Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Gustavo Zerbino – Empresário, Presidente Da União De Ráguebi Do Uruguai E Sobrevivente Na Cordilheira Dos Andes 1972

Gustavo Zerbino Stajano é Presidente da União de Ráguebi do Uruguai, um dos dezesseis sobreviventes do acidente aéreo da Cordilheira dos Andes em 1972, Gerente Geral de um laboratório uruguaio mas acima de tudo, um ser humano incrível. Conheça-o 37 anos depois da sua Hora H.

PRAVDA: Quem é o Gustavo Zerbino? Temos dois Gustavo a partir de Outubro de 1972? Ou Dezembro de 1972 gerou um outro Gustavo? Sua famiília? Esposa, filhos? Um dia na vida hoje?

GZERBINO: Sou produto do amor de uma família maravilhosa, meu pai um ser humano incrível, Jorge Zerbino que casou com a minha mãe, única namorada tendo apenas 14 anos, logo chegaram nove filhos, eu sou o quinto nessa fileira, quatro irmãos na frente e quatro nas costas, e tive o grandíssimo privilégio de gozar na vida do exemplo e atenção dos meus pais que foram incríveis mesmo. Tenho 33 primos e a CIBELES – www.cibeles.com.uy - é uma empresa familiar, foi fundada pelos cinco irmãos Zerbino com o Dr. Ruben Fostel em 1975 e no meu caso comecei na empresa em 1978 que deu início com um escritório aonde faziam- se notas fiscais e felizmente hoje é um dos laboratórios do agro mais importantes do país com uma Divisão Veterinária e uma Humana. Eu fico na frente da Divisão Farmacêutica faz quase trinta anos e sou Presidente da Indústria Farmacêutica Multinacional. Sendo criança, fui uma pessoa anti autoritária e muito rebelde tendo escolhido ser o «melhor -pior», fui o pior da turma na escola, acabei sendo expulso do Colégio Stella Maris – www.stellamaris.edu.uy - tendo completado nove anos, enfiei para o Colégio Seminário – www.seminario.edu.uy - mais dez anos e aí minha sorte foi bem melhor pois deu uma de homem de MKT confirmando para os freires que eu ia me formar como freire e me agüentaram até o final. Um ano antes do evento da Cordilheira, trabalhei na Castores de EMAUS (entidades que ainda hoje continua fazendo creche com doações) pois tinha uma vocação de serviço muito grande e construíramos casas para MEVIR pelo interior do país todo, sistema cooperativo de ajuda mútua, com um Diretor Espiritual jesuíta que foi o Pablo Touyá e foi tanta minha vocação de serviço que achei mesmo ia me formar como freire. Por enquanto, acabei o namoro com a minha namorada e antes de subir naquele avião tinha feito uma revisão da minha vida...ou seja achei que houve alguma coisa estranha. Porém o dia 13 de Outubro de 1972 pegamos o avião rumo a Chile tendo como objetivo jogar uma partida de ráguebi na terrinha do Presidente Salvador Allende, o primeiro governo socialista eleito de forma democrática, uma grande experiência para nós nessa época, fora que o dólar não era caro e a mulherada era linda mesmo. Essa foi a premissa de uma turma de jovens no eixo dos 18, 19, 20, 21 e até 23 anos que montamos um vôo charter. A vida e as circunstâncias fizeram que o avião explodisse na montanha começando viver uma experiência que foi um soluço existencial. Permitindo nos conhecer os limites mais extraordinários do ser humano, o que tem a ver com o confronto com a natureza, o caos, a desolação, a solidão, a morte, o frio, temperaturas cruéis e tocar na frente que acabou gerando logo, livros, filmes, tentando colocar o branco acima do preto quanto ao que aconteceu na realidade pois continua sendo misterioso difícil de explicar. Nasci o 16 de Maio de 1953 e tinha completado 19 anos alguns meses antes que o avião caísse.

P: Sua mãezinha ainda vive, não é? Ela continua morando na casa na qual o recebeu em Dezembro de 1972? Percorre-a com carinho?

GZERBINO: Nós morávamos na rua Viña del Mar 6828 no bairro Carrasco, foram quase quarenta anos lá e á medida que os filhos íamos casando a casa ia ficando a cada dia mais grande para os nossos pais até que numa hora decidiram mudar-se para um apartamento na Rua Millington Drake, no qual a minha mãe ainda mora lá com 87 anos sendo uma mulher extremamente saudável contornada pelo amor de 33 netos e mais de dez bisnetos hoje.

P: O que acontece contigo na hora de passar pela porta daquela casa que você curtiu os anos de moleque?

GZERBINO: Faz alguns dias acabei dando uma conferência na qual estava como ouvinte o nosso Presidente da República eleito, Pepe Mujica e comentei que eu nasci em um bairro chamado Carrasco, com jardins, sem grandes contornando as casas e terrenos nos quais dava para encontrar vacas, capivaras e sem grades contornando as casas por causa da insegurança, quando conseguia deixar as garrafas de vidro do leite vazias naquela gaiola de ferro contendo umas dez unidades com a grana embaixo no jardim da casa no aguardo do cara que trazia as garrafas lotadas de leite para o dia seguinte, a bicicleta ou a bola de futebol no próprio jardim e ninguém e ninguém mexia. Era uma grande família, o cara da bancas que levava o jornal em casa, o padeiro, o leiteiro, foram todos eles integrantes da família. Nesse ambiente transcorreu a nossa criancice, e agora é um bairro lotado de muros, grades, tendo perdido aquele contato com a natureza, a liberdade, e a anarquia de sair de casa tendo o mundo ao dispor.

P: Um jornalista perguntou para a turma dos Andes se foram 72 ou 73 dias e um de vocês confirmou que com certeza ele não tinha ficado um dia lá na neve, caso contrário um dia não teria sido apenas 24 horas para ele.

GZERBINO: Só posso te dizer que existe uma grande diferença entre o tempo real e o tempo psicológico. Cinco minutos sofrendo e abraçado pela dor no aguardo de uma ambulância para socorrer um filho ou um pai que está tingido de sangue parece um ano. Embora, três meses de alegria e felicidade curtindo férias parecem apenas quinze minutos. Nós estivéramos 73 dias na montanha e posso te dizer que foram séculos por causa da intensidade do vivido, a dor e o ambiente que tivéramos que gerar para conseguir sobreviver.

P: O que aconteceu naquele primeiro encontro na neve com a turma reunida. Silêncio, soluços, pranto, tristeza, felicidade por ter visitado aos amigos que ficaram? Pensou porque resistiram?

GZERBINO: Como primeiro comentário, posso te dizer que a capacidade do ser humano quanto a resistir o sofrimento não tem limites mas como tivéramos a capacidade de dissolver ou protegermos, jamais nunca acordei me lembrando um fato que tivesse me apavorado como reflexo de um pesadelo que viesse daquilo que passei lá. É um grande privilégio que os seres humanos temos conseguindo dissolver aquela dor em um tempo que parece mesmo que tivesse sido um filme apenas o que nós vivemos. Mas não me lembro de momento especial mas caso conseguisse reviver aquela história toda acabo mergulhando em uma dimensão absolutamente diferente, tendo que construir uma sociedade sustentada no amor, vocação de serviço, com um único objetivo que foi sobreviver e que ninguém morresse. Graça a Deus, conseguimos o objetivo pois ninguém morreu que não tivesse falecido pela própria caída, a batida, o alude, ou até os ferimentos que tiveram suportado. Tendo que agüentar temperaturas de 40 graus embaixo do zero e 40 graus de calor com o céu sem nuvens. Ou seja, que no decorrer de 24 horas tínhamos que suportar uma faixa de temperatura no eixo dos 90 graus.

P: Qual é o sentimento na hora que alguns falam que os sobreviventes tiraram benefício financeiro da triste fama de ter ficado neste mundo discursando pelo mundo todo?

GZERBINO: Nada acontece quanto a isso no meu interior pois eu convidaria a todos aqueles que tivessem vontade de dar um pulo até a montanha e ficar 73 dias, só logo poderiam dizer tudo quanto quiserem , Nenhum de nós escolheu cair de um avião, nenhum de nós escolheu ter a possibilidade de que os problemas virassem oportunidades, tendo sido co-protagonistas de um exemplo extraordinário de pessoas como os teus amigos que têm falecido, que baseados no amor deles, naquela vocação de serviço permitiram que todos nós estejamos vivos. Neste mundo de hoje, que a crise não é econômica nem financeira senão de valores, a sociedade toda, as empresas, as universidades, procuram exemplos de vida, ressureições, no qual o ser humano consegue utilizar o máximo potencial físico, mental e intelectual atingindo alvos extraordinários. Somos um exemplo que as pessoas as vezes está querendo utilizar mas nós não somos exemplo e nada, as pessoas escolhem utilizar a nossa imagem como mensagem de amor e solidariedade, estamos recebemos milhares de e-mails, cartinhas de agradecimento pela net, de muitas pessoas que como aconteceu contigo, ficaram extremamente felizes na hora que nós aparecêramos na montanha, a alegria que tiveram nesse instante, ou como a nossa história vira força para eles continuar na luta quando parece que não da para tocar na frente. Hoje o mundo é uma sociedade de consumo que envolve traçar situações e a nossa história é muito forte, muito intensa e é isso o que atrair ás pessoas. Tenho sido palestrante por quanto cantinho consiga imaginar, de graça, nos hospitais, cárceres, pacientes com AIDS, colégios, fundações e também as empresas que pagam pela boa ação da excelência e acabam investindo em pessoas como nós. No meu caso sou o Presidente da Indústria Farmacêutica Multinacional faz 15 anos, sou Diretor da CIBELES, deste laboratório, Presidente da União de Ráguebi do Uruguai, e tudo quanto consegui foi por causa do trabalho, não consegui nada lá na Cordilheira dos Andes. As pessoas que achem que eu sustento meu dia-a-dia na Cordilheira, está pifando mesmo; os Andes me deu a possibilidade de fazer estourar o meu potencial, de olhar além desse horizonte, em um outro mundo que um dia vi, então estou contribuindo com a sociedade, da melhor forma possível e de graça.

P: Gustavo,ficou aquele grande amigo na Cordilheira? Conseguiu um grande amigo que ainda não era logo ter voltado da Cordilheira? Qual é o conteúdo dos bate-papos da turma nos encontros anuais?

GZERBINO: No meu caso, houve alguma coisa estranha, desde o primeiro dia que encontrei você na vida, o tratamento que acabei te dando foi de amigo mesmo e na montanha morreram muitos amigos. Á partir dessa marcação, a palavra amigo, não foi sinônimo de um nome, de um sobrenome, de uma pessoa, todos os seres humanos foram amigos para mim, tentando lhe dar o mesmo amor, a mesma intensidade, pois acho que preciso retribuir tudo quanto recebi e como não posso excluir ninguém, vivo de jeito intenso; não sou uma pessoa com amigos exclusivos, faço tudo de coração, perdi muitos amigos mas a vida me deu milhões de amigos, ou seja, que a amizade em si própria é absoluta e só se encontra caso consiga treiná-la. Quanto aos encontros da turma é quase um rito, daqui a pouco dias vamos ter mais um encontro, o dia 22 de Dezembro, eu apareci o dia 23 de Dezembro, o último da turma em ter saído da montanha para comemorar. Uma outra data marcada para encontro são os dias 13 de Outubro, o dia que acabou caindo o avião, o 29 de Outubro, o dia do alude, nas bodas, nos velórios, nas quadras de ráguebi, no Colégio, na vida em si, somos amigos, somos uma turma de pertences, que nos queremos e brigamos como qualquer um dos seres humanos deste mundo, não somos bonzinhos nem diabos, trata-se de pessoas que curtem a vida com intensidade. Nessas reuniões, não temos assuntos proibidos nem marcados com antecedência para conversar logo, cardápio livre sabe, pode se falar de tudo quanto tivermos vontade de falar. Não se colocam barreiras na frente de ninguém para falar daquilo que quiser compartilhar. Só temos uma premissa, sermos autênticos.

P: Hoje tem eleições na União de Raguebi do Uruguau. Faz quanto tempo na Presidência da URU (www.uru.org.uy)?

GZERBINO: Faz dois anos que sou Presidente, fui eleito por dois anos e hoje está se acabando o período. Alguns clubes estavam querendo que eu continuasse, uns outros estavam querendo dar uma refrescada de raiz mas não tem candidato nenhum para propor. Acho que temos feito uma grande tarefa, sustentado naquele grande esforço tentando fazer progredir o ráguebi, consolidar os valores desde esporte que tem tanto para nós oferecer. Foi cansativo mesmo, foram muitas horas de trabalho cada dia, vamos ver o que acontece na Assembléia de hoje. Tenho vocação de serviço mas todos aqueles que estão no cemitério algum dia foram imprescindíveis. Não temos que segurar os cargos e dar a oportunidade ao pessoal que vem querendo conquistar os espaços.

P: Compartilhamos o Sul-Americano de Ráguebi Praia como parte do cronograma do Sul-Americano de Esportes Praia ODESUL semana retrasada. Levar o ráguebi do gramado até a areia faz parte dessa expansão deste esporte?

GZERBINO: Estou trabalhando em um programa que intitulamos «Ráguebi para todos» tackle ás drogas, e posso acrescentar que é para todos e além disso em todos os cantinhos do pais. Hoje joga-se ráguebi nas praias, o ráguebi também virou Olímpico, trabalhamos de jeito intenso com Bernard Lapasset com as unidades todas do mundo do ráguebi para que este esporte ganhasse carimbo olímpico e felizmente acabou virando Olímpico, é uma realidade. Sinto-me orgulhoso por ter participado dessa etapa de crescimento e expansão.

P: Fala-se que ráguebi é esporte de uma elite privilegiada mas nesse período que te teve na chefia da URU acabou sendo treinado em inúmeros bairros humildes uruguaios. E assim mesmo?

GZERBINO: Trata-se de um projeto que muitos tínhamos na cabeça. O ráguebi é um esporte dos ingleses que guardaram para eles. A União do Ráguebi do Uruguai esteve no Clube Inglês até que em 1971 saíramos daquele Clube Inglês, em 1973 me desculpa, a levamos para o Iate Clube cujo Presidente era o Ernesto Llovet, e á partir desse instante houve um compromisso tentando que o esporte se expandisse até que hoje estamos conseguindo , assinando convênios com o Ministério de Esportes e Turismo, as Prefeituras do país, com o Ensino Primário e Secundário, tendo que o esporte seja treinado no país inteiro.

P: Uruguai tem progredido no ráguebi mas tem barreiras no continente americano difícil de pular de olho nas Taças do Mundo como os «Pumas» argentinos ou até na versão B, os «Jaguares», ás «Águias» dos EUA e a própria Canadá? Apontando em Nova Zelândia 2011, argentinos e norte-americanos impediram nossa classificação. Quais são as próximas repescagens e quando vão acontecer? Temos chances?

GZERBINO: Claro que temos chance. Ainda temos que jogar um outro mata-mata em Julho de 2010 perante o perdedor da Ásia, que vai sair de uma lista de países como Uzbequistão, Coréia, Hong-Kong e caso vencermos vamos ter mais um mata-mata perante o perdedor da Europa e quase com certeza os rivais poderiam ser Portugal, a Romênia e até a própria Geórgia, da para perceber que a cada dia é bem mais difícil se classificar pois temos times muito fortes nesse projeto de atingir a Taça do Mundo Nova Zelândia 2010.

P: O que aconteceu com aquele projeto de integração de seleções ou times brasileiros no Torneio Uruguaio, tudo quanto tinha conversado no último Sul-Americano de Montevidéu com o Treinador Principal da seleção brasileira, o francês Pierre Paparamborde?

GZERBINO: Veja só, a partir da CONSUR (Confederação Sul-Americana de Ráguebi – www.consur.org) trabalha-se com força e hoje o ráguebi mundial pediu para o Brasil que solicitasse a sede o próximo mundial de SEVEN no Rio de Janeiro como experiência Pré-Olímpica para que o Brasil que é um país e pólo humano incrível com uma população no eixo dos 200 milhões, onde o esporte é bem-sucedido, pudesse utilizar o ráguebi como uma ferramenta de desenvolvimento social, com valores, solidariedade, espírito coorporativo, o Brasil está jogando e vai jogar o Cross-Border com as Províncias argentinas e uruguaias e hoje estamos contribuindo com o envio de árbitros, tentando que possam se integram em algum torneio específico, times do Brasil, no Torneio Uruguaio ou até da região..

P: Chateia mesmo que a cada reportagem que você é alvo, as perguntas acabem caindo acima do assunto da Cordilheira dos Andes ou faz parte de uma experiência pessoal que vai ficar contigo e não chateia?

GZERBINO: Qualquer jornalista que aprecie sua profissão, pode ter interesse específicos deassuntos globais, tendo uma turma tão pequena como a nossa que ficamos apenasdezesseis que fomos parte dessa experiência poderia ter a curiosidade de perguntar e está tudo ótimo. Vamos respeitá-lo sempre.

P: Não acha que caso essa turma que acabou caindo na Cordilheira não tivesse sido integrada por raguebistas, tivesse resistido?

GZERBINO: Não gosto imaginar cenários teóricos. Nos não somos seres extraordinários, somos pessoas convencionais que na vida tivemos que fazer coisas extraordinárias para sobreviver e sermos raguebistas foi uma vantagem que acabou nos favorecendo. Mas poderíamos encontrar outros esportes, outras turmas de humanos que nesse mesmo cenário façam tudo quanto nos fizéramos até melhor do que nós. Seria soberbia imaginar que o ráguebi ia ser o único proprietário de valores especiais. Tem valores especiais mas acho que outros esportes poderiam exprimir essas características e no meu caso os desconheço.

P: Quantas oportunidades você voltou naquele ponto da Cordilheira? Voltaste sozinho, com a turma, com a família?

GZERBINO: Voltei com os meus quatro filhos, com a turma, logo após uns vinte e tantos anos, acho que foram 5 ou 6 vezes, umas três vezes acima de um cavalo, estive uma semana xerocando a caminhada do Nando Parrado e Roberto Canessa desde o ponto de encontro com o Arrieiro até o avião e duas vezes em um helicóptero e ano que vem estou planejando voltar com a minha mulherada, minha esposa, minha filhinha Lourdes, Maria e a caçula Lupita que completou , três anos, ou seja, poderia ser a menina mais nova em pisar uma montanha, ano que vem acima de um cavalo.

P: Caso os filhos quiserem, você conversa daquele evento?

GZERBINO: Eles podem perguntar direto. Conhecem a história e flui de jeito natural. Tendo 6 anos, Sebastián, um dos meus filhos assistindo um vídeo fez o comentário para um dos amigos que nós tínhamos sobrevivido pois os nossos amigos falecidos emprestaram-nos os músculos para que pudéssemos escalar a montanha. De um jeito maravilhoso eles compreenderam um fato que muitos no mundo inteiro não conseguiram.

P: Temos o destino carimbado antes de nascer?

GZERBINO: Acho que temos dois destinos. O primeiro destino que temos carimbado os seres humanos com extrema certidão é a morte. Vamos morrer, sem dúvida. Segundo, cada um dos seres humanos tem diferentes cores, coisas diferentes para apreender que não percebemos. O importante na vida não é o que te acontece, senão aquilo que você faz com aquilo que acaba te acontecendo. O que acontece não pode ficar sob controle da gente, mas tudo aquilo que você faz como o que te acontece com certeza depende do agir da gente. Tirando conclusões, acho que temos dois destinos, o que vai te acontecer e tudo quanto você faz com aquilo que te acontece. Trata-se de aprendizagem e ensino, que fazem possível dar uma virada, transformando problemas em oportunidades, diferenciando amanhã o essencial do que não é.

P: É verdade que um cara dessa delegação acabou chegando tarde no embarque no Aeroporto de Carrasco e ficou bronqueado por ter ficado em Montevidéu? Aliás, que um integrante da turma não viajou para Santiago de Chile com vocês pois o pai dele era Gerente da KLM?

GZERBINO: É verdade mesmo...é incrível mas Tito Regules acabou acordando tarde e não chegou no embarque com a turma porém não embarcou naquele avião mas vinte anos depois acabou cochilando dirigindo o carro e morreu na hora. Ou seja, salvou a vida porque acabou se dormindo e logo morreu porque acabou se dormindo mais uma vez. Veja só o que é o destino. E no caso do Bobby Jougust que o pai dele era o Gerente Geral da KLM no deixou ele viajar no avião da Força Aérea Uruguaia e pegou o avião da KLM das 18 h chegando antes do que nós decolando um dia depois.

P: Continuam jogando ráguebi agora só para descontrair? O que é o arrieiro que encontrou o Nando Parrado e Roberto Canessa para vocês?

GZERBINO: Uma vez a cada ano jogamos a Copa da Amizade. A gente reune-se para jogar aquela partida que nunca aconteceu no Chile em 1972, comemorando a vida e agradecer. Com os chilenos cruzamos a Cordilheira, montando a maior delegação da história no Uruguai, mais de 200 pessoas, três aviões, jogamos agradecendo ao povo chileno e ao arrieiro que encontrou o Nando e Roberto, a Força Aérea Chilena, aos enfermeiros. De jeito específico o arrieiro é como se fosse o nosso pai, adoramos ele, foi convidado de nós inúmeras oportunidades viajando para Uruguai, e também viajamos para visitá-lo. Trata-se de uma pessoa impar. Ele e sua família são parte da turma.

P: Faz ano e tanto um alpinista mexicano encontrou um agasalho do Eduardo Strauch na Cordilheira?

GZERBINO: Qualquer um que atingisse a montanha andando pelas redondezas vai encontrar peças distribuídas na neve pois parece lotada de buraquinhos. Foi lindo que o escalador descobrisse aquele agasalho pois permitiu que o Eduardo se reencontrasse com essas lembranças que ele mais gostava. É bom salientar que o agasalho ficou com o Eduardo.

P: Qual é o termo que envolve aquele evento da Cordilheira. Tragédia ou acidente?

GZERBINO: Ao meu ver, não trata-se de tragédia nenhuma, nem sequer de milagre. É uma história de amor, de solidariedade, onde os seres humanos ficaram na frente da maior das adversidades, conseguimos vencer em uma corrida de revezamento onde todos triunfaram a vida acabou ganhando da morte. Envolve muitador mas exprime muita esperança, muita fé, muita ilusão. Falo desde jeito assim, parece mesmo uma grande feijoada existencial, com todos os temperos da vida, e na qual cada uma das pessoas que mergulham nela pode tirar tudo quanto tiver vontade de tirar, não vai se esgotar nunca. Todo foi refletido talvez de jeito cruel nos filmes maravilhosos como a «Parceria na Neve», também o livro, no próprio filme «Strandent» e o livro «Vivem».

P: Tem vontade de compartilhar mais algum comentário? Faça então.

GZERBINO: Esqueci falar do livro de Fernando Parrado, intitulado «O milagre dos Andes», um livro maravilhoso; Carlitos Páez, tem mais um que acabou intitulando-se «Após o dia dez». No meu caso, não preciso falar nada do assunto, muitas coisas para viver, continuar nessa aprendizagem constante, no meu interior uma grandíssima gratidão para Deus, á vida, aos meus pais, ao país maravilhoso no qual moro e desejo muito sucesso ao amigo Pepe Mujica, o Presidente Eleito, o Presidente de todos os uruguaios no decorrer dos próximos cinco anos onde todos os uruguaios vamos ter que contribuir.

P: A turma já refletiu quanto ao dia que o primeiro dos dezesseis enfiasse para compartilhar a vida com Deus?

GZERBINO: Brincamos com essa tal situação. Numa oportunidade o Moncho Sabella estava internado no hospital na Unidade de Cuidado Intensivo sendo dia 22 de Dezembro. Foi então que comentáramos para ele que estávamos no aguardo que falecesse pois estava faltando uma boa picanha para fazer churrasco. Foi piada, da para entender, não é? Querendo dizer que sarara pois houve um pacto entre nós que íamos mantê-lo vivo. A turma se adora, são simples brincadeiras, pode ter certeza disso!!!

PRAVDA. Meu xará, «Vivem» é o meu livro de cabeceira e o primeiro que eu li com apenas 11 anos. Não te conheço de jeito profundo mas saiba que você transmite muita paz desde seu olhar, seus comentários, a partir do jeito de falar extremamente sossegado. Acho que Deus escolheu muito bem contigo te deixando na vida. Talvez ficaram muitos lá na neve melhor do que você é ou alguns da turma sobrevivente que ainda não conheço, mas sem dúvida contigo foi justo e te abençoou. Obrigado por ter me dado o privilégio de fazer esta reportagem levando em consideração que para aquela criança que fui naquela data do início do decênio de 1970, vocês todos foram os meus heróis. É um sonho mesmo para mim!!!

O PRAVDA agradece o apoio da Secretária do Senhor Gustavo Zerbino, Valeria Piriz na coordenação desta reportagem. Fora isso, torcemos pelo sucesso da Valéria no exame internacional de português «CELPE» avaliado pelo ICUB e o governo do Brasil.

Correspondente PRAVDA.ru

Gustavo Espiñeira

Montevidéu – Uruguai