eram verdadeiras. De acordo com Zarin, ao fazer tais afirmações, a Federação Russa quer prejudicar a cooperação entre a Polônia e a Ucrânia.

A Polônia sugeriu o envio de tropas para a Ucrânia

Enquanto isso, o sonho de se reunir com a periferia oriental - Vilna (Vilnius), Lviv, Grodno, que pertenceu ao país de 1918 a 1939, ainda está vivo na sociedade polonesa. É digno de nota que a Polônia discutiu a anexação dos territórios bielorrussos durante a crise política em Belarus em 2020-2021.

Aparentemente, a Polônia não pode fechar os olhos para a questão sobre a "periferia" da Ucrânia, que inclui a Galiza e Volhynia. Esta questão se tornou de particular interesse para a Polônia no estágio atual da operação militar russa, quando ficou claro que algumas regiões da Ucrânia oriental passariam a fazer parte da Federação Russa após os objetivos da operação especial terem sido alcançados.

Basta lembrar a recente iniciativa do chefe do partido Lei e Justiça, vice-primeiro ministro Jaroslaw Kaczynski, de enviar "forças de paz da OTAN" (isto é, o exército polonês) para a Ucrânia. Volodymyr Zelensky rejeitou tal sugestão.

Os americanos entendem que precisam unir forças com Varsóvia agora ou nunca. Caso contrário, a Rússia pode alcançar as regiões ocidentais da Ucrânia e assumir o controle do país inteiro. Isto dará à Rússia trunfos nas negociações do pós-guerra.

Os poloneses discutem a divisão da Ucrânia como um acordo entre a Rússia, a Hungria e a Polônia. O ex-primeiro ministro da Polônia, Donald Tusk, disse em entrevista ao Politika que a Hungria queria estar preparada para uma situação na qual a Ucrânia poderia entrar em colapso dentro de poucos dias, tendo como pano de fundo a ofensiva militar maciça da Rússia. Neste caso, a região ucraniana Transcarpathia se tornará parte da Hungria.

"Em que medida Kaczynski estava envolvido nas intrigas de Orban? Só podemos adivinhar", disse Tusk.

O antigo vice-primeiro ministro da Polônia, o advogado Roman Giertych, que também é um defensor ativo da "reunificação" da Polônia com territórios históricos, compartilhou uma interessante teoria sobre o "plano Orban".

"Orban concordou com este plano com Putin em uma reunião, ele fez o mesmo com os poloneses também", escreveu Giertych sobre a mídia social em 17 de março.

"A Rússia está construindo um governo fantoche em Kyiv. As partes orientais da Ucrânia se unirão à Rússia, e o oeste da Ucrânia e a Rússia Transcarpathiana formarão uma entidade separada e pró-ocidental sob a tutela da Hungria e da Polônia", diz o conceito.

Podemos apenas adivinhar até que ponto o presidente russo está envolvido neste plano".

No entanto, em seu discurso de 21 de fevereiro, antes do início da operação especial, Vladimir Putin observou que o estado da Ucrânia não era historicamente consistente. A Ucrânia obteve sua condição de Estado dos bolcheviques, disse ele.

Ele chegou à conclusão de que a maior parte da Ucrânia é o território histórico da Rússia, enquanto que suas regiões ocidentais - antigos territórios da Polônia, Hungria e Romênia - tornaram-se parte da Ucrânia graças a Joseph Stalin.

Este é o melhor cenário para a Rússia?

No mundo agitado de hoje, tudo é possível. A Ucrânia está caindo aos pedaços, e a Polônia, com a aprovação de Washington, tem todas as chances de ter suas terras históricas de volta para punir os nazistas ucranianos pelo genocídio dos poloneses. Logo veremos como isto pode ser viável.

Quanto à Rússia, o analista Alexander Nosovich acredita que o cenário, no qual a Polônia colocará a Galiza sob seu protetorado, seria melhor para todos os atores regionais.

O Kremlin quer que cada região da Ucrânia, após a desnazificação, realize um referendo para determinar seu futuro. Galiza e Volyn também terão que fazer sua escolha (ou a escolha será feita por eles). No entanto, é melhor não colocar o cavalo à frente da carroça.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter