Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

«Quero-queros» uruguaios vencem «Nômades» kazaquistanenses 44 x 7 em Montevidéu

A seleção uruguaia de ráguebi, os conhecidos «Quero-queros» venceram sem sufoco á seleção de Kazaquistão no Estádio Charrua de Montevidéu 44 x 7 atingindo o próximo alvo e o último degrau rumo á Taça do Mundo Nova Zelândia 2011, desta vez num mata-mata perante o vencedor do jogo Romênia x Tunísia.

O jogo parecia tingir-se equilibrado até que o primeiro pênalti conquistado em favor dos uruguaios ia abrir a faixa rápida da vitória gerando um beco sem saída para os «nômades». Foram os primeiros três pontos do falcão uruguaio, Emiliano Caffera com a camisa 10.

Alguns minutos depois, no eixo central quase na metade do campo, o Martín Crosa segurou a oval embaixo do braço colocando-a na cratera plástica verde fluorescente, refletindo a exatidão do chute pênalti em mais três pontos para os uruguaios.

O primeiro «try» sobrevoava o ambiente e saboreava-se no paladar dos torcedores e jogadores uruguaios pois o estilo de jogo «celeste» começava progredir em campo de jeito muito fluente. Subindo desde o centro do campo até pegar a faixa esquerda do ataque, houve uma «tabelinha» enxuta uruguaia que pela valia, gerou os bate-palmas dos torcedores e o abração do Martín Crosa com mais dois jogadores.

O falcão uruguaio, Emiliano Caffera ia aumentar o marcador com mais dois pontos para os anfitriões.

Poucos minutos depois, repete-se a estratégia uruguaia mas desta vez mudando de faixa. Do eixo central rumo á faixa direita houve nova evolução do time chefiado pelo Gonzalo Camardón desde o plantão, atingindo mais cinco pontos na hora que o Leandro Leivas apoiava a oval após a linha de fundo. Mais uma «try» celeste que ia com prêmio, mais dos pontos do amigo da cratera fluo, o Emiliano Caffera que ia ganhando carimbo de destaque já.

Encerrando a primeira metade do jogo, o Emiliano Caffera ia brilhar de novo chutando mais um pênalti entre as colunas. Os bandeirinhas argentinos com camisa oficial embaixo do agasalho esportivo, bracejaram as bandeiras confirmando esses dois pontos do Caffera e o final do primeiro tempo com o placar URUGUAI 20 x KAZAQUISTÃO 0.

Dos três árbitros, só o central vestiu com camisa vermelha. Fica claro que só ele teve a possibilidade de andar bastante pelo gramado «esquentando» o corpo. Os bandeirinhas teriam que ter tido como uniforme um cobertor cada por cima da cabeça, além do sol tímido que debruçou no Estádio Charrua.

A segunda metade iniciou com alteração dos kazaquistanenses, saindo do gramado o Ahmetzhan Baratov (09) e pulando em campo o Ilya Poplavskiy (21).

Mas nada ia mudar quanto aos primeiros 40 minutos pois a «Chuteira Dourada» uruguaia do Caffera, conquistou mais um pênalti aumentando o placar 23 x 0.

A «celeste» poderia ter tremido caso os «Nômades» tivessem começado apoiar a oval embaixo das colunas e conquistando os dois pontos de acréscimo pois com pênaltis apenas não ia conseguir dar uma virada no resultado.

Tendo andado alguns minutos da segunda metade e progredindo pela faixa direita do ataque kazaquistanense, o Ildar Abdrazakov (12) enfiou em diagonal rumo ao centro das colunas, conquistando o primeiro é único «try» dos visitantes. Foi o Sergey Noshkin (15) que ganhou prêmio de mais dois pontos para o time visitante.

Nesse instante o placar mostrava do lado de fora do retângulo de jogo, pertinho dum dos escanteios na hora do futebol. URUGUAI 23 x KAZAQUISTÃO 7.

Um dos atacantes kazaquistanenses nessa jogada ficou deitado no gramado segurando a cara com as mãos, sintoma claro de dor. O uruguaio Alfredo Giuria (08) e o Serik Zhanseitov (05) ganharam cartão amarelo ficando fora da quadra no decorrer de cinco minutos. Desde o vestiário uruguaio chegou primeiro um cobertor celeste para o uruguaio que ficava no aguardo do reingresso ao jogo sentado numa cadeira plástica branca e logo na hora que o argentino Santiago Ramallo (vistoria da IRB) pediu para o plantão visitante que colocassem um acima do jogador Zhanseitov, não tendo chegue, os uruguaios refletindo confraternização ofereceram um cobertor celeste para o visitante.

O gigante uruguaio, Juan Carlos Bado (04) saiu do gramado deixando sua vaga para o Martín Fonseca (19) sendo que após esta marcação no jogo, chegou o «try» uruguaio mais desejado de todos pois dava uma de ré nesse provável reagir dos «Nômades» levando o placar 28 x 7 por conta do Leandro Leivas (14). O acréscimo para esse try ia vir do lado da chuteira direita do artilheiro uruguaio, Emiliano Caffera.

Aos poucos, os uruguaios quebraram para sempre a vontade dos kazaquistanenses com mais uma try com acréscimo mais uma vez conquistado pelo camisa (10) uruguaio.

A partir desse momento chegaram todas as alterações em cachoeira tentando que todos os jogadores participassem da partida, no caso dos visitantes se despedindo da possibilidade de alcançar uma vaga nesta classificatória para Nova Zelândia 2011.

Na seleção de Kazaquistão, entraram em campo os jogadores Evgeny Sheshin (19), Azat Abishev (16), Tairzhan Arzhev (18) indo para os vestiários o Alexander Zaharov (13), o Yevgeniy Shekhrov (04) e Mihail Bzhitskih (01). Aliás, os uruguaios da reserva toda pularam em campo em poucos minutos. Porém, o Edgardo Benítez (16), Juan Pedro Rombys (17), Juan Pablo Horta (20), Juan Martín Llovet (21),Santiago Gortari (22) e Martín Espiga (18) em substituição dos colegas Alejo Corral (01), Pablo Lemoine (03), Alfredo Giuria (08), Juan De Freitas (12) e Ivo Dugonjic (15).

Deixando o ponteiro avançar quase no apito final do árbitro argentino, houve try – pênalti para os uruguaios que encerraram o resultado 44 x 7 dos kazaquistanenses. Sabe o quê? Os últimos dois pontos mais uma vez para o Emiliano Caffera que poderia ter ganho a OVAL do jogo.

Na Rodada de Imprensa após a partida, compartilharam a mesa dos destaques, o capitão uruguaio, Carlos Arboleya, o treinador principal celeste, o Gonzalo Camardón, o principal da IRB na América, o argentino Hernán Rouco Oliva, o Gustavo Zerbino. Presidente da União de Ráguebi do Uruguai, o treinador e o capitão dos «Nômades», Evgeny Zuev e Timur Mashurov.

Um dos comentários do Carlos Arboleya foi o seguinte: «Tivemos um sobe e desce constante no gramado mas acho que não foi bem feito». Após á pergunta da colega do Jornal El País quanto tinha a ver com a lesão no pescoço, ele respondeu que foi parte do que acontece num confronto de ráguebi e levando em consideração que nesse instante a vantagem era interessante acabou pedindo alteração.

O principal da IRB na América, o argentino Hernán Rouco Oliva, parabenizo á turma uruguaia pela conquista e confirmou que ainda não conhecia o resultado do jogo Romênia x Tunísia do qual ia surgir o rival dos Quero-Queros.

Por enquanto, foi logo a hora do Gonzalo Camardón que respondeu uma pergunta deste correspondente quanto á sua preferência se tivesse condições de escolher o rival: A resposta dele detalha-se a seguir: «Caso escolher, com certeza a Tunísia ia ser minha escolha mas também quase com certeza o nosso rival no próximo mata-mata vai ser a Romênia».

Acrescentou que o desconhecimento do rival fez com que o alvo dos jogadores uruguaios fosse acreditar na tarefa no gramado, sem importar-se do resto.

Depois o Sr. Hernán Rouco Oliva interveio mais uma vez pedindo que os uruguaios todos refletissem e até os apoios percebessem que só por causa de um processo de três anos de trabalho é que Uruguai foi evoluindo no ambiente internacional tendo ganho e perdido perante a Rússia, perdendo apenas com a Romênia em duas oportunidades e participando nos torneios Cross Border tendo na frente rivais de grande valia que vão aprimorando o jogo dos Quero-Queros.

Logo após alguns minutos do início da Rodada, chegaram o treinador e capitão visitantes, Evgeny Zuev e Timur Mashurov sendo que o único que respondeu perguntas da imprensa em inglês foi o capitão, confirmando que o resultado foi justo e a vantagem acabou esticando-se até ficar sem possibilidades de reagir.

Os alto-falantes do Estádio Charrua anunciaram inúmeras oportunidades no decorrer do jogo que os pagantes nas arquibancadas não rasgassem os ingressos pois no final do jogo um sorteio ia definir a pessoa que ia sobraçar a bola oval para levar em casa como lembrança.

A rede da tevê internacional ESPN esteve no campo ao vivo.

O programa Rugby News foi um dos que ficou do lado da linha lateral da quadra e logo na Rodada de Imprensa. Os parabéns para a nossa colega e amiga, Jimena Montgomery batendo o botão da camarinha a cada instante.

Tendo encerrado a rodada de imprensa, o mais conhecido jornalista de ráguebi uruguaio, o Sr. Ceibal Regules, confirmou para nós que ficou extremamente surpreso e feliz pelos comentários do Diretor Geral da versão portuguesa do PRAVDA, Sr. Timothy Bancroft Hinchey na matéria de futebol, URUGUAI HERÓIS. Foi mesmo incrível ter lido esses comentários da seleção uruguaia de um estrangeiro que parece mesmo uruguaio, remarcou Dom Ceibal.

Fotos:

1 ) Head Coach Quero-Queros uruguaios: Sr. Gonzalo Camardón

2 ) Senhora Natalia (delegação de Kazaquistão) e o Sr. Stanislav Knorr – Chairman – Kazakhistan Rugby Union

Sábado 17 de Julho de 2010

Hora: 14 h – Clima: 9ºC – ensolarado.

URUGUAI

ESCALAÇÃO

Uniforme: camisa celeste, calção, meias e números pretos.

1 – Alejo Corral (San Isidro Club – Argentin a)

2 – Carlos Arboleya (Trébol – Uruguai)

3 – Pablo Lemoine (Valence d´Agen – França)

4 – Juan Carlos Bado (Valence d´Agen – França)

5 – Diego Magno (MVCC)

6 – Nicolás Brignoni (Oyonnax – França)

7 – Mathías Braun (PSG)

8 – Alfredo Giuria (Los Cuervos - Uruguai)

9 – Manuel Martínez (Old Christian´s – Uruguai)

10 – Emiliano Caffera (Champagnat – Uruguai)

11 – Martín Crosa (Old Boys - Uruguai)

12 – Juan De Freitas (Champagnat – Uruguai)

13 – Gastón Mieres (Lobos – Uruguai)

14 – Leandro Leivas (Old Christian´s – Uruguai)

15 – Ivo Dugonjic (PSG)

PLANTÃO

16 – Edgardo Benítez (Trébol – Uruguai)

17 – Juan Pedro Rombys (Trébol – Uruguai)

18 – Martín Espiga (Old Christian´s – Uruguai)

19 – Matías Fonseca (Los Cuervos – Uruguai)

20 – Juan Pablo Horta (Old Christian´s – Uruguai)

21 – Juan Martín Llovet (Old Christian´s – Uruguai)

22 – Santiago Gortari (Old Boys – Uruguai)

Head Coach: Gonzalo Camardón

Staff técnico: Gonzalo Amaya – Bruno Grunwald

KAZAQUISTÃO

ESCALAÇÃO

Uniforme: Camisa branca, calção e meias azuis, números amarelos e azuis.

1 – Mihail Bzhitskih

2 – Arman Mussulmankulov

3 – Vladimir Chernykh

4 – Yevgeniy Shekhrov

5 – Serik Zhanseitov

6 – Grigoriy Ivanchenko

7 – Anton Ruddy

8 – Timur Mashurov

9 – Akhmetzhan Baratov

10 – Daulet Akymbekov

11 – Sergey Konev

12 – Ildar Abdrazakov

13 – Alexander Zaharov

14 – Denis Molochniy

15 – Sergey Nozhkin

PLANTÃO

16 – Azat Abishev

17 – Sergey Menshikov

18 – Tairzhan Arzhev

19 – Evgeny Sheshin

20 – Roman Sorokodzyhba

21 – Ilya Poplavskiy

22 – Zabaiyakin, Evgeny (não viajou)

Treinador: Evgeny Zuev

Árbitros: F. Pastrana (central). Bandeirinhas: J. Mancuso e F. Cuesta (os três argentinos)

Uniforme: camisa vermelha, calção e meias azuis.

UNIÓN DE RUGBY DEL URUGUAY – www.uru.org.uy

KAZAKHISTAN RUGBY UNION – www.kaz-rugby.com

RUGBY NEWS - www.rugbynews.com.uy

Correspondente PRAVDA.ru

Gustavo Espiñeira

Montevidéu – Uruguai