Author`s name Timothy Bancroft-Hinchey

Defensor Sporting 4 x DIM 3

A partir da Quarta 22 de Abril de 2009, o feitiço de Garabato não é «privilégio» do América de Cali só pois agora o feitiço do tal senhor Garabato alcança o Deportivo Independiente Medellín também da Colômbia e mais uma vez na hora que o árbitro encaminhava sua ferramenta fundamental na boca e ficava pronto para assobiá-la pela última vez no jogo, mais uma oportunidade perante um time uruguaio.

Numa outra fase da Libertadores, isso é verdade, mas a imagem após o último apito do árbitro no jogo de ontem foi a mesma que aconteceu no finalzinho da Final da Taça Libertadores do ano 1987. Outubro ia se acabando e o América também. Estádio Nacional de Santiago de Chile era testemunha de mais uma façanha do futebol uruguaio, na hora que o artilheiro uruguaio Diego «Fera» Aguirre, conhecido dos «colorados» gaúchos, furava o gol do guardião argentino Julio César Falcione deixando aos «Diabos Vermelhos» colombianos sem o caneco de Campeão pela terceira vez, uma atrás da outra, logo ter perdido em cachoeira em 1985 com o Argentino Juniors e 1986 perante o River Plate argentino.

Desta vez uruguaios e colombianos repetem a história, com paraguaios destaques do lado dos colombianos hoje e ontem mas foram outras camisas as que montaram o espetáculo. Em 1987 o confronto aconteceu na Terceira Final da Libertadores e com o tempo suplementar se acabando, o Peñarol deu uma facada mortal no peito do América vencendo-o com gol Diego Aguirre.

É bom salientar que com o empate, o América ia ser o novo Rei das Américas e os narradores colombianos regredindo começavam comemorar a vitória que nunca ia chegar.

Existe uma gravação de um dos narradores colombianos regredindo á partir de dez (segundos) rumo ao zero na hora que o jogo continuava empatado....Dez, nove, oito, sete...por Amor de Deus....não acredito, não acredito...o que é isso...chega, chega....

Até com o futebol uruguaio bem mais fraco que na época de Ouro, jogar perante um time ou seleção uruguaia não é brincadeira não, agora nem amanhã. A «garra» é propriedade de nós, uruguaios, que quem sabe porque fomos tocados pela magia da história uma e mil vezes.

Alguns jogadores «vermelhos» deitados representados pelos jogadores Jairo Ampudia e Valencia, olhando pro céu, uns outros com a cara acima do gramado, outros ajoelhados segurando as cabeças querendo conhecer a causa dessa má sorte que caiu acima deles.

Ontem, as camisas colombianas foram brancas, calções azuis mas a tristeza a mesma que faz 22 anos. Tristeza não tem fim, não...Seu Vinícius...é verdade cara!!! Os torcedores do Defensor estão comemorando com algumas das LOIRAS semelhantes ás que você enterrou nos barzinhos da vida.

Agora foi a vez do DEFENSOR SPORTING CLUBE que toca na frente e ganha vaga nas Oitavas da Taça Libertadores no aguardo dos «Grandões» desta «50» edição que conseguiram ficar bem mais alto na tabela geral de pontos ganhos.

Agora bem, uma mensagem para o pessoal da SPORTV BRASIL.

Semana retrasada, assistindo o jogo América de Cali 0 x Defensor Sporting 0 no Hotel Confort Downtown de São Paulo (Praça da República), verificamos que as faixas que mostravam os nomes dos times e o resultado no decorrer do jogo foram AMÉRICA e DEFENSOR.

Acho interessante lhes avisar que o DEFENSOR existiu desde 1913 (até 1989), porém daqui a poucos anos teria que comemorar um século de vida. Problemas financeiros vinte anos atrás fez com que o time de futebol CLUBE ATLÉTICO DEFENSOR unisse suas forças com o time vizinho de basquete, SPORTING CLUBE DO URUGUAI, ainda mais idoso.

Os dois tinham o risco de sumir da história do esporte uruguaio e escolheram essa solução para continuar com vida até hoje mudando o nome para DEFENSOR SPORTING CLUBE.

É verdade que os torcedores do time quanto tem a ver com futebol continuam chamando-lhe DEFENSOR e no caso do basquete, os antigos torcedores, chamam-lhe de SPORTING.

Por enquanto, seria ótimo que no próximo jogo vocês escrevessem o nome do clube como DEFENSOR SP. pois espaço na faixa tem bastante!!!

Mas estão querendo saber o que aconteceu ontem á noite no Estádio Centenario.

O DIM tinha feito pouso em Montevidéu com duas chances no bolso que garantiam sua vaga nas Oitavas da Taça Libertadores, vitória e até um empate.

Aliás, o Defensor Sporting segurava forte apenas uma, a vitória

As escalações dos times foram às seguintes:

DEFENSOR SPORTING (Uruguai) (4): 01 – Martín Silva (goleiro e capitão); 21 – Pablo Pintos; 04 – Mario Risso; 02 – Jorge Curbelo; 18 – Sebastián Ariosa; 19 – Julio Marchant; 05 – Pablo «Teca» Gaglianone; 08 - Miguel Amado; 07 – Diego de Souza; 09 – Diego Vera; e 20 - Álvaro «Chinês» Navarro.

PLANTÃO: 12 – Fernando Rodríguez (goleiro); 23 – Leandro Cabrera; 16 – Diego Ferreira; 13 – Jonathan Techera; 10 – Marcos García e 14 – Mauro Vila.

TREINADORES: Jorge «Traça» Da Silva (principal) – Aditos: Sergio Cabrera e Daniel Oddine.

DEPORTIVO INDEPENDIENTE MEDELLIN (3): 01 – Aldo Bobadilla (goleiro e capitão); 25 – Juan Guillermo Cuadrado; 24 – Samuel Vanegas; 03 – Andrés Ortiz; 19 – Jair Benítez; 05 – Juan E. Ortiz; 21 – Jhon j. Restrepo; 20 – Iván Corredor; 11 – Rafael Castillo; 17 – Diego Cabrera e 07 – Luis Carlos Arias.

PLANTÃO: 12 – Brayan López (goleiro); 15 – Carlos Hidalgo; 10 – Isidro Candia; 23 – William Arboleda; 08 – Roger Cañas; 04 – Ricardo Calle e 13 – Juan D. Muriel.

TREINADORES: Santiago Escobar (principal). Adito: Leonel Álvarez.

ÁRBITROS: Central: Federico Beligoy (argentino). Bandeirinhas: Ricardo Casas e Francisco Rocchio (argentinos).

Árbitro no plantão: Fernando Falce (Uruguai).

Vistoria da Confederação Sul-Americana de Futebol: Fernando Barriocanal (Paraguai)

Controle de Dopagem da Confederação Sul-Americana de Futebol: Dr. José Veloso (Uruguai).

Data: Quarta 22 de Abril de 2009.

Hora: 21:50 h

Tempo: Frio (15°C).

Lotação: 17 mil.

GOLS:

PRIMEIRO TEMPO

DSC 1 x DIM 0 – 13´ - Álvaro «Chinês» Navarro (DSC)

DSC 1 x DIM 1 – 19´ - Luis C. Arias (DIM)

DSC 2 x DIM 1 – 35´- Diego Vera (DSC)

SEGUNDO TEMPO

DSC 2 x DIM 2 – 77´ - Juan E. Ortiz (DIM)

DSC 3 x DIM 2 – 82´ - Diego de Souza (DSC)

TEMPO SUPLEMENTAR

DSC 3 x DIM 3 – 92´ - Diego Cabrera (DIM)

DSC 4 x DIM 3 – 93´57” – Álvaro «Chinês» Navarro (DSC)

Resultado final:

DEFENSOR SPORTING (Uruguai) 4 x INDEPENDIENTE MEDELLÍN (Colômbia) 3

A partida acabou sendo um teste cruel para todos aqueles torcedores dos dois times pois o enfarte poderia chegar a cada instante.

Felicidade e tristeza mudaram de camisa oito oportunidades no decorrer do jogo desde o apito inicial pois ás 21:50 h o DIM pisou o gramado classificado para Oitavas.

Logo chegaram sete gols e o último faltando apenas 3 segundos para encerrar o tempo suplementar.

Fica estranho encontrar um goleiro paraguaio destaque como é o Aldo Bobadilla que leve para casa quatro gols no mesmo jogo.

Até ontem , o Defensor Sporting tinha furado duas vezes as redes adversárias nesta edição da Taça Libertadores (e nem duas pois numa oportunidade nem beijou a rede. Foi o erro do Rogério Ceni de São Paulo em Morumbí que acabou introduzindo-se junto com a bola). Porém, o Defensor acordou do cochilo ontem á noite conquistando quatro gols num jogo só.

O grande destaque da noitada «violeta» acabou sendo o camisa sete, Diego de Souza que canhoto da gema e subindo de jeito constante pela faixa esquerda do ataque, daqui a pouco vai trocar de camisa, a «celeste» está ficando mais próxima. Chuta como ninguém faz no futebol uruguaio e fora isso é canhoto, negócio que falta e faltou sempre na seleção uruguaia nessa localização em campo.

Que homem é esse...? Se lembra da música...

É o Diego de Souza !!!

O ex meia colombiano, Leonel Alvarez, mantendo aquela imagem de chefão que tinha com a camisa 5 da seleção colombiana fica do lado do treinador no plantão. Também manteve papos com alguns torcedores do Defensor Sporting que ficaram na Arquibancada América quase do lado dos reservas. Caso ele consiga refletir o que mostrava em campo, pode ser um grande sucesso como treinador principal daqui a pouco tempo.

Em um vestiário colombiano descontraído antes do começo do jogo, dois ex jogadores uruguaios que passaram pelo time colombiano curtiram papos com o pessoal do DIM. O zagueiro Rafael Villazán (Vice Campeão Sul-Americano Júnior 1974 e Campeão Sul-Americano Júnior 1975) e o goleiro Luis «Lucho» Barbat (herói do DIM)visitaram os amigos na prévia.

No entretempo, o goleiro paraguaio do DIM, Aldo Bobadilla fez uma mudança no uniforme. A camisa vermelha do primeiro tempo virou creme mas o resultado final infelizmente para ele ficou igualzinho, derrota no primeiro tempo, derrota no segundo.

Sem aquele agito das torcidas do FLA e do GRÊMIO porto-alegrense, os torcedores do Defensor Sporting acabaram gritando desse jeito que ouve se muito gostoso nos Estádios,

MENGOOO, MENGOOO, MENGOOO

GRÊMIOOO, GRÊMIOOO, GRÊMIOOO,

TORTOOO, TORTOOO, TORTOOO.

O Parque de Diversões «Rodó», antigo Parque Urbano contorna a Concentração e o Estádio do Defensor Sporting. Um dos jogos eletrônicos do Parque é o «Samba» e uma pessoal muito envolvida no início da vida do clube, foi o Juan Sambado. Entre o Samba e o Sambado, o Defensor Sporting pode comemorar uma vitória histórica na Libertadores no Parque de Diversões montevideano. A Avenida Zamayúa no final do século XIX e inícios do XX (hoje Avenida Julio Herrera e Reissig) abre os grandes portões do Estádio Franzini para comemorar com a torcida. Caso for torcedor não esqueça!!!

Correspondente PRAVDA.ru

Gustavo Espiñeira

Montevidéu – Uruguai