Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Atentado à destruição do povo palestiniano

O bombardeamento israelita na Faixa de Gaza é um novo passo na destruição do povo palestiniano. Prosseguem os ataques a uma população que não tem para onde fugir nem como se defender, já que a Faixa de Gaza tem vivido sob um bloqueio que priva os seus habitantes de água potável, de energia, de alimentos, de medicamentos.

O cessar-fogo que os EUA, a UE e a ONU exigem aos palestinianos seria, nessas condições, a morte lenta para um povo cercado. Se alguém aqui está a defender-se, são os palestinianos de Gaza, que elegeram democraticamente o seu governo e a quem o Estado de Israel tem invadido, ocupado e roubado as terras, as propriedades e as casas.


Mas não é apenas Israel que está a cometer um crime de guerra, são também os Estados que ratificaram as Convenções de Genebra e que têm a obrigação de tomar sanções contra toda a pessoa que cometa esses crimes. A União Europeia, e em particular o governo português, são cúmplices dos criminosos de guerra israelitas ao não quererem cortar as relações políticas, comerciais e culturais com Israel.

Acção de solidariedade para com a população de Gaza
5 de Janeiro a partir das 18h no Largo de S. Domingos, junto ao memorial às vítimas da intolerância

Apoiam esta acção:
Associação Abril, Bloco de Esquerda, Colectivo Mumia Abu-Jamal, Colectivo Revista Rubra, Comité de Solidariedade com a Palestina, Conselho Português para a Paz e a Cooperação, Fórum pela Paz, Jornal Mudar de Vida, Monthly Review, Plataforma Gueto, Política Operária, Shift, SOS Racismo, Sindicato dos Professores da Grande Lisboa, Tribunal do Iraque

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter