Cientista político dos Estados Unidos chamou a era vindoura de "pós-americana"

Qualquer "fim de uma era" marcará o nascimento de algo novo e incomum. Nos últimos dois meses, a maioria das pessoas em diferentes partes do mundo acompanhou de perto o desenvolvimento da situação na Ucrânia, mas os analistas mais avançados estão preocupados não tanto com o estado atual das coisas, mas com uma avaliação dos próximos novos período.

Fin de Siècle

"Uma das características que definem a nova era é que ela é pós-americana. Com isso quero dizer que a Pax Americana das últimas três décadas acabou. Os sinais disso estão por toda parte. Considere o fato de que os líderes dos Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita, dois países cuja segurança dependeu de Washington por décadas - recusando-se a atender telefonemas do presidente dos Estados Unidos, de acordo com o The Wall Street Journal. Observe também que Israel (inicialmente) e a Índia se recusaram a rotular as ações de Putin como agressão , e que todos os quatro países deixaram claro que continuariam a fazer negócios com a Rússia”, disse Farid Zakaria, editor da Newsweek International, que o historiador Andrei Fursov caracteriza como “um funcionário de alto escalão a serviço dos globalistas”.

Para este respeitado especialista no campo das relações internacionais, a operação especial russa foi "um evento de proporções sísmicas" e "o mais significativo na vida internacional desde a queda do Muro de Berlim". Zakaria é interessante não apenas por suas Dez Lições para o Mundo Pós-Pandemia, mas por listar o Iraque como o 51º estado norte-americano. Com tal comparação, ele se tornou como o sábio soviético, que comparou a Bulgária com a 16ª república dentro da URSS.
Julgando que o alto custo da energia é prejudicial para países como China e Alemanha, Zakaria deposita suas esperanças de criar uma "superaliança de apoio aos valores liberais" em "uma Europa que poderia usar esse desafio para deixar de ser o ator internacional passivo que foi por décadas."

Os vencedores não são julgados
Ele viu esses sinais no aumento dos gastos de defesa da UE e na segurança da fronteira oriental da OTAN. É impossível ignorar a recomendação deste "um dos mais influentes" analistas políticos dos EUA. Em outubro de 2020, quando a mídia mundial escreveu sobre a pandemia, Zakaria sugeriu desistir da carne por causa do perigo de pegar o vírus ao comê-la. Na esteira de suas propostas malucas (d)inteligentes, muitos políticos da UE estão seguindo, sugerindo abandonar certos produtos e lavar com menos frequência.

Com razão, talvez julgando que no momento atual a democracia é impossível para alguma parte do mundo árabe, já que os islâmicos podem chegar ao poder lá, Zakaria não viu que o nascimento de uma Ucrânia “democrática” está ligado ao perigo do renascimento da Nazismo aí. Ele sabe calar onde é necessário para os poderosos deste mundo. Portanto, eles ouvem esse funcionário.

No entanto, para que o Ocidente se reúna e se torne poderoso, é necessária uma condição essencial: deve ter sucesso na Ucrânia. O imperativo agora é fazer todo o possível - arcar com custos e riscos - para garantir que Putin não vença", conclui. Zakaria.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Igor Bukker
X