Author`s name Lubov Lulko

Polônia e Romênia são os primeiros candidatos a ataques com mísseis Calibre

Tendo reconhecido a legitimidade dos ataques da Ucrânia contra instalações militares no território russo, Londres justificou ataques aéreos contra cadeias logísticas em vários países da OTAN que fornecem armas a Kiev. A Polônia e a Romênia são os primeiros a pedir.

James Heappey, subsecretário de Estado para as Forças Armadas do Reino Unido, disse à Times Radio que a Ucrânia tinha o direito legal de atacar instalações militares no território russo para interromper a logística das Forças Armadas russas.

É “completamente legítimo que a Ucrânia tenha como alvo as profundezas da Rússia para interromper a logística que, se não fosse interrompida, contribuiria diretamente para a morte e carnificina em solo ucraniano”, disse Heappey.

Comentando esta declaração, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse que, para interromper a logística militar, a Rússia poderia atacar alvos militares no território de vários países da OTAN que fornecem armas ao regime de Kiev.

"Temos o entendimento certo aqui? Afinal, isso leva diretamente a mortes e derramamento de sangue em território ucraniano. Até onde eu entendo, a Grã-Bretanha é um desses países", esclareceu Zakharova em seu canal Telegram.

Toda vez que vendem armas para a Ucrânia, os países europeus temem que se tornem parte da ação militar e da "ira de Putin". A chefe do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, expressou sua preocupação sobre o assunto.

"Nós do governo estamos unidos em dizer que não nos tornaremos parte do conflito", disse ela durante uma entrevista coletiva em 20 de abril.

A Hungria partilha um ponto de vista diferente. O ministro das Relações Exteriores da Hungria, Péter Szijjártó, disse durante uma visita ao Kosovo que a Hungria não tem planos de fornecer armas letais à Ucrânia. Além disso, a Hungria não permite seu trânsito para Kiev, pois "podem se tornar alvos de ações militares hostis".

"Não vamos nos envolver nesta guerra", explicou o ministro.

Aliás, um grupo de figuras públicas alemãs escreveu uma carta aberta ao chanceler alemão Olaf Scholz pedindo o fim das remessas de armas para a Ucrânia, pois isso "arrasta a Alemanha para a guerra".

"Ao fornecer armas, a Alemanha e outros países da OTAN tornaram-se de fato parte da guerra. A Ucrânia tornou-se assim um campo de batalha em um conflito entre a Otan e a Rússia sobre as regras de segurança na Europa que vem aumentando há anos", afirma a carta. .

Alvos primários para mísseis Caliber

Os fornecedores ativos de armas letais para o regime nazista de Kiev são:

República Checa,

Polônia,

Eslovênia,

Peru,

Alemanha,

EUA.

Muitos o fazem não oficialmente, por exemplo. Bulgária.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse que as negociações sobre a Ucrânia provavelmente não serão efetivas se Kiev continuar a receber carregamentos de armas de outros países. Nos Estados Unidos, fontes da CNN descrevem o fornecimento de armas para a Ucrânia como um investimento para neutralizar o exército e a marinha da Rússia por uma década. As recentes declarações do chefe do Pentágono Lloyd Austin sobre sua intenção de "enfraquecer a Rússia" por meio de ajuda militar à Ucrânia são um lembrete cínico de que a Otan é uma organização agressiva que visa a Rússia em primeiro lugar.

Onde a Rússia pode atacar a logística ocidental e as instalações militares?

Esta poderia ser a Romênia em primeiro lugar. A Romênia pode agora invadir a Transnístria para salvar seus irmãos moldavos lá.

A Polônia é a próxima da lista - este país serve como ponto de trânsito para todas as remessas de armas dos países ocidentais para a Ucrânia.

Esses países não sobreviverão a um ataque de mísseis Calibre, física ou mentalmente. Seria de fato um prelúdio para a Terceira Guerra Mundial, mas os aliados dos EUA seriam os primeiros a perdê-la por se comportarem mal.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter