Author`s name Pravda.Ru Jornal

Oito em cada 10 países africanos perdem o objetivo crucial de vacinação COVID-19

Brazzaville - A África deve perder a meta global urgente de vacinar os 10% mais vulneráveis ​​da população de cada país contra COVID-19 até o final de setembro. Quarenta e duas das 54 nações da África - quase 80% - devem perder a meta se o ritmo atual de distribuição de vacinas e vacinações se mantiverem, mostram novos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Nove países africanos, incluindo África do Sul, Marrocos e Tunísia, já alcançaram a meta global definida em maio pela Assembleia Mundial da Saúde, o órgão mais importante de definição de políticas de saúde do mundo. No ritmo atual, mais três países africanos deverão cumprir a meta. Mais dois poderiam enfrentá-lo se acelerassem as vacinações.

“Com menos de um mês pela frente, essa meta iminente deve concentrar as mentes na África e globalmente. O acúmulo de vacinas reteve a África e precisamos urgentemente de mais vacinas, mas conforme chegam mais doses, os países africanos devem zerar e levar adiante planos precisos para vacinar rapidamente os milhões de pessoas que ainda enfrentam uma grave ameaça de COVID-19 ”, disse o Dr. Matshidiso Moeti, Diretor Regional da OMS para a África.

Cumprir a meta de 10%

Quase 21 milhões de vacinas COVID-19 chegaram à África por meio do COVAX Facility em agosto, uma quantidade igual aos quatro meses anteriores combinados. Com mais vacinas esperadas da COVAX e da União Africana até o final de setembro, pudemos ver doses suficientes entregues para cumprir a meta de 10%.

Enquanto muitos países africanos aceleraram as vacinas COVID-19 com o aumento das remessas de vacinas em agosto, 26 países usaram menos da metade de suas vacinas COVID-19.

Mais de 143 milhões de doses foram recebidas na África no total e 39 milhões de pessoas - cerca de apenas 3% da população da África - estão totalmente vacinadas. Em comparação, 52% das pessoas estão totalmente vacinadas nos Estados Unidos da América e 57% na União Europeia.

Desigualdade preocupante

“A desigualdade é profundamente preocupante. Apenas 2% dos mais de cinco bilhões de doses administradas globalmente foram administrados na África. No entanto, os aumentos recentes nas remessas e compromissos de vacinas mostram que uma distribuição global mais justa e justa de vacinas parece possível ”, disse o Dr. Moeti.

Os países devem continuar a abordar as lacunas operacionais e continuamente melhorar, adaptar e refinar suas campanhas de vacinação COVID-19. Dos 30 países que enviaram dados à OMS sobre prontidão operacional, um em cada dois não realizou análises intra-ação, que são essenciais para avaliar e ajustar o progresso. Um em cada três países não atualizou seus Planos Nacionais de Distribuição de Vacinas, que instruem todas as ações de vacinação COVID-19 em cada país.

A OMS está fornecendo assessoria política personalizada e orientação técnica e apoio aos países africanos para ajudar a melhorar suas capacidades de logística, planejamento e monitoramento. A OMS também está trabalhando para compartilhar lições e experiências valiosas entre os países.

Os casos de COVID-19 estão diminuindo ligeiramente na África, mas permanecem teimosamente altos. Um número crescente de novos casos na África Central, Oriental e Ocidental elevou o número de casos para quase 215.000 na semana que terminou em 29 de agosto. Vinte e cinco países - mais de 45% dos países africanos - estão relatando um número alto ou crescente de casos. Mais de 5.500 mortes foram relatadas na semana que terminou em 29 de agosto.

“Embora a terceira onda da África tenha atingido o pico em julho, o declínio de novos casos está em um ritmo glacial - muito mais lento do que nas ondas anteriores. A pandemia ainda assola a África e não devemos baixar a guarda. A cada hora 26 africanos morrem de COVID-19. ”

Delta em 31 países africanos

A variante Delta altamente transmissível foi encontrada em 31 países africanos. A variante Alfa foi detectada em 44 países e a variante Beta em 39.

A variante C.1.2 foi identificada em 114 casos na África do Sul. Casos únicos foram encontrados em quatro outros países africanos, e um número muito baixo de casos foi relatado internacionalmente. Embora relatado pela primeira vez à OMS em julho, a prevalência desta nova variante permanece muito baixa. Para ser identificada como uma variante de preocupação, deve haver evidências de um impacto na transmissibilidade, gravidade ou imunidade. Este não é o caso da variante C.1.2, mas são necessários mais dados.

 “Estamos monitorando de perto a disseminação e evolução de todas as variantes relatadas do COVID-19, incluindo C.1.2. O uso de máscara, o distanciamento físico e a lavagem regular das mãos ajudam a mantê-lo protegido de todas as variantes ”, disse o Dr. Moeti.

O Dr. Moeti falou durante uma conferência de imprensa virtual hoje facilitada pelo APO Group. Ela foi acompanhada pelo Dr. Nicholas Crisp, Diretor Geral Adjunto, Seguro Nacional de Saúde, Departamento de Saúde, África do Sul, e Dr. Assan Abdoul Nasser, Diretor de Imunizações, Ministério da Saúde Pública, População e Assuntos Sociais, Níger.

Também disponíveis para responder às perguntas estavam o Dr. Richard Mihigo, Coordenador do Programa de Desenvolvimento de Vacinas e Imunizações, Escritório Regional da OMS para a África, e o Dr. Thierno Balde, Gerente Regional Adjunto de Incidentes do COVID-19, Escritório Regional da OMS para a África.

Fonte: OMS

Traduzido por Olga Selyanina

Pravda.Ru

Contacto: jornalpravda@gmail.com

Tópicos