Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

COI proíbe capacetes de hóquei com mensagens políticas

COI proíbe capacetes de hóquei com mensagens políticas
16 de fevereiro de 2010 • 06h52 • atualizado às 07h46

Capacetes com mensagens políticas, como o do goleiro americano Jonathan Quick, estão proíbidos nos Jogos

O goleiro de hóquei da seleção americana Jonathan Quick será obrigado a remover o slogan "Apoiem as nossas tropas" de seu capacete por quebrar regras olímpicas de propaganda política. A ordem expedida pela Federação Internacional de Hóquei no Gelo (IIHF) também se estende aos outros dois goleiros da equipe, Ryan Miller e Tim Thomas, que também têm capacetes com mensagens.

Goleiro titular dos Estados Unidos, Ryan Miller tem um capacete pintado com a figura do Tio Sam, personagem que identifica o exército americano, e também uma mensagem em homenagem a um primo que morreu vítima de câncer. Ele disse concordar em remover a imagem do equipamento, mas não admite tirar o apelido do seu primo e promete protestar contra a decisão.

O porta-voz da IIHF, Szymon Szemberg, alegou que a medida foi tomada de acordo com a regra nº 51 do Comitê Olímpico Internacional, que proíbe qualquer tipo de propaganda política nos equipamentos dos atletas.

Apesar de certa resistência por parte de Quick, Miller e de dirigentes da Confederação Americana de Hóquei, o terceiro goleiro do time, Tim Thomas, já treinou nesta segunda com um adesivo sobre o slogan do seu capacete.

A seleção americana, uma das favoritas ao ouro olímpico junto a Rússia e Canadá, estreia nesta terça contra a Suíça, às 18h (de Brasília).

Foto: Reuters