Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Terrorismo Internacional: Até que ponto?

Afirmar que o terrorismo internacional não existe, é perigoso porque é falso. Afirmar que o terrorismo islâmico internacional existe como um organismo estruturado com um aparelho de comando e controle que representa uma grave ameaça, parece irreal. Afirmar que a ameaça terrorista islâmica será facilmente destruída em uma questão de poucos anos é simplista.


Qual é a diferença entre um terrorista e um assassino comum? O primeiro tem uma causa e lutar por um ideal, e assassina. O segundo assassina. Os primeiros assassinam de forma indiscriminada, não se importando se suas vítimas são homens, mulheres ou crianças. Os segundos mais provavelmente escolherão como seus alvos companheiros criminosos, pessoas associadas a eles mesmos, e muito provavelmente, os vítimas serão homens e adultos.
Portanto, vemos que não há nada de heróico no terrorismo, porque o terrorista luta atrás de uma capa, comete seus ataques contra indefesos, contra os membros inocentes da sociedade e só faz a sua presença conhecida momentos antes que é tarde demais para fazer qualquer coisa. Nada valente, nada corajoso, nada místico, nada viril.


O terrorismo internacional
Em certo sentido, tendo uma causa, uma organização terrorista tem necessariamente de ter uma ampla base de apoio entre um setor da sociedade, seja este dentro de um estado ou a um nível supra-nacional. Na década de 1970 e 1980, o IRA contou com apoio e financiamento não só no Ulster e, em certa medida, na República da Irlanda, mas fundamentalmente da diáspora irlandesa nos E.U.A., onde os bem-intencionados contribuintes ao Noraid em Nova York, na verdade estavam financiando ataques terroristas.


Os ataques viraram 180 degraus e atingiram Nova Iorque no rosto em 9 / 11. Embora tenha havido uma certa quantidade de conluio secreto entre os movimentos terroristas celtas, o IRA na Irlanda do Norte / Reino Unido e a Armee Revolutionnaire Bretonne (ARB), na Bretanha, França, havia muito mais colaboração entre ARB e os separatistas bascos, a ETA, na década de 1980 e 1990 e durante essas décadas, na Europa, o terrorismo internacional foi reduzido aos fornecimentos de explosivos Semtex e operações de financiamento. Pouco ou nada mais.


O verdadeiro terrorismo internacional, porém, foi sendo promovido por aqueles que apoiaram os movimentos extremistas islâmicos na Ásia Central, criando movimentos hostis à União Soviética. Para fazer o salto do simplesmente Islâmico (seguidores do Islão) para Islamistas (radicais seguidores de um pan-islamismo), esses movimentos necessitavam - e encontraram - um ponto focal comum em wahhabismo, um movimento em torno de um seguimento mais rigoroso do Alcorão, como professou Muhammad ibn Abd al-Wahhab (1703-1792), e que identificou como "takfir" aqueles cujo comportamento foi considerado anti-(ortodoxo) islâmico.


O que tinha sido em grande parte um fenômeno religioso, social e cultural saudita, ganhou raízes em outras partes do Oriente Médio e Ásia Central, incluindo o flanco sul da Rússia (wahhabis chechenos e o movimento Mujahidin, iniciado a partir dos Madrassah do Paquistão com o apoio total e integral da CIA).


A alegação de que os Estados Unidos da América criou um monstro por intromissão em questões complexas, inteiramente fora do alcance de quem ditou a política externa do país, seria tão evidente que nem vale a pena dizer. Washington criou os Mujahidin, Washington usou bin Laden, diretamente ou não. No entanto, a alegação que Washington criou deliberadamente os Taliban e a Al-Qaeda é um exagero tão injusto quanto é falso. O monstro foi criado quando a liderança dos Mujahedin (Maktab al-Khadamat) transformou-se em Al-Qaeda. Foi então que o mestre perdeu o controle.


De wahhabismo à Al-Qaeda
Se wahhabismo foi ao Islão o que os presbiterianos ou movimentos Quaker foram ao cristianismo (e deve-se levar em conta os vetores comparativos sócio-histórico-cultural seguido por ambas as religiões ao longo do tempo de sua evolução), depois Bin Laden e Al-Qaeda, se não os próprios talibãs, cometeram os mesmos erros psicopatas e blasfemos como inúmeros hereges cristãos. Para Osama bin Mohammed bin Awad bin Laden e Al-Qaeda (os Islamistas), o takfir agora é o inimigo, os infiéis, os não-seguidores da palavra ... ditada pelos Islamistas.


No entanto, foi precisamente no Jihad no Afeganistão lançada pela CIA/bin Laden contra a União Soviética, onde jazem as raízes do terrorismo internacional Islamista, porque Osama Bin Laden, Ayman al-Zawahiri e o Mulá Mohammad Omar eram o ponto focal em torno do qual os fanáticos islâmicos da Chechénia, do Uzbequistão, da Indonésia, Paquistão, Arábia Saudita e outros lugares se reuniram, em primeiro lugar para formar os Mujahidin. Após um período de luta interna entre as várias facções, os movimento talibã baseado na etnia Pashtune apareceu dominante e este foi o eventual vencedor emergente da luta, ao qual Bin Laden ligou sua Al-Qaeda. Ou melhor, os líderes do Jihad tornaram-se em Al Qaeda (1988-1990) e os talibãs foram seus soldados de infantaria ... sem necessariamente ser a mesma coisa no início e ao longo da última década, longe disso; os talibãs e senhores da guerra afegãos têm suas mãos firmemente em controle da receita proveniente da produção de ópio e atualmente sectores do movimento talibã estão prontos para voltar a integrar o Governo. O divórcio entre os Talibã e Al Qaeda parece estar mais ou menos completo e final.


Perigoso até que ponto?
O debate gira em torno de até que ponto é verdade que uma cadeia de comando e controle pode ser ligada diretamente de Nova York/Washington para as montanhas do Afeganistão, gira em torno do papel das diversas agências americanas e estrangeiras dentro e fora dos E.U.A. no ultraje que foi 9/11. Como de costume, as vítimas eram civis inocentes.

Se em 2001 a Al-Qaeda tinha capacidade para executar o golpe de marketing mais espetacular da história do terrorismo (9 / 11), com base em seus ataques anteriores (Dar es Salaam, na Tanzânia e Nairobi no Quênia em 1998; Áden, Iêmen, em 2000), desde então, os ataques perpetrados foram cada vez mais rudimentares, embora mortíferos: Istambul, Turquia 2003, Madrid, 2004, Londres, 2005 sendo o mais amplamente referidos; no entanto, desde 2001, nada menos que 14.776 atentados foram realizados por militantes Islâmistas, assassinando 60.000 pessoas e ferindo outras 90.000 na mais ampla variedade de destinos geográficos.


Enquanto os eventos espetaculares terroristas chegam às primeiras páginas e fazem manchetes, graças à eficácia de suas terríveis atrocidades, os milhares de outros que assassinaram de um punhado de pessoas ou feriram algumas crianças não conseguem chegar ao grande público, a menos que tenham ocorrido na Europa Ocidental ou nos E.U.A. ou foram perpetrados contra os seus interesses.


Um a umento nas operações de inteligência, operações encobertas pelas autoridades e uma maior vigilância por parte dos cidadãos comuns (a linha de frente na luta contra o terrorismo) terão reduzido a estratégia de operações intercontinentais da Al Qaeda para os reinos do solitário demente com o sapato-bomba e um pobre garoto nigeriano confuso que ateou fogo às suas cuecas.


Aqueles que comparam esses eventos com o brilho estratégico da operação 9 / 11 (por horríveis que fossem seus efeitos) concluem que a capacidade do Far Enemy Jihadism, ou Jihadismo contra o Inimigo Longínquo, para atacar alvos massivos com sucesso diminuiu bastante.

Conclusões
É evidente que o terrorismo islâmico internacional existe e continua a representar uma ameaça potencial, enquanto um aumento nos ataques no Paquistão e no Afeganistão, contra a liderança da Al-Qaeda, e operações de inteligência pelo mundo fora, tem reduzido a capacidade da Al-Qaeda constituir o nível de eficácia que tinha em 1998-2001. Fica agora reduzido a ataques grosseiros com pouco mais de equipamentos caseiros (tipo mata-ervas e açúcar) e muito mais ataques terroristas islâmicos perpetrados contra os concorrentes regionais do que contra adversários internacionais.


Potencialmente p erigoso, sim. Espaço para complacência, não. Mas o espectro de uma Al-Qaeda, capaz de realizar ataques terroristas maciços ainda existe? O tempo dirá. Até então, vigilância e inteligência em todos os níveis, especialmente entre os cidadãos comuns, é a melhor forma de prevenção, embora a um nível superior, a liderança da causa pode ser atingida por meio do diálogo, através da inclusão política e abordar o cerne do problema com um único peso e medida: a questão do Oriente Médio.


Fundamentalmente, a causa terrorista perde vapor quando lhe faltam achas para a fogueira, nomeadamente seus peões e isso só pode acontecer através do desenvolvimento. Enquanto a União Soviética fazia a internacionalização do desenvolvimento, o Ocidente fazia o que pôde para sabotar os seus modelos. Mas a necessidade para o desenvolvimento é o fator constante na luta contra o terrorismo internacional. Sem desespero, não há terrorista.


Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru