Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Entrevista completa com Kent Mesplay

Entrevista completa com Kent Mesplay

“Pode haver outro evento do tipo 9/11 para impedir a realização da eleição presidencial”

Candidato do Partido dos Verdes dos Estados Unidos da América às Presidenciais em entrevista exclusiva com PRAVDA.Ru. Apresentamos as três partes da entrevista com Kent Mesplay. Apresentamos os programas dos candidatos de terceiros partidos, enquanto a midia internacional foca nos dois “grandes”. Kent Mesplay fala acerca da política interna, a sua visão para a política internacional e traça o projecto dos Verdes dos EUA.

Apresentamos a terceira parte da entrevista (a primeira apresentação aqui) seguida pelas duas primeiras partes, já publicadas.

Como você proporia conduzir relações com Cuba e seus outros vizinhos do sul tais como Venezuela, Nicarágua e Bolívia? Qual a sua política sobre Irã?


Acredito em relações de normalização com Cuba e criar melhores laços diplomáticos com os outros vizinhos do sul mencionados. Especialmente com Fidel Castro, é possível que seja uma oportunidade para descongelar o calafrio entre nossos países. A Cuba investiu recursos em vida sustentavel e agora tem muita experiência "verde" que pode estar valioso para outros países tal como os Estados Unidos. Líderes estrangeiros críticos do regime de Bush são imediatamente demonizados na nossa midia.


Hugo Chavez não é o vilão que dizem ser. Irã não é a ameaça que nosso governo gostaria que nós acreditássemos. Especialmente depois que nossa invasão de Iraque eu sou extremamente crítico da nossa administração presidencial.


O que diria sobre o fim da ocupação de Iraque?

A política relativamente ao Iraque deve passar por uma desculpa às pessoas de Iraque, desculpa ao pessoal de serviço militar dos EUA e as suas famílias, desculpa aos outros cidadãos dos EUA e aos cidadãos do resto do mundo. A retirada necessita ser incondicional, retirada imediata (que pode tomar seis meses para implementar plenamente) e uma "mudança" paralelo em esforços diplomáticos. Politicamente, um corpo internacional tal como a ONU é necessitado para ajudar a mudar em direção a uma sociedade mais pacífica.


Os informantes e os outros amistosos aos esforços “coalizão" precisam de vistos depressa para que eles possam deixar o país. Os diplomatas dos EUA têm de trabalhar incansavelmente nos países que rodeiam o Iraque para formar uma coalizão de políticos, das celebridades (autores, músicos, personalidades dos esportes, etc.), de líderes tribais, de líderes religiosos e a juventude que pode ajudar a conduzir à região para se tornar estável.


Há muitos possíveis métodos de realizar um sistema universal de cuidados de saúde. O Partido Verde advoga um sistema de cuidados de saúde em que o governo é responsável para assegurar que todos os cidadãos nos Estados Unidos sejam cobertos?


Eu gostaria da política estendida para os não-nacionais que estão aqui em visita ou trabalhando, até em situação ilegal. Se as doenças raras forem trazidas ao país por pessoas que procuram trabalho, é importante que recebem a cobertura adequada da saúde para impedir a propagação da doença. Nós somos um país suficientemente rico para fornecer cuidados de saúde para todos.


Para razões de segurança, é importante ter um sistema de cuidados de saúde regional forte. Também, seria bom ir em direção a apólices reconhecendo e encorajando cuidados de saúde complementares ou alternativos, tal como reconhecer a importância de trabalhar com plantas curadoras e práticas antigas de "energia". Medicina ocidental tem muito a aprender. Por causa de influência corporativa (companhias farmacêuticas, as seguradoras) a tendência tem sido abolir sistemas de cuidados de saúde enraizados em sabedoria da comunidade. Gostaria de uma mistura de "velho e novo" com nossas práticas médicas, com um equilíbrio de padronização e respeito para diversidade. Estudo com curandeiros Nativos e outros que fazem cura de "energia".


Por quê é que os Clintons experimentaram dificuldades em executar seu plano de cuidados de saúde?


A dificuldade experimentada pelos Clintons em produzir um plano razoável de cuidados de saúde nos Estados Unidos veio do próprio setor do negócio, que trata cuidados de saúde como um negócio que dê lucros a curto prazo. Nossos representantes eleitos, antes de tudo representam interesses de negócio. Não há nenhuma separação de negócio e Estado nos Estados Unidos, que explica a maneira como representantes políticos resolvem problemas em vários setores.


Quais as suas possibilidades de ser nomeado pelo seu partido à Presidência?


Alguém disse-me uma vez para trabalhar sempre como se eu estivesse ganhando. Actualmente, outros candidatos do Partido dos Verdes têm mais votos e delegados do que eu tenho. Eu não fiz uma contagem estrita, mas eu penso que seria seguro dizer que pela época da convenção de Julho eu estarei no terceiro lugar ou melhorarei. No presente eu estou em algum lugar no meio. Os dois candidatos os mais famosos estão à frente, liderados pelo mais famoso (Nader).


Qual a mensagem que queria dar aos leitores da PRAVDA.Ru?


Bem, obrigado pela entrevista. O Partido Verde é um partido verdadeiramente internacional. O leitor é encorajado a ler sobre nossos valores chaves: descentralização, paz e não-violência, justiça social e saúde do ambiente. Nos Estados Unidos nós estamos numa altura crítica em que nosso governo desliza em direção ao totalitarismo de certa maneira, que é invisível a muitas pessoas. Por causa do temor promulgado por nossos "líderes" outro acontecimento do tipo 9/11 podia ser usado como uma desculpa para impor a lei marcial e cancelar a eleição presidencial. Muitas pessoas aqui não compreendem quantos dos nossos direitos como cidadãos desapareceram sob o regime atual de Bush. Necessitamos de perestroika e glasnost, estilo americano, aqui nos EUA: reestruturando e franqueza.


Primeira parte

1. Como nós vemos, o sistema está actualmente contra terceiros partidos. Que etapas são necessárias para quebrar o sistema de dois partidos?


O primeiro passo será permitir aos candidatos tempo igual e acesso a cobertura de meios de comunicação. Agora mesmo, a maioria de cobertura é comprada pelos candidatos bem sucedidos. Ser candidato às eleições é uma questão de dinheiro, com apoio fornecido pelos comitês nos dois partidos e as corporações (por exemplo debates são controlados pelas corporações). Por isso, receber o dinheiro é importante, por campanhas financiadas publicamente. Em vez dos contribuintes financiarem estas campanhas de publicidade, seria melhor termos leis de acesso justas. Também, tendo representação proporcional e votação preferencial tal como I. R. V. ajudará a melhorar a representação e acesso de partidos alternativos.


2. Por que você pensa que os eleitores americanos são reticentes de colocar o voto nos candidatos que não sejam Republicanos ou Democratas?


As pessoas que são repugnadas com a política neste país não votam (um voto silencioso, invisível contra o sistema). O caminho para a frente deve ter uma campanha rapidamente móvel que comece a ver como pode ter êxito. É possível mas improvável que os verdes sejam eleitos. Atualmente, há mais que 200 verdes eleitos. Estas tendem a ser posições locais, incluindo prefeitos/presidentes da Câmara. Os eleitores votarão para um "underdog" (o candidato com menos peso) mas somente se este parece que pode fazer algo. Assim, há uma possibilidade de eleger um presidente ou um senador verde, mas é pouco provável sob o sistema atual. Uma boa ideia seria uma campanha de protesto massivo utilizando celebridades.

3. Os meios de comunicação fazem exposição difícil para os candidatos de terceiros partidos. Você não pensa que esta situação deve ser abordada legalmente?


Sim. Nader e outros têm processos a decorrer, por exemplo acerca da obstrução de um candidato em Pensilvânia e na obstrução ilegal da campanha de Nader por operativos do Partido Democrático em 2004. É praticamente ilegal participar na política neste país fora da estrutura dos dois partidos.


4. Os problemas com o sistema eleitoral nos EUA deixam muito a ser desejado quando este país pregoa a outras nações sobre a democracia. Por favor comentar sobre a fixação da administração "para espalhar a liberdade e a democracia"


"Liberdade e democracia" é uma retórica usada pelo governo dos EUA, uma linha barata que vende, comprando o apoio de supostos patriotas que são realmente os que, por sua falta de pensamento crítico, vendem a alma deste país. Nosso país invade e depois se proclama o "good guy" (o bom da fita). É não só "mundialmente" : dentro dos EUA acontece também.


5. O que seria sua primeira ordem como Presidente dos Estados Unidos relativamente ao aquecimento global e a dependência em petróleo? Também, o uso de urânio empobrecido, não é um desastre ecológico de enormes proporções?


Os EUA precisa de declarar um estado de emergência e usar todos os recursos disponíveis para melhorar nossa eficiência de energia e mover-se inteiramente na direcção da energia sustentável e renovável. Só não temos isso hoje porque os grandes negócios e o Estado andam de mãos dadas. Nosso governo é dirigido por corporações.

Nader disse recentemente que cada filial de nosso governo é dirigido pelos negócios: mesmo o departamento de labor. Nosso governo está no limiar do fascismo, e eu quero dizer isso no sentido lato do termo que denota uma confluência perigosa do negócio e do governo, especialmente a respeito do negócio da guerra. Sim, eu concordo inteiramente a respeito do uso do urânio empobrecido: outro assunto "verboten" nos EUA.

Segunda parte

Quanto aos casos internacionais, que é sua posição sobre o escudo anti-míssil proposto dos E.U.A. na Europa Oriental?


Eu sou oposto de "ao protetor anti-míssil” proposto pelos EUA na Europa (10 interceptores da defesa contra mísseis na Polônia e um sistema do radar na República Checa). Embora eu acredite na defesa, a maneira em que este programa está sendo discutido é ofensivo aos governos e aos povos da Rússia, aos contribuintes nos EUA e o Irão.


Evidentemente a Rússia não quer ser rodeada por forças dos EUA. Para que isto funcione, os EUA e a Rússia teriam que submeter-se a um programa comum do comando e do controle, com Polônia e a República Checa. E agora se coloca a questão, “e depois?”, especialmente depois da retirada dos EUA em 2001 do tratado dos mísseis anti-Balísticos.

A administração dos EUA é beligerante e está tentando ventilar as chamas de uma guerra "nova e melhorada" com o Irã. Irã não é a ameaça que dizem ser. Mesmo que os extremistas fiquem lá no poder até que seja desenvolvida a capacidade de causar danos profundos com mísseis numa missão suicida, os EUA se recusam de falar mas não seria melhor utilizar a diplomacia para os compreender melhor?

A Polônia é já maior o recipiente de ajuda militar dos EUA na Europa. Há muitas áreas domésticas nos EUA merecendo apoio (por exemplo, educação, programas de apoio após Katrina) atualmente não adequadamente abordados pelo governo federal. Adicionalmente, sobre-confiança na tecnologia à custa de diplomacia é uma receita para fracasso. Não se pode confiar no escudo anti-míssil. É mais um projecto do complexo militar-industrial.


Que é sua opinião da política dos E.U.A. nos Balcãs, é uma política justa e honesta?

No que diz respeito à política dos EUA nos Balcãs, o apoio de governo dos EUA e reconhecimento de um Kosovo independente é inerentemente injusto para a Sérvia. A questão da imparcialidade da Sérvia levanta muitas questões, particularmente desde que Milosevic está agora já há muito tempo fora do poder (morreu), e outra vez vai a pergunta sobre como foi conduzida a política externa: somos uma nação disposto a escutar, e a negociar, som todos os actores responsáveis, ou nós só interessamos em forçar a nossa agenda nos outros?


Eu preferiria que os Estados Unidos fossem mais ativos no diálogo com Sérvia e Kosovo, juntos. Como um verde, eu reconheço e aprecio a diversidade e a necessidade para que os povos dêem forma a seus próprios governos representativos. Minha visão pessoal, romântica, é que os separatistas em toda a parte têm argumentos fortes para querer seu próprio país. Nós vemos isso, por exemplo, em Israel.


Entretanto, melhor que forçando as políticas que se dividem numa maneira divisiva, meu partido incentiva "as soluções de estado" em que os jogadores diversos são incentivados a encontrarem maneiras muito menos inflamatórias de reconhecer e de comemorar suas diferenças.

Lisa KARPOVA

PRAVDA.Ru

EUA/CANADÁ