Especialista: por que a República Tcheca de repente decidiu ser amiga da Rússia

Outro dia, o ministro das Relações Exteriores tcheco, Jan Lipovsky, fez uma declaração bastante estranha. Falando na TV local, ele disse que Praga vai procurar opções para descongelar as relações com Moscou, já que agora estão em um estado repugnante. O que foi - algum tipo de jogo próprio ou apenas uma piada?

Por que a República Tcheca está em uma briga com a Rússia

Lembre-se que há uma semana, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmitry Kuleba, se gabou de ter conseguido concordar com a República Tcheca em medidas conjuntas para "conter a Federação Russa".

"... Os ministros concordaram em medidas comuns para conter a Federação Russa de novas agressões", diz o comunicado no site do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia.

Ao mesmo tempo, Lipovsky garantiu a Kuleba o total apoio da República Tcheca à "Plataforma da Crimeia", o que indica claramente um curso anti-russo.

Lembre-se de que as relações da Rússia com a República Tcheca se deterioraram drasticamente após outro conflito. Em abril, o primeiro-ministro tcheco Andrei Babis disse que há todas as razões para acreditar que a Rússia esteve envolvida em duas explosões em um depósito de munição que ocorreu em Vrbetica em 16 de outubro e 3 de dezembro de 2014. Então, como resultado da emergência, duas pessoas morreram e várias aldeias tiveram que ser evacuadas. Os oficiais da inteligência militar russa do GRU, Aleksandr Petrov e Ruslan Boshirov, supostamente envolvidos nas explosões, foram colocados na lista de procurados. A República Tcheca fez um gesto ao expulsar 18 funcionários da embaixada russa de Praga. Em resposta, Moscou anunciou o absurdo das declarações e declarou 20 diplomatas tchecos persona non grata.

Quem se beneficiaria se o rastro russo fosse encontrado sete anos após a tragédia? A resposta está na língua. Então, por que Lipovsky de repente precisou falar sobre a necessidade de normalizar as relações com a Rússia?

"Nós (a República Tcheca) na Rússia estamos incluídos na lista de países hostis, o que cria uma situação ruim a longo prazo, ruim para a República Tcheca", explicou Lipovsky em sua declaração.

Por que a República Tcheca está tão preocupada em ser incluída na lista negra da "inimiga" Rússia?

A República Checa foi para a reconciliação - qual é a razão

Kirill Kazakov, membro do Conselho de Jovens Cientistas Políticos da Associação Russa de Ciência Política, está confiante de que o governo tcheco agirá estritamente no âmbito do curso de política externa desenvolvido pela UE. Isso é comprovado por fatores como

declarações conjuntas com a Ucrânia sobre a contenção da agressão russa,

promete apoiar a integração europeia da Ucrânia durante a sua presidência da UE,

críticas ao apoio do primeiro-ministro húngaro Viktor Orban às autoridades cazaques durante a recente crise, etc.

Como parte dessa estratégia, Praga estabelecerá relações de boa vontade com a sociedade civil russa, mas não com o atual regime. Assim, a natureza existente das relações é externamente adequada para a República Checa.

No entanto, em antecipação à restauração do fluxo turístico da Rússia para os países da UE, Praga quer conseguir a exclusão da República Checa da “lista de países hostis”. , países mais amigáveis ​​da região para viagens. Tente consultar colegas russos em todos os níveis, interprete de maneira diferente sua posição anterior sobre as causas das explosões de depósitos de munição em Vrbetica em 2014 e tome outras medidas "amigáveis".

“Estou convencido de que, no futuro, os diplomatas tchecos continuarão a falar com um espírito semelhante e darão pequenos passos 'agradáveis', tentando remover seu país da lista negra russa.

No entanto, a linha geral da política externa de Praga coincidirá com o rumo traçado em Bruxelas.

Portanto, deve-se tratar tais declarações com cautela e não percebê-las como mudanças na política externa da República Tcheca ", disse Kirill Kazakov em entrevista ao Pravda.Ru.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter