Author`s name Lubov Lulko

O embargo russo às exportações de petróleo e gás irá esmagar o Ocidente

A Rússia precisa urgentemente impor um embargo ao fornecimento de petróleo e gás para a UE. Isto dará à Rússia uma oportunidade de enfraquecer estrategicamente os "Estados não amigáveis".

A Rússia não precisa nem de dólares nem de euros sob as sanções ocidentais

Ao fornecer gás e petróleo para a UE, a Rússia recebe bilhões de dólares e euros por mês.

De acordo com Josep Borrell, a UE paga diariamente à Rússia cerca de um bilhão de euros.

Desde o início da operação especial na Ucrânia, a União Européia transferiu 47 bilhões de euros para Moscou para o fornecimento de combustível, informou a agência de notícias Anadolu da Turquia.

"A UE paga a Moscou 450 milhões de dólares por petróleo e 400 milhões de dólares por gás natural todos os dias", calcularam os analistas.

Entretanto, devido às sanções anti-russas, houve uma forte redução nas importações. De acordo com as estimativas dos especialistas, as importações foram reduzidas pela metade. Portanto, os importadores russos não precisam mais de moeda estrangeira em quantidades tão grandes como antes, uma vez que foram impostas restrições:

  • compra de moeda,
  • retirar moeda no exterior para pagar dividendos e investir em ações,
  • retiradas de dinheiro em moeda estrangeira.

O Banco Central da Federação Russa também não precisa de moeda - o Banco não pode mais investir em reservas de ouro, nem pode emprestar e tomar emprestado moeda.

Em resumo, o dólar e o euro deixaram de desempenhar funções de pagamento e poupança na Rússia indefinidamente. Parafraseando a famosa frase: o rublo não tem taxa de câmbio, ele tem um caminho. O caminho é se tornar um meio de pagamento internacional.

A Rússia não deve apoiar as economias dos inimigos

Portanto, a Rússia, ao vender petróleo e gás para o Ocidente, apóia regimes "hostis" - inimigos, na verdade.

"A Gazprom suspendeu completamente o fornecimento de gás à Bulgária e à Polônia. Devemos fazer o mesmo em relação a outros países que não são amigáveis conosco", escreveu o orador do Parlamento russo Vyacheslav Volodin em seu canal de Telegramas na quarta-feira.

Esta é "a decisão certa, e os deputados da Duma apoiam-na", acrescentou ele.

Oleg Barabanov, Diretor de Programas do Valdai International Discussion Club, Chefe do Departamento de Políticas da União Européia da MGIMO, observou para a Pravda.Ru que tudo está indo nessa direção.

"Há uma guerra em curso, e sob condições de guerra é muito mais importante ferir o inimigo do que ganhar o máximo de dinheiro possível", disse o especialista.

O especialista acredita que a cessação do fornecimento de petróleo e gás para a UE, bem como de combustível nuclear para usinas nucleares em antigos países socialistas, pode ser a arma econômica da Rússia à qual Moscou deveria ter recorrido há muito tempo".

De acordo com Oleg Barabanov, resta esperar que a Rússia não tente ganhar algum dinheiro extra como foi o caso em 2014.

O embargo de petróleo e gás causará hiperinflação na UE

A Europa pode parar de comprar petróleo russo em 5-7 anos, mas qualquer movimento repentino pode desencadear conseqüências destrutivas em toda a União Européia.

A Rússia fornece 30% do petróleo bruto mundial e 40% dos produtos petrolíferos para a UE. Ao mesmo tempo, não há nenhuma região no mundo que teria capacidade livre para aumentar a produção e os suprimentos para preencher a lacuna que seria criada no caso do embargo russo.

Há pouco petróleo e gás gratuitos no mercado, e a UE será forçada a comprar petróleo russo de qualquer forma, embora através, por exemplo, da Índia. A Polônia já mudou para a compra de gás russo através da Alemanha.

A Gazprom disse que a Polônia ainda compra gás natural russo ao contrário através do gasoduto Yamal-Europa. Ele vai cerca de 30 milhões de metros cúbicos por dia, o que corresponde quase exatamente aos contratos com a Gazprom Export nos dias anteriores.

A UE mudará para GNL e óleo de petroleiro, mas o transporte é muito mais caro. Além disso, haverá um markup para recompra de gás dos mercados estabelecidos. Portanto, os suprimentos e receitas russos não sofrerão muito, enquanto a UE será obrigada a pagar 20-40% a mais pelo combustível, o que acelerará a inflação de acordo.

A Rússia precisa desembolsar o primeiro soco

Hoje, o Ocidente está mais vulnerável do que nunca:

  • a inflação está dilacerando os mercados de dívida dos EUA e da Europa;
  • os bancos centrais perdem o controle sobre os mercados monetários;
  • o tamanho do peso da dívida na Europa e nos Estados Unidos é esmagador.

Portanto, a Rússia precisa dar o primeiro soco, e ela deve se esforçar muito neste ponto. Os mercados de dívida não gostam da inflação (aumentos dos prêmios, desvalorização dos títulos), e o embargo russo provocará uma pressão inflacionária proibitiva. Isto provocará o colapso dos mercados de dívida e dará a Moscou uma oportunidade de enfraquecer estrategicamente e, de fato, esmagar seus inimigos. A capacidade de sobreviver no Ocidente é muito baixa, pois o sistema econômico ocidental é especulativo, mas não real.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter